Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Gledson Autor(a): Mirça B. Pinho - Conheça esse autor
História publicada em 21/07/2008

Esta era a marca da moda dos anos 70. Instalada na Clodomiro Amazonas, perto da Rua das Fiandeiras, tudo o que lançava fazia sucesso, pertencia à família Assumpção. Como tínhamos uma loja para aqueles de espírito jovem e éramos exclusivos da marca no bairro da Aclimação, estávamos em evidência sempre prestigiados pelos estudantes do Anglo e funcionários dos cinco hospitais ali existentes, além daqueles excursionistas que vinham à igreja budista professarem seu mantra "no me hiorengue kio, nomehorenguenkio, nomehorenguenkio..." era isso que eu entendia e me perdoem a grafia, aliás só devo me preocupar com a criatividade...

Criatividade a Gledson tinha de sobra, pois sua modelista era Dona Maria japonesa, que nasceu artista, mulher de um dos donos (José Geraldo e Gledson), e que além de ficar a testa da oficina de costura terceirizava para outras fábricas. A fachada da Gledson era pintada todos os meses, sempre de forma diferente, ao estilo jovem.

Meus filhos e sobrinhos adoravam ir com minha irmã ou comigo até lá fazer compras, pois além de ficarem por dentro da moda, tinha uma lanchonete que servia sanduíches naturais para os mais exigentes paladares, menos para o da minha filha que só queria "pão de manteiga" e dava o maior trabalho para satisfazer o pedido.


e-mail da autora: by_laser@yahoo.com.br

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 18/02/2009 Olá, que saudades!!! lembrei de uma "fita" que a Gledson dava quando comprava as famosas calças. Queria muito ouvir aquelas músicas. Sessão remember. Pode me ajudar? Lembro da loja e da criatividade da fachada. Show!!!
Um abraço, Mari.
Enviado por Mari - ma_rs_br@hotmail.com
Publicado em 29/11/2008 Puxa vida, hoje 32 anos depois, não sei pq, acordei e me lembrei da Gledson, foi um dos melhores tempos da minha vida. Eu tinha cerca de 17 anos começava uma carreira de manequim e... naquela época por volta de 1973/75 era tudo muito diferente do que é hoje. A Gledson não era apenas o Gledson, Geraldo e a Maria alem de toda uma equipe dedicada que fazia a engrenagem funcionar com perfeição) não era apenas uma fábrica, era uma grande familia, eu a Sandra e a Soraya, fomos as primeiras mulheres a desfilarem pela marca na Fenit(até hoje quando toca a musica Maluco Beleza de Raul Seixas)ela me reporta aos corredores da loja da fábrica entre desfiles feitos lá e outros na Fenit, começavamos logo cedo e iamos até a noite de lá para cá, tambem haviam desfiles em várias cidades próximas a São Paulo,onde nos locomoviamos num Fiat pintado como se fosse um Jeans,era uma festa, havia uma magia única nesses momentos, pena não haver comigo o registro em fotos, já faz tanto tempo e hoje tudo me parece apenas um sonho que tive. Pena tambem pouco tempo depois o nome Gledson ter desaparecido assim, como se fosse poeira, realmente se diz bem quando fala a sadia e verdadeira moda jovem e uma criatividade intensa e sem limites, Obrigada mesmo por estarem aqui a lembrar e me lembrarem isso. A Gledson a minha homenagem por tempos realmente sadios, onde havia trabalho, respeito, cooperação e união. Enviado por marcia - melcry@hotmail.com
Publicado em 25/11/2008 AQUI EM JOÂO PESSOA, PARAIBA ERA UMA FEBRE A GLEDSON & TUBE Enviado por ZE MARCOS - zmart_eventos@hotmail.com
Publicado em 21/11/2008 Nas sacolas em que vinham as roupas, havia a figura de JESUS RINDO, era muito louco na época, caso vc tenha essa figura por favor me mande,vc me fara muito feliz, OBRIGADO Enviado por Felix Batres - felix_batres@hotmail.com
Publicado em 17/10/2008 Me lembro perfeitamente bem da Gledson e a sua grande participacao na moda jovem do nosso Brasil.
Todas as colecoes que Geraldo lancava faziam sucesso nao somente junto aos jovens como igualmente entre tods aquelas pesoas que curtiam moda. Sempre desempenhei, em meu jornalismo, traduzir aos leitores e teleespectadores, a sadia e verdadeira moda, fosse jovem, como o caso da Gledson ou moda homem, Vila Romana de Andre e LadislaU Brett, Camelo de Jose Camelo, Renner e muitas outras. Fico muito contente, agora que ha mais de 20 anos vivo nos EUA ler tuas observacoes querida Mirca Pinho. Obrigado ! Edison Goncalves
Enviado por EDISON GONCALVES - edison6goncalves@hotmail.com
Publicado em 01/09/2008 Nooossa Mirça! É muito interessante como relembramos tantas coisas a partir de uma palavra(no caso, Gledson). Usei muito esta marca na minha adolescência, não eram muitas peças mas elas duravam muito e eu cuidava com carinho pois era o máximo usar roupas Gledson e não tínhamos dinheiro de sobra para comprar várias peças. Enviado por Consolata - tpanhozzi@ig.com.br
Publicado em 04/08/2008 Mirça, por diversas vezes fui à GLEDSON buscar camisas, pois a minha irma Isaura, era fã de um programa da rádio Jovem Pan, e sempre escrevia para o programa. Durante ao menos uns dois anos ganhamos umas seis camisas.

Muito bacana a sua Lembraça.

Logo depois veio as famosas camisas FRANITA, cujos donos eram Francisco e Anita, eles foram os primeiros da Rua João Cachoeira (Itaim BIBI) e que levaram essa rua à fama.

abraços.

Manoel Rodrigues,
Enviado por Manoel Rodrigues - adv-rodrigues@uol.com.br
Publicado em 29/07/2008 Olá, voce sabe como encontro alguém da Gledson?
área adminstrativa ou comercial? se não for pedir muito. Grata um abraço
Enviado por Vandira - vandi.oli@hotmail.com
Publicado em 21/07/2008 Entre outras camisas Gledson que tive me lembro de duas que eu tive, inesqueciveis, ganhei as duas de aniversario, uma azul marinho com bolinhas brancas e a outra branca com bolinhas azuis e vermelhas. Foram compradas no Bazar Camurca na Rua Pavao em Moema. Enquanto uma lavava eu usava a outra, o dia inteiro, todo dia, principalmente nas ferias quando nao precisa usar o uniforme do colegio. Jamais vou esquecer, tanto das camisas quanto do dono do Bazar Camurca, o *Seu Camurca*, que sempre me dava as caixinhas de linhas Corrente vazias para eu guardar meus times de botao. Recentemente soube que seu Camurca e a familia residem no mesmo local em Moema. Um grande revendedor Gledson. Abracos a todos. Enviado por rogerio zanetti - gecozanetti@hotmail.com
Publicado em 21/07/2008 Moda, atração imperiosa nas grifes em evidência. É como uma imposição aceita com muito prazer. Parabens, Mirça.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br