Leia as Histórias

Categoria - Personagens Prefeito Jânio Quadros (esse você conhece) Autor(a): Vilton Giglio - Conheça esse autor
História publicada em 15/01/2009

Li sobre o prefeito Faria Lima, por esse motivo resolvi escrever sobre outro prefeito, o Jânio Quadros.

Certa ocasião estava passando pela Avenida Morumbi quando, de repente, para um carro na minha frente, chapa 0001 - Prefeito, então pensei: quem será? Pois era rara tal atitude.

Pois bem, eis que surge o Sr. Jânio e seu capitão (inclusive parei meu carro para ver tal fato, aliás, muito curioso), pois havia um sujeito que, lavando seu carro em cima da calçada, além de tomar uma bronca do Sr. Jânio, levou uma multa. Aquele sr. que acabara de ser multado ficou pasmo, pois deveria ter sido um prazer ser multado por aquela pessoa tão ilustre.

Outro fato de que me lembro do Sr. Jânio foi uma favela que havia no final do Jockey Club, sentido centro-bairro, na Avenida Marginal Pinheiros. Pois mandou retirar aquela favela que deixava a cidade muito feia, deu prazo ao administrador da regional do Butantã para que a retirasse em uma semana, e inclusive essa ordem foi dada ao meu ex-cunhado, arquiteto da regional. Prontamente foi atendido: em uma semana tal favela foi retirada e hoje há um jardim nesse local.

Atualmente o que vemos nas inaugurações de obras são trios elétricos, pessoas aparecem para fazer protestos, os prefeitos mandam seus representantes, aparecem vereadores para fazer seu "AGA". Enfim, não há mais aquele glamour que havia quando se falava que o prefeito de Sampa apareceriam, srs. Adhemar de Barros, Laudo Natel, Faria Lima, Olavo Setúbal. Bons tempos, embora me lembre pouco, mas lembro.

Ah! Tem uma em que certa ocasião desinfetou a cadeira de um prefeito que pensou ter ganhado a eleição, mas não ganhou, foi mais uma do sr. Jânio Quadros (ele era o prefeito das histórias e fatos).

Anos depois o vi numa cadeira de rodas já se definhando, pois sua vida estava chegando ao fim, muito doente.

e-mail do autor: viltongiglio@hotmail.com

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 15/01/2009 Uma do Grande Janio:
um reporter gay e gozador, perguntou ao Janio se ele :O Sr. e um aocolatra?
Janio:
sim, mas sou casado

