Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Menos mentiras Autor(a): Francisco Ramirez Sanchez - Conheça esse autor
História publicada em 08/02/2008
Eu gostaria de falar dos meus tempos de faculdade, mas como não fiz faculdade alguma resolvi contar das minhas aventuras nos tempos colegiais... Novo problema, não fiz também o colégio. Bem, resta-me apenas falar da escola onde fiz o primário. Não fiz o primário completo, mas fiz três anos... Isso mesmo, três anos.
Alguém hoje com mais de sessenta anos que morou ou more na Vila Maria, há de se lembrar da Escola Nossa Senhora Aparecida, da dona Lourdes... Essa escola ficava na Rua 64, atual Padre Sabóia de Medeiros (parece que hoje está instalada no local um escritório de contabilidade dos senhores Carlos e Miguel).
Eu tinha oito anos em 1951 quando minha mãe matriculou-me nesta escola. Estudei apenas até o começo de 1954, mas ainda hoje recordo os nomes dos meus colegas de classe e também, porque não dizer? Do meu primeiro amor... Claro que ela não sabia que eu a amava... Mas eu era doido por ela. Uma menina magra que morava na Avenida 4 (atual Alberto Byington).
Alguns dos nomes dos meus colegas de classe: Antonio Barranco, Antonio Rigatti, Ricardo Casado, Aparecida Volpe, Lourdes de Jesus, os irmãos Reinaldo e Ronaldo, Francisco Scarpa e tantos outros que lembro-me apenas do primeiro nome... Janete, Armando, Cláudio, Agnelo, Agnaldo e outros tantos.
Importante... A escola era paga, e como era difícil para meus pais pagarem as mensalidades... Por esse motivo fui obrigado a abandonar a escola da dona Lourdes e arrumar trabalho... Eu tinha onze anos, mas isso já é uma outra história...

e-mail do autor: paco.ramirez@uol.com.br E-mail: paco.ramirez@uol.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 11/02/2008 Relato sincero, com direito ainda a ótima memoria de nomes ! Enviado por Luiz S. Saidenberg - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 07/02/2008 Eu também, Paco, tive que abandonar a escola pra trabalhar.Mas, fiz o primário completo e outros cursos profissionáis. Agora, o que me ajudou bastante foi ler gibís desde pequininnho. Por isso, meu velho, não se acanhe em dizr que não universidade, colegial e o ginásio (e nem se orgulhe)conte alguma coisa sobre o seu trabalho. Um abraço.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
Publicado em 07/02/2008 Paco,concordo com o colega Modesto. Não se acanhe. Aqui no site,o que interessa são nossas estórias e você deve ter muitas para contar. Eu também não fiz faculdade,e acabei casando-me muito cedo,mas encontrei na leitura (também comecei com gibí)na música e alguns cursos, muita informação.
Seja bem-vindo. Bernadete
Enviado por Bernadete P Souza - bernadete.pedroso@norwan.com.br
Publicado em 07/02/2008 Paco, concordo com minha prima Bernadete em todos os sentidos. Uma formação acadêmica logicamente é importante, mas não é ela a responsável pela formação pessoal que dá à pessoa a percepção e sabedoria sobre a vida. Quando li seu texto lembrei-me de minha mãe que também só estudou 3 anos, na infância, na escola da fazenda onde sua família morava e trabalhava. Na época não se dava muita importância pela educação. MInha mãe casou-se cedo e parou de trabalhar para cuidar do marido, das filhas, mas sempre diz que aprendeu muita coisa com a gente conforme fomos estudando. Estou tentando escrever uma história infantil contando da época em que ela estudou. Hoje ela lê revistas, jornais, faz palavras cruzadas e é muito antenada com tudo que acontece à sua família e ao mundo ao seu redor. Gratificante ler seu texto, sua sinceridade e coragem que muita gente graduada, doutorada não tem.
abraços
Enviado por Vera Lúcia de Angelis - deangelisgomes@terra.com.br
Publicado em 07/02/2008 Nosso tempo era diferente para se entrar no GINASIO havia prova de seleção, depois o ensino era para valer M E S M O. Nos anos 80, resolvi voltar e REFIZ o Ginasio e nos anos 90 me formei, mas senti muita diferença do ensino ANTIGO em termos gerais (professores/alunos etc....)só digo que valeu a pena, PARABENS pelo relato não temos que nos envergonhar não HOJE OS GAROTOS NÃO QUEREM SER MAIS "Pedreiro/encanador/serralheiro etc", vamos ver o que vai dar!!!!! Enviado por ALCEU MENDES - alceumendes@uol.com.br
« Anterior 1 Próxima »