Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Vila Mariana - Rua Mantiqueira Autor(a): Ana Manheim - Conheça esse autor
História publicada em 08/01/2009
Nasci e fiquei até meu décimo aniversário aí. Foi uma infância feliz, apesar do rigor da educação.

Morávamos em um sobradinho geminado, com cômodos muito amplos e um bom quintal, como era antigamente. Em frente de casa havia um terreno, que servia de campo de futebol para a criançada da rua, hoje provavelmente construíram prédios ali. Nunca mais voltei para lá.

O padeiro e o vendedor de peixe entravam até o fundo da casa para deixarem seus produtos. O peixeiro sempre deixava uma sardinha para o gato de casa. Tinha também o homem das cabras, que vinha com umas cinco delas para tirar o leite na hora, dizia-se ser um leite forte, bom para as crianças, e era muito gostoso, diga-se de passagem.

Na Domingos de Morais, a famosa padaria ABC ficava do outro lado da rua, onde era a garagem dos bondes, bem pertinho da Rua Mantiqueira.

O meio de transporte mais usado na época era o bonde. Tinha o "Camarão", fechado; um outro aberto em que, nos horários de pico, os passageiros se amontoavam nos estribos como pingentes, e o cobrador, abraçando toda aquela multidão, ao cobrar, gritava: faz favor. Ele, em seu uniforme azul, de um tecido grosso que mais parecia um feltro, de origem inglesa, pois a companhia era inglesa, no nosso calor, imaginem! Vinha com as mãos cheias de notas enfiadas pelos dedos, marcando cada venda, ou quase todas, em um relógio que ia marcando um por um. E tinha também o bonde inglês, já mais moderno, com assentos estofados e todo confortável, que ia para os bairros mais nobres.

Hoje, relembrando tudo isso, parece que se passou uma eternidade, nada mais lembra aquela época. Atualmente, com o mundo globalizado pela internet, quase acabou aquela tradição de cada nação, tudo passa a ser igual. E a violência grassando, algo inexistente em outras eras, em que o padeiro e o peixeiro entravam quase que dentro de casa, sem nenhuma maldade, que saudade que eu tenho!

e-mail do autor: anamanheim@netjacarei.com.br E-mail: anamanheim@netjacarei.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 20/01/2009 Há um texto Etel: "O que ainda é comum e o que é diferente", pgs.23 e 24 do livro: A Missão da Pastoral social,publicada pela Cnbb,em 2008, coincidentemente estava lendo-o.E Parabéns ao seu texto Ana, tem vida as suas lembranças.Abraços. Enviado por Clesio de Luca - clesiodeluca@yahoo.com.br
Publicado em 09/01/2009 Ana, eu morei na rua Sud Mennuci, que ficava bem em frente ao ABC. Este ABC era maravilhoso. Além de seus doces e salgados de primeira qualidade, colocou, em 1959, uma TV na vitrine. Eu não tinha TV em casa. Ia para lá e nunca a tal da TV pegava alguma coisa quando estava ligada. Eu tinha apenas 9 anos de idade. A rua Sud Mennuci serpenteava e ia dar na rua Major Maragliano e França Pinto, lá do outro lado.
Em frente a estação dos Bondes, tinhamos a Lojas Sensação.
Abs
Enviado por gilberto maluf - azermaluf@yahoo.com.br
Publicado em 08/01/2009 O sentido de tempo eh relativo, pois tem lembrancas que parecem que aconteceram "ontem" e tem outras, como vc disse que parece que foi ha uma eternidade. A globalizacao, a meu ver tem os dois lados: o bom de podermos conhecer outras culturas; e um ruim, se assim possso dizer, que eh o de perdermos as diferencas, e ficar tudo meio igual.Posso estar errada, Contudo Parabens pelo seu texto. Enviado por Etel - ebussbuss@gmail.com
Publicado em 07/01/2009 Você fez bem em não voltar lá, Ana. Fique com suas belas memórias, que é o melhor que restou desse tempo. Enviado por Luiz Simões - saidenberg@ajato.com.br
« Anterior 1 Próxima »