sds
Enviado por Caproni - jaguar.usa@hotmail.com
Publicado em 14/01/2009 Uma prima de minha mãe, certa ocasião teve encontro/audiência com ele a fim de solicitar um favor fora das normas. Ele disse: NÃO!: A senhora pensa que aqui é Instituição de Caridade? Ponha-se daqui para fora já! Ela: -mas eu votei no senhor. Ele: - votou porque quis, eu não pedi! Toda envergonhada se retirou. Minha mãe depois perguntou, e daí? Ela: - O pior é que vou continuar votando no "desgraçado"... Vilton, Jânio morreu vítima do alcoolismo. Enviado por asciudeme joubert - asciudeme@ig.com.br
Publicado em 14/01/2009 Jânio Quadros, venerado por uns, odiado por outros. Podem falar o que quiser, mas o homem tinha personalidade forte, não tinha papas na língua. No seu último mandato de prefeito aqui em São Paulo teve que se licenciar várias vezes para acompanhar a esposa Dona Eloá aos EUA para tratamento médico. Certa vez uma repórter, moça nova, fez a ele uma pergunta cretina: "Sr. Prefeito, o Sr então terá que ir até Boston com a Dona Eloá?"
Ele respondeu: "Não senhora, Boston virá até aqui."
Enviado por Tony Silva - silva.luiz2006@ig.com.br
Publicado em 14/01/2009 Giglio. O Jânio multou também um amigo meu. Ele estava com o carro em cima da faixa de pedestres. Na avenida Juscelino Kubistshek ele parou seu carro e foi cumprimentar meu vizinho por este ao tentar sair de onde estava estacionado recuou seu carro para dar passagem a quem já vinha inclusive seu carro. Outra favela que Jânio mandou retirar foi a da avenida Juscelino Kubistshek. Aquela favela parecia que jamais sairia de lá, pois muitos outros prefeitos não conseguiram isso. Os favelados no jornal nacional diziam que aquele babado jamais poria a cara ali. Resultado a favela foi retirada e um parque publico foi feito, e só saiu quando fizeram a nova faria Lima Enviado por Mário Lopomo - mlopomo@uol.com.br
Publicado em 14/01/2009 Janio da Silva Quadros. Matogrossense de nascimento, autodidata, criou, ele próprio um dicionário da lingua portuguesa com milhares de verbetes, portanto, lexicógrafo. Rei das mesóclises com pérolas tais como: "fí-lo porque qui-lo" e "a primeira-dama 'sê-lo-á, Eloá". Polêmico e "biriteiro" confesso, dono de frases de efeito, extraídas do portugues arcaico e do já "quase" morto latim: "basófias flácidas para dormitar bovinos" - tradução: "coversa mole pra boi dormir" e "burrorum amarratum sunt voluntat dommini" - tradução: "o burro se amarra à vontade do dono". Foi um político/polêmico (aqui vale o trocadilho), também pelo episódio do "desinfeta a cadeira com Baygon", quando afirmou que "nádegas indevidas assentaram-se aqui..." Enviado por nelson de assis - nel.som55@yahoo.com.br
Publicado em 14/01/2009 O SENHOR JANIO QUADROS, DONA ELOA, foram padrinhos de casamento, da minha prima. o janio tomou um garrafo de vodka, sem gelo rapidamente ele ganhava do LULA. Enviado por joao claudio capasso - jccapasso@hotmail.
Publicado em 14/01/2009 Jãnio figura diferente e personalíssima na política brasileira. Tinha tudo para fazer um grande govêrno, mas sua renúncia foi uma medonha decepção, dando margem para que logo o país virasse o pesadelo em que se tornou. Enviado por Luiz Simões - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 14/01/2009 Jânio foi um fenômeno da política brasileira. Inteligente e carismático. Ganhava a simpatia da opinião pública com facilidade. Isso teve seu auge, acredito, no tempo da vassoura. Fez uma campanha memorável para a Presidência da República, mas as forças ocultas o impediram de continuar e acabou renunciando. Na verdade ele queria é dar um golpe. Renunciar e voltar com força absoluta. Mas se deu mal. Poderia ainda estar vivo e dando as cartas na política. Infelizmente a "marvada" pinga o derrotou depois de ter se beneficiado de milhões de votos, digo goles ou tragos. No início do regime militar ele foi almoçar na casa do amigo José Mazzo, exelente alfaiate que tinha seu atellier no começo da Silva Bueno, Ipiranga. Durante o almoço tinha cerca de 25 convidados. Mazzo pediu ao vereador Osvaldo Giannotti para saudar o visitante. No início da noite Giannotti estava no DOPS dando explicações e estranhou quando lhe exibiram fita gravada dos discursos(de Jânio e dele). Na última vez em que ele foi prefeito em mandei-lhe uma carta denunciando os prostíbulos da Liberdade. Ele mandou averiguar e fechar. Meses depois estavam todos de portas cerradas. Foi bom você lembrar a figura de Jânio, caro Vilton. Obrigado pela parte que me toca. (Arlindo-Ligeirinho-Ribeiro) Enviado por Arlindo- Ligeirinho-Ribeiro - arlindoligeirinho@itelefonica.com.br
Publicado em 14/01/2009 Jânio, sem dúvida, foi figura marcante na política nacional. Eu gostava de vê-lo em debates, muitas vezes era até divertido assistir, não era fácil debater com ele. Uma vez, num programa Pinga Fogo, pela TV Tupi, ele acabou com o apresentador, este, falando da sua carreira política , disse que ele tinha decepcionado a milhões de brasileiros com a renúncia. Aí o tempo esquentou, o programa pegou fogo, Jânio, inflamando-se, disse: "Decepcionei a quem?". Ao apresentador falar que decepcionou a milhões de brasileiros, Jânio perguntou: "O senhor tem procuração para falar em nome deles?". Ao apresentador, Almir Guimarães, responder que não, porém, era sua opinião, de imediato Jânio disse: "Sua opinião pouco me interessa!". E aí? Almir Guimarães, grande jornalista, seguiu o programa mas não com o mesmo entusiasmo que havia começado. Num debate, Jânio não era fácil, respondia de pronto. A única vez que vi que Jânio não respondeu, foi sobre as declarações de Paulo Maluf na convenção do PDS quando Reynaldo de Barros venceu a mesma e foi candidato a Governador em 1982. Maluf, inflamado, ao final da apuração, disse que Reinaldo de Barros era, realmente, o melhor candidato a Governador de São Paulo, falando em alto e bom tom sobre os candidatos que com ele disputariam a eleição: "Teve um que foi Ministro do Trabalho e para o povo não fez nada! Fez pra ele, tem cinco aposentadorias!". Isso, referindo-se a Franco Montoro. Referindo-se a Lula, Maluf disse: "Tem um que nunca foi na escola e quer ser Reitor, nunca foi na Igreja e quer ser Papa, não foi no Exército e quer ser General!". Finalizou, falando sobre Jânio: "Tem um que teve a grande chance de consertar o Brasil, sendo eleito por extraordinária votação! Assumiu em 1961 e ficou sete meses, renunciou alegando forças terríveis, forças ocultas. Mais tarde, descobrimos quais eram essas forças: Pirassununga 51, Velho Barreiro, Drurys, Old Eight, essas as forças terríveis, ocultas!. Foi a única vez que vi Jânio não responder. Essa entrevista falando sobre Boston vir até aqui, eu assisti, Tony Silva. Parece, tive essa impressão, a Repórter era da Folha de São Paulo, Jânio havia declarado que a Folha não teria acesso ao seu Gabinete, questão de críticas que a mesma teria feito a ele durante a campanha. A Jornalista perguntou, quando Jânio disse que iria a Boston acompanhar Dona Eloá que lá se submetia a tratamento: "Quer dizer, então, que o senhor vai viajar?". Entrevista antes da posse. Ironicamente, bem do jeito dele quando marcava alguém, respondeu: "O que a senhora acha, que Boston vem até aqui?". Era até engraçado quando ele respondia. Empossado, proibiu os travestis de se apresentarem dançando no Teatro Municipal. Ao Jornalista perguntar se era contra o terceiro sexo, Jânio respondeu: "Terceiro é por sua conta, Deus criou dois que eu sei, masculino e feminino. O senhor que está vindo com o terceiro, esse eu desconheço!". Ia respondendo mas andando, o Jornalista que tinha que acompanhá-lo para ouvi-lo. Era um barato o Jânio falando, muitas vezes. Muita gente até gargalhava ouvindo suas respostas, suas declarações.-abraços - Pedro Luiz Enviado por Pedro Luiz Boscato - plboscato@uol.com.br