Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias O balançar do pessegueiro Autor(a): Antonio Ximenes - Conheça esse autor
História publicada em 13/01/2009
Quando terminei o primário no Grupo Escolar "Gomes Cardim", em 1965, a alegria não cabia dentro de mim, pois eu não via a hora de fazer parte da turma do Ginásio Estadual "João Ernesto de Souza Campos", o "JESC", no Cambuci. Era a turma dos grandes, eu já havia saído da turma dos pequenos, e isso era muito orgulho pra mim, pois já tinha doze anos. Eu poderia começar a ir sozinho para o ginásio, minha mãe não precisava mais me levar, pois eu já estava no "ginásio", e era o que eu fazia todas as noites.

Por volta das 19h00, ao ir para o ginásio, eu passava em frente a um prédio na Rua Basílio da Cunha, esquina com Avenida Lins de Vasconcelos, e, do outro lado da calçada, havia um pé de pêssegos, que ficava beirando o muro do ginásio.

Certa noite, notei que havia alguns pêssegos, e resolvi subir no pé para apanhá-los. Qual foi a minha surpresa que olhando para o outro lado da calçada, ou seja, onde estava o prédio, percebi que havia uma janela aberta no primeiro andar, e uma moça de 25 a 30 anos, aproximadamente, estava se trocando.

Aquela situação me deu um frio na barriga que eu não sabia se apanhava os pêssegos, se eu descia da árvore, enfim, eu nunca havia presenciado tal situação. Não comentei nada com ninguém, e, no dia seguinte, eu não via a hora de ir para o ginásio.

Praticamente no mesmo horário, subi na árvore, e eis que a moça novamente estava lá se trocando. Isso ocorria todas as noites, pois creio que ela deveria chegar do trabalho próximo daquele horário, tomar banho e se trocar.

Isso se seguiu por um bom tempo, até que em uma noite, tive a brilhante idéia de contar para os meus amigos do ginásio o que os meus olhos contemplavam todas as noites. Os meus amigos me rodearam, me senti importante, pois até os mais velhos se interessaram pelo que estava ocorrendo, até que contei onde ficava o pessegueiro.

Na noite seguinte, quando cheguei e vi aquele pessegueiro balançando, aquele monte de gente em cima da árvore, percebi que a festa logo iria acabar. Não tinha um lugar para eu pôr os meus pés nos galhos da árvore, de tantos amigos interessados em apanhar pêssegos. Era um tal de "fica quieto", "não faz barulho", "a mulher vai ver", e até que a mulher viu mesmo. Ela, olhando pela janela, vendo aquela árvore balançando, um monte de molecada descendo e correndo para o ginásio, só restou fechar a janela.

Na noite seguinte, no mesmo horário, e com a esperança de ver aquela moça novamente, vi que a janela estava fechada. Todas as noites eu passava e não via mais a janela aberta, e tudo pelo balançar de um pessegueiro.

e-mail do autor: amximenes@itelefonica.com.br E-mail: ebrac@terra.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 14/01/2009 Ximenes, sábias palavras são aquelas que dizem: "o segredo é a alma do negócio"... Eu iria mais longe aconselhando: "quem dá aos pobres, empresta.... e... adeus!" Pela primeira vez o fruto proibido foi transormado em um pêssego. Enviado por Paulo Fábio Roberto - fabbito@uol.com.br
Publicado em 14/01/2009 Acho que não eram a Moça e o Pessegueiro. E simplesmente, Eva e a Maçã do Paraiso. O Pecado mora ao lado ! Enviado por Luiz Simões - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 13/01/2009 Antonio.
Eu cursei o 3º e 4º anos do primário no Gomes Cardim, em 1960 e 1961 e passava pela Basílio da Cunha rumo à Lins, mas jamais poderia saber que um inocente pessegueiro proporcionava essa visão do "pecado".
Enviado por Tony Silva - silva.luiz2006@ig.com.br
Publicado em 13/01/2009 Ximenes, sabe como se tira o caroço do pêssego sem danificar sua "carne"? eu sei e não vou te ensinar pra vc. aprender a não abrir o "bico" pra ninguém; se descobriu um pessegueiro com frutos deliciosos e abundantes, abra a boca só pra comer e não pra falar, pô... Belo texto, Antonio, parabens.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
Publicado em 13/01/2009 Ximenes, não se divide pêssegos ou outra fruta com ninguém.Abs.Rubens Enviado por Rubens Ramon Romero - rrubensrr@bol.com.br
Publicado em 12/01/2009 Ximenes, e afinal você comeu pêssego ou não? risos. Abraço. Enviado por asciudeme joubert - asciudeme@ig.com.br
Publicado em 12/01/2009 Antonio ótimo texto adorei.
Lá em Itaquera tínhamos a maior plantação de pêssegos do país. Rocei muito pêssego lá na colônia japonesa mais nunca tive a felicidade de ver uma gueixa se trocando.
Grande abraço
Falcon
Enviado por Marcos Falcon - marcosfalcon@uol.com.br
« Anterior 1 Próxima »