Leia as Histórias

Categoria - São Paulo da cultura, gastronomia, lazer e oportunidades Brincadeiras e inocências Autor(a): Antonio Ximenes - Conheça esse autor
História publicada em 29/12/2008
Morávamos nós em uma vila, que era conhecida como Escadão, pois ela tinha sessenta e dois degraus. Esta vila ficava no final da Rua Gama Cerqueira com a Rua Robertson, no bairro do Cambuci.

No escadão moravam muitas famílias estrangeiras (espanholas, italianas etc.), e como não poderia deixar de ser, havia muitas crianças, e quando nos juntávamos, não faltavam brincadeiras para nós. Existia muita criatividade. Nada estava pronto.

Quando chegavam as férias escolares era aquela alegria, pois tínhamos o dia inteiro para brincar na rua e no escadão. Jogávamos bola na rua. Empinávamos papagaios (raia, peixinho, barrilete, maranhão (atual pipa) e caputcheta, que era feita de jornal) no final do escadão, pois ali se formava uma grande corrente de ar. Jogávamos bolinhas de gude, pião, taco etc.

Umas das brincadeiras que era constante era rodar pneu. Pegávamos um pneu e saíamos a rodá-lo com as mãos. Íamos até o final do quarteirão e voltávamos. Até que um dia consegui um pneu de caminhão. Era muito grande para nós brincarmos, tivemos de rodá-lo em dois. Foi aí que tive a brilhante idéia de colocar o meu irmão Vanildo dentro do pneu e rodá-lo, pois ele era pequeno e miúdo, e se tornava engraçada a brincadeira.

Até que um dia tive outra idéia: soltar o pneu no escadão com o Vanildo dentro, e foi o que fiz. Aquele pneu desceu, pulando as escadas, até bater no muro que era no final do escadão. Ele saiu do pneu completamente tonto. Não conseguia parar em pé, e aquilo era engraçado para nós.

Tudo isso fizemos na nossa inocência, pois não conseguíamos enxergar o perigo. Foi Deus que o guardou, pois ele poderia ter sido jogado fora do pneu e a consequência poderia ter sido bem séria.

Hoje o Vanildo tem 47 anos, é casado, tem filhos, mora em Goiânia e é um executivo de uma grande empresa.

Tudo isso ocorreu por volta de 1965, o escadão existe até hoje, só não existem mais as brincadeiras e as inocências daquela época.

e-mail do autor: amximenes@itelefonica.com.br E-mail: ebrac@terra.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 28/06/2012 tempo bom , Enviado por dulcelina - dulcelina1973@hotmail.com
Publicado em 09/01/2009 infancia querida, vamos brincar, pula cela, homen de barro que se mexer leva 3 cachuleta, pegadÔR, amarelinha, onde esta fica, senhora dona sanja vestida de ouro e prata. LEMBRA? Enviado por joao claudio capasso - jccapasso@hotmail.com
Publicado em 04/01/2009 Que pena que as brincadeiras de ontem parece que nao animam mais a garotada de hoje. Como ja comentei anteriormente, procuro passar algumas brincadeiras e cancoes da minha infancia pra minha filhinha. Enviado por Etel - ebussbuss@gmail.com
Publicado em 03/01/2009 Captcheta... minha mãe me fazis muitas para empina... se falar para a meninada de hoje nem vão saber que isto existiu, assim como "rodar" pneu, bolinha de gude e tantas outras brincadeiras.. a infancia hoje e curta e pobre... está e a dura realidade... abraços... Enviado por rene - rene.tirol@etkm.com.br
Publicado em 29/12/2008 Antonio, quantas traquinagens a meninada fazia, nos bons tempos em que se podia brincar na rua. Ela era o nosso território livre. Tadinho do seu irmão. Leia as crônicas do Marcos Falcon e você verá que ainda falta muito para você igualar as traquinagens dele.
Feliz Ano Novo. Abração, Ivette
Enviado por Ivette Gomes Moreira - ivetteg.moreira@gmail.com
Publicado em 29/12/2008 Oi Ximenes, eu também rodei muito pneus no passado, mas hoje em dia eu gostaria muito de rodar vários pneus e solta-los lá de cima do Pico do Jaraguá com vários Senadores e deputados que votaram para aumentar o numero de vereadores nas Câmaras Municipais, com os ilustríssimos enfiados dentro. Seria maravilhoso ve-los descer a montanha mais famosa de São Paulo a mais de 200 por hora. Gostei de seu gostoso relato e de ter lembrado o famoso quadrado Maranhão, que subia sem rabo e sempre foi o meu predileto. Enviado por arthur miranda - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 28/12/2008 Irmão mais novo sofre... Enviado por Luiz Simões - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 28/12/2008 Antonio concordo com você que foi Deus e um exército de anjos da guarda quem cuidaram da nossa infância.
Grande abraço
falcon
Enviado por Marcos Falcon - marcosfalcon@uol.com.br
« Anterior 1 Próxima »