Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares São Paulo nosso amor Autor(a): Alcione Godoy Lima - Conheça esse autor
História publicada em 10/11/2005
É muita coisa pra se lembrar e pra se falar da nossa São Paulo...
Dos lotações Cadillacs pretos 1950, com ar condicionado e vidros elétricos, que estacionavam debaixo da escadaria da Light na Rua Formosa......ou do outro lado, subindo as primeiras escadas rolantes que milhões conheceram em suas vidas, na Galeria Prestes Maia, saindo no Patriarca, defronte a Casa São Nicolau, onde grudávamos nossos narizes para morrer de vontade de ter os brinquedos ali expostos.....um pouquinho mais para a frente, a Casa Fretin, já na época antiqüíssima, tradicionalíssima, pertinho da Botica Ao Veado D'Ouro, na Rua São Bento.....mais ao lado a Exposição, onde os homens se vestiam com a qualidade e a moda da época....mais um tiquinho a gente chegava na Casa José Silva, majestosa, garbosa, com uma clientela sempre especial.....e a Casa Slopper? Tudo em cristais e presentes......a Fotocópia Arroyo e Cruz, com as primeiras cópias heliográficas que todo mundo precisava.....tudo isso cercado de inúmeros cartórios, bancos, lojas de guarda-chuvas, sapatos ( A Fidalga, por exemplo)....e a gente passava pelos restaurantes da Barão de Itapetininga, ou mesmo do Largo São Francisco, das Livrarias maravilhosas, das lojas de chapéus; subindo a São João, passando pelo Correio, o Ao Gaúcho, com sua espingarda de cano torto, "para matar veado na curva", sem nenhuma alusão sexual.....e os cinemas? Na Rua Formosa o Cine Cairo, sempre com filmes proibidos....sempre ao lado dos deliciosos churrascos gregos, aromáticos e polêmicos...no Paissandu o próprio Cine Paissandu, e mais tarde o Cine Ouro, com sua arquitetura colonial mineira fantástica, e aquele piano de cauda que nos brindava antes de cada sessão....isso sem falar do Restaurante Giratório, algo ímpar no mundo, certamente...o Olido, sempre sensacional.....o Marrocos, com suas escadarias imensas, ao lado do Quartel.....e na Avenida Ipiranga o Cine Ipiranga, defronte ao Arte Palácio, ao lado da Salada Paulista, onde a salsicha com purê de batatas e um chopinho eram de lei....quase em frente ao Bar da Brahma...depois o Metro, o Rio Branco....e os duvidosos Áurea, da Rua Aurora, o Teatro Santana...o Cine Teatro Natal......e outros do gênero (os mais antigos ainda se lembrarão do Teatro de Alumínio, na Praça das Bandeiras...).....a sinuca do Maravilhoso, na Av.Ipiranga, com o Carne Frita, quem não conheceu? A Expresso de Luxo, com seus Mercurys 49 voando para Santos na Via Anchieta? E depois a inauguração do Comodoro Cinerama, com aquela tela gigantesca e o som estereofônico, algo de primeiro mundo mesmo......as lojas de calçados do Largo do Arouche (Makerli, lembra?), o Cine Arouche, o Cine República......e a gente ainda poderia viajar mais mil páginas sem esgotar o assunto, mas vamos deixando, porque quero ter tempo de ler as outras crônicas, me deliciar com elas, e reviver cada momento de nossas vidas....mais tarde escrevo mais um pouquinho...
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 24/08/2008 EU PARTICIPEI DESSA SUA HISTÓRIA FUI UMA DAS FUNCIONÁRIA DA ARROYO & CRUZ FOTOCÓPIA,A PIONEIRA NO RAMO E COM QUALIDADE QUE NÃO DEIXAVA A DESEJAR. Enviado por ROSEMAR DE OLIVEIRA WIRTHMANN - rowirt7@yahoo.com.br
Publicado em 13/06/2007 Você tocou-me fundo. vivi tudo isto, hoje moro em Florianópolis, almocei muito no restaurante giratório pois trabalhava na rua formosa. Enviado por zelio andrezzo - zelioandrezzo@yahoo.com.br
Publicado em 01/02/2007 Oi

Quando criança ia com meu pai ao restaurante giratório. Adorava... não me lembro qual o local, mas tenho lembranças vivas do quanto me divertia ali. ficava me preparando para entrar na roda giratória. Quantas saudades.
Enviado por Raquel - raquelfme@uol.com.br
Publicado em 05/03/2006 Lembro do Parque D. PedroII, jardins de traçado elegante; o Rio Tamaduateí, com suas águas claras, amarelas como o citrino, correndo por alamedas de chorões... Um pequenina ponte sobre o rio, na altura da Rua da Figueira.

Nem uma Paris, foi tão bonita como essa imagem da minha cidade natal...
Enviado por Maria Carmela Corrado - mccorrado@ig.com.br
« Anterior 1 Próxima »