Leia as Histórias

Categoria - Personagens Mãe é mãe Autor(a): Lygia Martins de Souza - Conheça esse autor
História publicada em 22/06/2009
Todo mundo sabe dessa verdade. Mãe é mãe. Só mãe mesmo para fazer as coisas que ninguém mais faria.

Aqui vai uma historinha para ilustrar esta verdade.

Tenho uma prima que é uma super mãe, criou os filhos sozinha porque enviuvou muito cedo, levantando junto com o sol para fazer os lanches das crianças, deixar o jantar pronto, e ainda levar os quatro filhos para a escola (de ônibus, nem carro ela possuía) antes de chegar ao grupo escolar onde era professora.

Às duas e meia da tarde pegava os filhos na escola, lavava toda a roupa, preparava os uniformes para o dia seguinte, limpava a casa, dava o jantar a todos e ainda ajudava com os deveres das crianças.

Frequentemente só conseguia ir dormir bem tarde, mas no outro dia, cinco e pouco da manhã já estava de pé. Hoje três dos seus quatro filhos são formados, estudaram piano e violão, uma das meninas faz doutorado em Campinas, a outra dá aulas de balé, um dos rapazes é advogado e o mais novo já está quase se formando em música.

Esta historinha é sobre o filho menor, o Zé, quando ele tinha uns dezesseis anos.

Quando minha prima morava perto da Praça da Árvore o Zé fazia o cursinho para a faculdade perto do metrô Paraíso. Uma tarde, lá pras seis horas, ela recebeu um telefonema dele, desesperado.

- “Mãe, estou precisando da sua ajuda urgente”, disse ele pelo seu celular.

- “Mas o que aconteceu, meu filho?”

- “Mãe, você não vai acreditar. Eu estava entrando no cursinho quando me deu uma dor de barriga daquelas. Eu nem tive tempo de correr pro banheiro dos homens. Sabe onde eu estou? O banheiro das meninas estava mais perto e eu estou aqui dentro.”

- “Sai daí, então, meu filho, o mais rápido possível”, diz a minha prima.

- “Não posso”, diz o Zé.

- “Como, não pode?”

“Não tem papel. Mãe, traz um rolo de papel higiênico pra mim”.

Minha prima então pega o rolo de papel e põe numa sacola, e vai enfrentar a hora do rush no metrô até a estação Paraíso. Estava chovendo forte, uma tempestade daquelas de São Paulo em fim de tarde, e lá foi ela enfrentando o tráfego, a água das ruas, até o Cursinho, onde conseguiu encontrar o banheiro das meninas que por sorte estava vazio, a não ser pelo Zé sentado no último cubículo. O rolo de papel foi jogado por cima da porta.

Enquanto ele resolvia o problema lá dentro, algumas meninas entraram no banheiro e tentaram a porta fechada. Minha prima não teve dúvidas: avisou que aquele banheiro estava interditado e, para dar mais crédito às suas palavras, pegou uns panos que encontrou ao lado das pias e começou a fazer uma limpeza, como se fosse a faxineira! As meninas entraram em outros banheiros e logo foram embora, e uma delas ainda comentou:

- “É, deve estar entupido, pelo cheiro.”

Logo que elas saíram minha prima avisou o filho que a costa estava livre e o Zé saiu correndo dali.

Eu não disse que mãe é mãe?

e-mail do autor: lymms7@hotmail.com E-mail: lymms7@hotmail.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 30/06/2009 Lygia sua história alegra nossas almas, sem dúvidas.É muito boa.
Todas as mães deveriam ser chamadas de santas e as santas de mães.
Mãe é "papel" para toda a obra.Sua história que o diga.
abraços.
Enviado por Fabio Belviso - fabio.belviso@ig.com.br
Publicado em 23/06/2009 Lygia, eu acho que toda agilidade mental de sua prima foi compensada pela moleza do Zé. O rapazinho é mesmo atrapalhado... Um abraço, Rossi. Enviado por antonio rossi dos santos - rossi@valoneadv.com.br
Publicado em 22/06/2009 Lygia, narrativa hilária. E, ao mesmo tempo enternecedora. Lembrei-me da frase italiana que diz "Mãe é tudo. Sem mãe, não temos nada.". "E, na fragilidade da mulher está toda a força do mundo." Abração, Natale. Enviado por Wilson Natale - wilsonnatal@hotmail.com
Publicado em 22/06/2009 Lygia, mãe é sempre mãe mesmo se ela não for a verdadeira, será sempre MÃE.Lembro do bandido que maltratava violentamente a mãe e, inquerido pelo reporter o por que disso, se ele tratava melhor uma prostituta. Ele responde: "minha mãe é a única mulher que nunca vai me entregar a polícia."
Simpático texto, Martins, parabéns.
laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
Publicado em 22/06/2009 Lygia, mãe (pai) é mãe (pai) mesmo, esta história é uma prova disso, do sacrificio em nome do bem estar dos filhos. São Laços de Ternura que tecemos á nossa volta. Creio que quando há a figura da mãe e do pai, por que não? as coisas impossíveis são resolvidas e tudo fica mais fácil.Lygia, você é a Lygia do País de Gales?Pelo estilo, acho que sim.Abraços, Marco Antonio (Marcolino) Enviado por Marco Antonio (Marcolino) - advancedtop@uol.com.br
Publicado em 22/06/2009 Querida Lygia, como sempre seus textos são super interessantes e este, além de tudo, pitoresco. Abraços. Mirça Enviado por mirça bludeni de pinho - by_laser@yahoo.com.br
Publicado em 21/06/2009 Ah! Ah! Ah! Tenho uma história semelhante mas não posso contar aqui. Te mando um e-mail depois.
Adorei... mãe é mãe.
Abraços
Enviado por Doris Day - dorisdaybrasil@gmail.com
Publicado em 21/06/2009 É, sou eu mesma,usando agora o meu nome de solteira.
Lygia (ex- Bradnick)
Enviado por Lygia - lymms7@hotmail.com
Publicado em 21/06/2009 Dona Ligia,mãe enfrenta qualquer cagada de filho.Rubens Enviado por Rubens Ramon Romero - rrubensrr@bol.com.br
Publicado em 21/06/2009 LIGYA, QUE HISTORIA DESESPERADORA,
EU LENDO FIQUEI CURIOSO SE A MÂE CHEGARIA A TEMPO.
Enviado por joaoclaudiocapasso - jccapassp@hotmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »