Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Ao amigo Modesto Autor(a): Francisco Ramirez Sanchez - Conheça esse autor
História publicada em 26/02/2008
Quando eu tinha doze anos de idade fui trabalhar em uma gráfica, Estabelecimento Gráfico Bignardi. Rua Marcos Arruda, altura no número 900. Tive muita sorte. Lá encontrei pessoas que me ensinaram uma profissão simples, mas que serviu para manter a mim e a minha futura família.
Lembro-me hoje dos ensinamentos do senhor Sebastião, chefe da tipografia, do senhor Aldo, chefe da pautação, do senhor Osvaldo, chefe da encadernação, do Milton, Mauro, Adonis, enfim, tantos outros, mas principalmente do senhor Alfredo, kardecista, dando-me modelos de moral. Caridade e bom comportamento.
Como tive sorte. Encontrar ao acaso [será que existe acaso?] pessoas que me aceitaram como eu era. Imaginem trabalhar em uma tipografia, aprendiz de tipógrafo, alguém que mal havia feito o curso primário.
Vinte anos depois, proprietário de uma empresa gráfica de porte médio [200 funcionários], eu me via em cada menor que começava a trabalhar conosco, a criança que eu fui, e procurei dar a cada um deles o mesmo tratamento que recebi quando criança.
Perdoem-me escrever coisas tão pessoais, mas eu tinha o dever de agradecer publicamente um dia as pessoas que guiaram meus primeiros
passos profissionais.

e-mail do autor: paco.ramirez@uol.com.br E-mail: paco.ramirez@uol.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/06/2011 ola tdo bm achei muito bonito este agradecimento seu;se todos o um minoria do mundo pensasse como vc as condições deste mundo atual seria completamente diferente,posso dizer que as pessoas que trabalhavam nesta firma realmente eram pessoas especiais tbm fui funcionaria eu e minha irmã eu trabalhava na encardenaçaõ,isso a 40 anos atrás mas lembro-me das pessoas e sinto muitas saudades a vc e sua familia desejo muitas felicidades abraços Enviado por izilda fernandes lemos - izilda2008@hotmail.com
Publicado em 07/06/2011 oi pessoal,eu ja trabalhei com voces. gostaria de saber a onde voces estao agora ,
que preciso de pegar meu ppp,obrigado pela atençao.
Enviado por laercio francisco paes - laerciopaes@ig.com.br
Publicado em 15/02/2010 Boa noite,ao ler seu email me sensibilizei pois meu pai trab durante 22 anos na grafica e gostaria de saber se vc o conheceu,nome Jose Nascimento mais conhecido como "zé bigode"(hj falecido há quase 3 anos )achei muito interessante seu email de agradecimento
Meus sinceros parabéns**por favor me responda
Enviado por Flávia Nascimento - flaviascarlet@hotmail.com
Publicado em 07/01/2009 Gostaria de localizar essa Gráfica pois também
trabalhei lá. Perdi a Carteira Profissional e preciso comprovar tempo de serviço p/INSS. Obrigada
Enviado por Izilda Tavares - izildatoda@yahoo.com.br
Publicado em 13/09/2008 o paco quantos anos ja se passaram jamais passou pela minha cabeça que anos depois fosse me encontrar com voce na intrenete lebbro que voce me deu serviço na brigraf que era perto da ponte pequena mão lenbro o nome da rua so era tanbem no numero 900 a na avenida tiradentes fui bom vendededor voce me ajudou muito abraço amigo abrão hoje estou no parana trabalho com filho ratinho o ratinho junior deputado federal Enviado por abrão alves - ligeirinho_5680@hotmail.com
Publicado em 27/02/2008 Chico, acho que a Odete trabalhava numa dessas maquinas perigosas que existiam nas Tipografias.Não sou do ramo, mas, além de dedos e mãos, estas maquinas também cortavam o barato.Barbaridade!
Abraços,
Marco Antonio (Marcolino)
Enviado por Marco Antonio (Marcolino) - advancedtop@uol.com.br
Publicado em 26/02/2008 Caro amigo.
A somatoria das vitorias não está refletida no que externamos materialmente. A verdadeira vitoria é a que sai de dentro para fora de cada um de nós. É o que aprendemos e o que repassamos. É como uma corrida de revesamento. Cada um passa o bastão para o outro, para o outro e assim por diante...
Enviado por Jose Carlos Munhoz Navarro - jcnav@uol.com.br
Publicado em 26/02/2008 Francisco, muito bonito seu gesto em ensinar aos jovens que começam a trabalhar, uma profissão.Meu primeiro emprego tambem foi em uma gráfica,no ano de 1949, tambem na Marcos de Arruda, só não lembro o numero, mas era antes da rua Cachoeira, chamava Grafica Rex, ficava num conjunto de armazens de tijolos vermelhos e era longe da rua.
Comecei girando um volante para prender e soltar o papel da guilhotina, eu ficava montado de "cavalinho" sobre a maquina, girando o volante, uma roda de ferro com mais ou menos 50 cms; de diametro.Depois fui subindo de cargo: enfestei folhas das notas fiscais, picotei, grampeei e ai, saí para trabalhar no escritório da Fabrica de Calçados London, esta, na rua Joaquim Carlos, 64 e o dono era Pedro Tchalian e o chefe do escritório o Missak Toussunian, gente muito bôa que me ensinaram muito.
Enviado por Heitor Felippe - heifeltec70@globo.com
Publicado em 26/02/2008 Muito legal você ter feito a dedicatoria ao Modesto, que bem merece. Mas, ôrra meu, o bilhete da Odete " shujô, non " ? Enviado por Luiz S. Saidenberg - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 25/02/2008 Bonito testemunho, Paco, eu também com sua idade era intercalador na gráfica do meu tiu e meu irmão, com 14 anos, já era impressor minervista (vc. conhece) e sem aquela proteção que as máquinas tinham (ou deveriam ter...)pra impedir de vc. ter a mão amassada pela máquina. E era meu tiu, hein... . Um abraço e parabens.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »