Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Carona feliz Autor(a): Francisco Ramirez Sanchez - Conheça esse autor
História publicada em 13/02/2008
Há uns quatro ou cinco anos dei uma carona a um casal amigo que pretendia ir ao Hospital Nipo-Brasileiro.
Chegando lá, enquanto eles se medicavam, fui a uma lanchonete em frente tomar um café e esperar o tempo passar. Surpresa... Ao lado do caixa uma distinta senhora lavava os copos. Fiquei observando, pois aquela figura humana não me era desconhecida. Depois de quase meia hora lembrei-me... Meu deus... Mas isso faz mais de 40 anos... Pois é, tantos anos depois e eu ainda lembrava daquela menina de 15, 16.
Imaginem vocês o quanto era permitido a duas quase crianças há quase 40 anos atrás, mas mesmo assim ficaram as lembranças... Um passeio ao Horto Florestal pelo trenzinho da Cantareira, uma tarde de domingo feliz... Não passou disso, mas foram tantas as lembranças que valem a pena ser lembradas.
Lembrete importante... O casal amigo foi medicado e passa bem, e eu nunca mais fui ao Hospital Nipo nem à referida lanchonete, afinal, o Horto continua aberto a visitação pública e qualquer domingo desses passo por lá para matar a saudade.

e-mail do autor: paco.ramirez@uol.com.br E-mail: paco.ramirez@uol.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 18/02/2008 Pô, Chico, uma oportunidade dessa e vc. deixa passar... será que ela se lembraria...? Desculpe, Francisco, volte lá e dê uma sacudida na memória da mulher. Afinal, como vc. sabe se ela, também, não tem recordações daquele dia... Pode ir, não vai acontecer nada, sua mulher vai entender... Um abraço.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
Publicado em 15/02/2008 Ramirez, que linda lembrança. Depois de 40 anos não há por que ter amor, nem ciumes. Com certeza sua companheira não iria lhe puxar a orelha. Não tem você curiosidade de saber do destino de seu namorico? Tanto lhe foi importante a lembrança que você esta permitindo que saibamos dela. Acho que mulher é muito mais arrojada, eu conversaria,
como saber se ela também lembrou e se conteve por
imaginar que você não soubesse quem era? Um abraço. Mirça
Enviado por mirça bludeni de pinho - by_laser@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »