Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Vila Pompéia, Água Branca, Lapa Autor(a): Adelmo Vidal - Conheça esse autor
História publicada em 19/01/2007
Nasci no Brás, Rua Visconde do Parnaíba. Pelo fato de meu pai ter conseguido serviço nas oficinas mecânicas do Matarazzo, mudamo-nos para a Vila Pompéia, Rua Caraíbas, bem próximo ao Palestra Itália. Naquela época, fim da década de trinta, início da de quarenta, ainda não havia piscinas no clube. Como eu e meus dois irmãos queríamos nadar, ficamos sócios do Clube Espéria, junto à Ponte Grande. O clube ficava a beira do rio Tietê. Quando não estávamos nadando íamos remar em velhas "catracas" ou "batelões" no então saudável rio.
Do outro lado do rio ficava o Clube Tietê, que só freqüentávamos aos sábados à tarde e no domingo de manhã. Para chegar lá tomávamos o bonde no Largo da Pompéia, descíamos na Praça do Correio, subíamos até o Largo São Bento, para tomar outro bonde. Depois de alguns anos foi construída a piscina do Palestra e também um tanque de saltos. Meu pai colocou-nos de sócios. Além de freqüentar a piscina chegamos a treinar esgrima, devido aos filmes de capa e espada que assistíamos no Cine S. Carlos, na Rua Guaicurus, ou no Cine Roma, ou no Carlos Gomes, na 12 de Outubro, ou no Cine Recreio na Lapa de Baixo. Depois de algum tempo meu pai construiu uma casa para nós na Rua Coriolano, bairro da Água Branca. Na época rua de terra, como todas as outras do bairro, exceto a Rua Clélia, principal do bairro.
Freqüentamos o Grupo Escolar Miss Browner, na avenida Pompéia. Depois fomos para o Ginásio Anhanguera, no fim da Rua Clélia. Eram vários quilômetros de distância, que fazíamos a pé para, com o dinheiro do ônibus, comprarmos doces na cantina do colégio. Para se ter uma idéia do pouco de casas que havia no bairro: minhas tias que moravam no Brás, vinham fazer piqueniques no fim da Rua Miranda de Azevedo, próximo à igreja da Vila Pompéia. Os vários tios e primos que moravam no Brás, Moóca, Tatuapé e Penha vinham nos visitar como se estivessem vindo a uma cidade do interior. Como demonstrei inclinação para a música, meu pai comprou um acordeon e passei a estudar com a profa. Zezinha, que tocava nas rádios Tupi-Difusora formando trio com Palmeira e Luizinho. Passei a freqüentar o auditório, aos domingos, mas essa é uma outra história que fica para uma próxima vez.

e-mail do autor: www.adelmovidal@uol.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 01/11/2008 Trabalhei no bairro na Ind. Com. Corneta e, para ir ao centro utilizava o Bonde 22. Pompéia Pça. Correio. Enviado por José robereto Cury - jr_cury@hotmail.com
Publicado em 17/10/2008 Acho que sou de uma época um pouco menos antiga,mas o bonde que saía da pça.do correio e ía pela av.são joão, fco.matarazzo,guaicurus até a lapa muitas vezes eu precisei usar.
Morei na Miranda de Azevedo,, que naquela época era toda de terra, como é lógico a maioria das ruas do bairro.Jogava golinha de gude nos canteiros dos jardins da Av.Pompéia, bem em frente a Igreja do Rosário de Vila Pompéia.Também pescava nas lagoas do Nacional na Agua Branca (hoje Marques de S.Vicente).Era frequentador assíduo da missa das 10hs (fica do lado de fora apreciando os "brotos" que por ali desfilavam com os seus vestidos tubinho).Nos anos 60 para aqueles que ainda não sabem, na Vila Pompéia, era aonde existiram a maior quantidade de conjuntos de rock (hoje banda).Resumindo, nasci na Pompéia, morei na Miranda, na Guiará e hoje moro na Raul Pompéia e só saio daqui, para morar em uma rua, desde que seja, na VILA POMPÉIA.Abraços ao pessoal do Arauto, da Paramont, do Dólar Furado, do Liceu Tiradentes, do Miss Browner do Faisca de Ouro (hoje Águia de Ouro),do Cine Astral do cine Pompéinha, etc.etc.etc......Grande Adelmo.
Enviado por Décio da Silva Monteiro - deciomonteiro@terra.com.br
Publicado em 27/03/2008 Quero retificar um trecho do meu depoimento. Éramos sócios do Espéria não do Tietê. Enviado por adelmo vidal - adelmovidal@uol.com.br
Publicado em 11/03/2008 Também fui aluna do Anhanguera. Também frequentei o Cine Roma e participei das festas de fim de ano do Anhanguera que eram realizadas no Cine Recreio... Morava numa travessa da Rua Pio XI. Foi um tempo bom. Fui aluna do Anhanguera desde o Grupo Escolar até o Científico. Foram onze anos...
Bom lembrar. Obrigada Adelmo.
Enviado por Cecilia Pires - ceciliapires16@hotmail.com
Publicado em 12/01/2008 Gostei e agradeço pelo prazer fornecido a mim e acredito a muitos que leram este depoimento. Provavelmente sou mais novo do que voce, muito saudosista, e acredito realista. Morei na agua branca, rua miranda de azevedo, alguns metros da rua coriolano, jogava bola no nacional, nadava nas lagoas, a varzea do nacional, com seus campos de varzea, chacara onde ia tomar leite puro, o equili rio que havia com a naturza, a mata atrás do matarazzo, minha mae morava no bras e trabalhou no matarazzo(bras, com teares)frequentei a igrejinha da praça cornelia, ......o palmeiras...depois mudamos para a rua tucuna, próximo a ministro ferreira alves, quando casei mudei para santana, e hoje aposentado moro no guaruja. há, iamos(turma de garotos) ao estádio do pacaembú, assiste muitas vezes o pelé jogar, voltavamos pegando o bonde. Recentemente procurei a prefeitura da lapa, espaços culturais procurando fotos da epoca, lamentavelmente não achei, ou seja, quase nada, dos locais onde passei minha infancia. Como podemos fazer os filhos acreditarem que tinhamos contacto com lagos, com todo tipo de passaros, festas promovidas pela vizinhança nos terrenos baldios, o ceu repletos de baloes, não havia poluição,havia muitos sonhos, é quem viu viu, quem não viu provavelmente nunca verá.

um abraço

guilherme augusto miranda
Enviado por guilherme augusto miranda - gaumiranda@bol.com.br
Publicado em 22/10/2007 CARO ADELMO: NA MINHA INFÂNCIA A LAPA E A VILA POMPEIA FORAM OS PRIMEIROS BAIRROS QUE CONHECI, TINHAMOS PARENTES QUE MORAVAM NA VILA ROMANA, LEMBRO-ME QUE TOMÁVAMOS O ÔNIBUS NA PRAÇA DO PATRIARCA (ERAM VEÍCULOS DE COR AZUL ESCURO) E OS BONDES TINHAM O PONTO INICIAL NA PRAÇA DO CORREIO.- ABRAÇOS, LEONELLO.- Enviado por LEONELLO TESSER (NELINHO) - LT.LTESSER@HOTMAIL.COM