Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Amigos, eles existem? Autor(a): Francisco Ramirez Sanchez - Conheça esse autor
História publicada em 13/06/2008
Amigo. Palavra fácil de pronunciar.
Amigo. Coisa difícil de se encontrar. Até que me faz lembrar da citação usada: venha a nós e ao vosso reino nada.
Quando se procura, ele então se esconde. Quando se precisa, se vê que não tem. Quando chamo, ninguém me responde. Quando olho, não vejo ninguém...
Este é um trecho de uma música que Nelson Gonçalves gravou e alguns podem se lembrar.
Quando vivemos uma vida cheia de saúde, quando temos para oferecer uma casa na praia ou uma chácara com piscina e campo de futebol. Ou mais, uma churrasqueira com cerveja e carne quase todos os domingos, amigos não faltam. Nossa casa está sempre cheia de gente, alguns que mal conhecemos acompanhados de outros que conhecemos menos ainda.
Pois assim era a minha vida alguns anos atrás. Eu vivia cercado de puxa-sacos, pessoas que me convidavam para ser padrinho de seus filhos, se ofereciam para serem meus fiadores ou me convidavam para a macarronada de domingo.
Como a desgraça nunca chega sozinha, em certo momento da minha vida perdi quase tudo. Perdi a casa da praia, perdi a chácara com piscina e campo de futebol, perdi a mulher, perdi o trabalho, perdi uma perna amputada e o Corinthians perdeu o campeonato. Não digo que perdi os amigos porque amigos eu não tinha, eu tinha, isto sim, uma corja de aproveitadores que depois da minha desgraça desapareceram e nem um telefonema recebi para ao menos, mesmo hipocritamente, perguntarem se eu precisava de alguma coisa.
Existia na França um sujeito chamado Jorge Dandan que ao casar-se não impunha nenhum respeito com relação a sua esposa. Ela não o respeitava e ele não reagia fazendo o papel de boboca, de banana. Um certo dia, ele, depois de apanhar na cara, entrou no quarto, olhou para o espelho e disse: você quis assim, Jorge Dandan.
Isso tornou-se uma tradição na França e quando alguém reclama da vida o outro diz: você quis assim, Jorge Dandan.
Pois foi isso mesmo que aconteceu comigo. Você quis assim, senhor Paco Ramirez.
Quase quatro anos assim permaneci, quando apareceu uma pessoa que eu ainda não conhecia e comentou sobre este site. No começo entrei apenas como curioso, li as estórias, achei interessante e tive a coragem de escrever algumas besteiras. Hoje quando recebo algum e-mail de pessoas que, embora não conheça pessoalmente, já me são familiares, fico todo feliz achando que as coisas ainda podem melhorar, e vão melhorar com certeza.
Obrigado a todos e espero que compreendam meu desabafo.

e-mail do autor: paco.ramirez@uol.com.br E-mail: paco.ramirez@uol.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 04/01/2012 paco voce confundiu amigos com conhecidos, na verdade amigo é aquele que desde menino divide o lanche com voce, divide o chiclete, ri das suas bobeiras, e cresce junto com voce na mesma rua e brinca de bolinha de gude, joga piao, e nao sabe da sua situaçao financeira. espero que voce esqueça tudo , porque já é passado, e o que importa é o seu momento presente, é daqui pra frente . Enviado por pedro m utafi - pedromutafi@gmail.com
Publicado em 25/12/2008 Prezado Chico.

A gente só se decepiciona porque espera,você não é tão inocente assim, você acredita na troca, eu te ofereço a casa na praia,e você oferece sua amizade, posso lhe afirmar com todas as letras, estamos sos, e isto não é tão mal assim.Fiquei doete e dependia da atenção de profissionais, que nunca conheci,e só se interessaram por mim, por puro profissionalismo, é a vida.Se pudesse lhe dar um conselho, ou discutir algo que já leu,
ofereço a sugestão do livro " A morte de de Ivan Ilitch " do autor Liev Tolstoi - facil de ler é uma bela reflexão. Abraços não espere nada de ninguém, nem solidariedade nem compaixão,lembre estamos sós.
Enviado por ubiratan dos santos - ubiratan-dos@uol.com.br
Publicado em 26/06/2008 Prezado Paco Ramirez. Concordo com tudo o que você escreveu. Nminha modesta opinião, a palavra Amigo só se encontra mesmo no dicionário da lingua popular brasileira. O resto é conversa. Tinha um tio(Bento Ribeiro) já falecido, em Guaratinguetá que me deixou uma lição. Ele não queria receber visitas de amigos ou parentes se estivesse internado num hospital ou mesmo acamado em casa. Ele diz em alto e bom tom de que amigo e parentes que se prezam deveriam visitá-lo quando ele estivesse com saúde. E deixava claro que também não queria esses "falsos profetas",(termo que usava) em seu velório. Eu entendo que Amigo é bem diferente do que se prega por ai. Amigo é aquele que se preocupa com a outra pessoa amiga. Que se não puder visitá-la espoádicamente, pelo menos que dê um telefonema. Ou nessa era da informática, que envie um e-mail. Tenho parentes e amigos que fazem décadas que não tenho notícias. Aliás, parentes e os pseudos amigos a gente encontra mais em velórios. Ou em festas badaladas como você, com bastante propriedade, citou no seu texto.O amigo para ser amigo de verdade não precisa ser fiador ou emprestar dinheiro. Bastaria apenas que desse atenção. Que se preocupasse com a vida do outro amigo.Mas, vivemos num mundo de hipócritas. Quantas e quantas vezes não conheci pessoas que, talvez para não dizer um "não" na cara, diziam hipócritamente: " você é muito legal, mas vamos ser boms amigos". Depois sumiam do mapa. Não quero dizer com isso que não tenho amigos. Mas são super-selecionados. Assim mesmo se pisam na bola, como por exemplo se ausentam sem dar satisfaçaõ, eu imediatamente dou aquela "comida de rabo". Parabéns AMIGO pela sua narrativa. (Ligeirinho- arlindoligeirinho@itelefonica.com.br) Enviado por Ligeirinhp - arlindoligeirinho@itelefonica.com.br
Publicado em 17/06/2008 Metendo o bedelho na história, que felizmente não é a minha, mas onde citado, então acho que o Marcolino tem toda razão. Desgraças e amarguras todos passamos. É verdade que no seu caso foi overdose. Cada dia é mais uma oportunidade ímpar de renovar a vida, e o passado já era. Bola pra frente ! Enviado por Luiz S. Saidenberg - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 16/06/2008 O Ramirez,embora "eu"não goste muito de dar "conselhos,opiniões,"mas te digo uma "coisa",a melhor sabedoria da vida são dos idosos,fui padrinho de um grande amigo Italiano,já estava no terceiro ou quarto casamento,fui seu padrinho de casamento,vja. vc. ele um idoso "eu não tão jovem",mas muito orgulhoso por ser escolhido para ser seu padrinho de casamemto,sentia muito nele uma pessoa assim "coração"sempre aberto sem magóas,rancores,iras,etc. "Como diz minha querida vózinha com seus 107 anos, do pó viemos ao pó retornaremos",tá bom assim?,siga a vida sem olhar pelo retrovisor,como diz nosso governador Serra.
Um abração.
Até breve.
Enviado por vilton giglio - viltongiglio@hotmail.com
Publicado em 16/06/2008 Viu, Paco? Como voce foi carregado no colo? Agora, deixa o chororo de lado e escreva coisas alegres, que voce sabe fazer muito bem.Faz-me lembrar, um pouco, só um pouco, para não ficar se achando,o Saindenberg.Voce não quer mais, quer?
Marco Antonio (Marcolino)
Enviado por Marco Antonio (Marcolino) - advancedtop@uol.com.br
Publicado em 15/06/2008 Paco, a sua história é comovente e, acredite, a sua presença neste site é benvinda, continue escrevendo e com certeza as coisas vão melhorar, se voce puder participe da nossa próxima "Noite da Pizza" que o nosso amigo Miguel está organizando, sua presença será benvinda, um grande abraço e que Deus te ilumine, Leonello Tesser (Nelinho). Enviado por Leonello Tesser (Nelinho) - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 15/06/2008 Paco, são nos momentos difíceis da vida, que conhecemos os verdadeiros amigos.
Bola pra frente,escreva mais para o site e como disse o Modesto: conte com os amigos virtuais,mas sinceros.
Um abraço / Bernadete
Enviado por Bernadete P Souza - bernadete.pedroso@norwan.com.br
Publicado em 15/06/2008 Se voce quis assim eu nao sei Paco. Mas, olha so que bom... Voce nao tem mais que se preocupar com a grama do campo, com o cloro e o ph da piscina, se a carne estava dura, se a cerveja estava gelada, caseiros, INCRA, iptu, cerca, pintura, Justica do Trabalho, carvao, um monte de bebados no fim do dia. Sua vida melhorou meu amigo. Quanto ao Corinthians... Um abracao Enviado por rogerio zanetti - gecozanetti@hotmail.com
Publicado em 15/06/2008 Pacão, depois de ler todas as mensagens, só me resta completar: Viu como eles axistem!!!!!!.
Abraços: carlaortt@bol.com.br.
PS: E são virtuais, imagine quando conhece-los.
Enviado por Carlos Roberto Teixeira Trindade - carlaortt@bol.com.br