Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Depois da queda Autor(a): Luizinho Trocate - Conheça esse autor
História publicada em 20/08/2007
Retornei de uma viagem recentemente - 25/07 - e, conversando com um amigo, este me contou uma historinha que achei interessante.
Dois dias depois da queda em Congonhas ele, que estava em Vitória, retornou para São Paulo em um vôo da mesma companhia e, por volta de 19h30, deveria pousar em São Paulo.
Pousou! Nada de extraordinário aconteceu. O eixo narrativo está no embarque e no medo que acompanhou aqueles passageiros de Vitória a São Paulo e, claro, no alívio ao tocar o solo depois da aterrissagem.
Coisa estranha o medo. Vem e vai e vem!
Fica em nós, escondido. Às vezes dá um tempo, nos deixa em paz. Mas volta.
E assim, pela vida afora, nos rouba bons momentos de paz como se a existência pudesse se perpetuar apenas porque o sentimos. Só existe uma coisa a fazer, mas, para evitar críticas que certamente viriam, evito escrever. Digamos que a "ministra" já falou por mim. E-mail: luizinhotrocate@hotmail.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 12/09/2007 Luizinho, dizem que o nosso bem maior é a vida. Discordo. O nosso bem maior é a vida dos nossos filhos. . Normalmente sempre que meus filhos viajam, meu marido e eu encaramos numa boa. No início de Agosto um dos meus filhos e nora foram à Patagônia. Os irmãos, meu marido e eu, ficamos balançados. Enviado por Mirça Bludeni de Pinho - by_laser@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »