Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Lembranças da Caetano de Campos Autor(a): Léa Maurano - Conheça esse autor
História publicada em 27/10/2008
Lembro-me com saudade da Caetano. Fiz o ginásio lá entre 1946 e 1949.

Tinha a diretora, Dona Carolina Ribeiro (depois o Professor Cimino), muito severa; as inspetoras Dona Eponina e Dona Jandira, que era irmã do Oduvaldo Viana, o autor teatral; tinha a professora de História, Dona Branca, neta da Marquesa de Santos, que era muito baixinha e, por isso, algumas meninas brincavam com ela colocando o giz no alto da lousa; e também o professor de Latim, Otacílio, a quem nós chamávamos de OtaQUÍlio, pois ele pronunciava o “c” como “q”. E muitos outros, com os mais variados apelidos.

Eu detestava meu uniforme, principalmente as meias três-quartos. Então, no fim das aulas, dobrava-a para transformá-la em soquete. Mas se a Dona Eponina visse, era pito na certa.

Minhas maiores amigas eram a Lygia Leite Cruz e a Lívia Guimarães Alves. Escrevo os nomes delas na íntegra na esperança de reencontrá-las.

Eu morava nessa época na Avenida Tiradentes; ia até a Estação da Luz para pegar o bonde que me levava à Praça da República. Se não me engano era o Duque de Caxias. Nos dias frios não se enxergava um palmo diante do nariz por causa da neblina. Era um gelo!

Quando se falou numa certa ocasião que o metrô ia demolir a Caetano, me recusei a acreditar que tal idéia tinha sequer passado pelas cabeças, supostamente pensantes, daqueles burocratas. Seria o maior absurdo que poderiam ter cometido. Graças a Deus isso não ocorreu...

e-mail do autor: lwmaurano@uol.com.br E-mail: lwmaurano@uol.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 08/06/2009 Jamais me esquecerei de D. Branca. Não sabia que ela era neta da Marquesa de Santos. Gostaria de saber mais dela. Eu era imatura, e nem tinha toda a matéria que ela dava. No exame oral estudei um ponto diretamente do livro, no corredor, quase na porta da sala. Quando fui chamada, sorteei e caiu aquele ponto. Ela ficou assombrada, pois eu falei coisas do livro, e coisas que ela nem tinha dado. Então ela, admirada, me disse uma frase inesquecível: "Você sabe muito mais do que eu pensava. Ótimo!" Enviado por maria nazareth de araujo - dearaujomarian@bol.com.br
Publicado em 30/10/2008 Léa, de fato o bonde 9-Duque de Caxias, era o qual à levava até perto da Praça da Republica, pois o mesmo, que "saía" do Largo de São Bento, descia pela Florencio de Abreu, "entrava" pela Praça da Luz, em direção à av. Duque de Caxias, e entrava pela av.São João, onde provavelmente você descia na esquina da av.Ipiranga (ou defronte ao cine Metro)e seguia até a Praça da Republica, onde se situa (ou situava) a Escola Normal Caetano de Campos, onde também estudaram minhas 2 irmãs, de 1940 a 1943. Flavio Rocha Enviado por Flavio Rocha - flaviojrocha@bol.com.br
Publicado em 30/10/2008 Conheco o Caetano de Campos so por fora, passando ali na Republica, sempre admirei a arquitetura. Nos anos 80, havia um projeto chamado show das 6 e meia que acontecia num auditorio atraz do Caetano. O auditorio era parte da escola ou nao?? Enviado por Etel Buss - ebussbuss@gmail.com
Publicado em 29/10/2008 Quando leio lembranças iguais a essa, sinto que, num passe de mágica, sou transportado para aqueles anos, de tanta nostalgia e doçura, que é a essência de nossa juventude. Como é linda a mocidade, meu Deus do Ceu e como é... deixa pra lá, vai... Parabens, Léa, seu texto é lindo.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
Publicado em 29/10/2008 Léa, estudei na Caetano de l943 a 1948, estou escrevendo sobre fatos que aconteceram nesse período, como a passagem do Pablo Neruda por lá. Em breve neste saite. Abraços, Virgínia Enviado por Virgínia André Borba - ginia.andre@uol.com.br
Publicado em 28/10/2008 Léa, essas lembranças daquele tempo de escola, são muito legais!
Lembro-me de uma professora lá num colégio da Penha, com o nome de Eponina,e o sobrenome era Tolosa. Será que é a mesma pessoa?
Um abraço / Bernadete
Enviado por Bernadete P Souza - bernadete.pedroso@norwan.com.br
Publicado em 27/10/2008 Pelo que pude entender as classes ou os assentos eram destinados às mesmas letras do abecedário: Lea, Lívia, Lygia... Lembro-me das meias 3/4 enroladas até os tornozelos pois seus elásticos eram apertados para ~que elas permanecessem esticadas. Faço votos que você encontre suas amigas.Bem vinda ao site! Abraços. Mirça Enviado por MIRÇA BLUDENI DE PINHO - by_laser@yahoo.com.br
Publicado em 27/10/2008 Léa, você foi aluna da Caetano dos áureos tempos. Deve ter muitas e boas histórias para contar. Trabalhei muitos anos EE Prof. Ennio Voss, no Brooklin. o Ennio Voss foi professor de Educação Física na Caetano de Campos e morreu lá, na quadra, nos braços de seus alunos, de um ataque cardíaco fulminante. Era bem jovem ainda.
Abração, Ivette
Enviado por ivette gomes moreira - ivettegmoreira@Gmail.com.br
Publicado em 27/10/2008 Léa, minhas tias, Zilda Simões Salgado e Maria José Simões deram aulas na Caetano por muitos anos, acredito que tb na sua época. Enviado por Luiz Simões - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 27/10/2008 Léa, a Caetano de Campos sempre foi muito famosa e orgulhe-se por ter passado por ela. Desejo que encontre suas amigas, um beijo. Enviado por margarida p peramezza - peramezza@ajato.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »