Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Um dia de presente Autor(a): Lygia Martins de Souza - Conheça esse autor
História publicada em 28/07/2009
Malas prontas, despedidas. Meu último dia de férias em SãoPaulo, meu pai à porta me acenando. Lágrimas que não deixo que ele veja. O carro me levando ao Aeroporto Internacional de Guarulhos e o check in é feito enquanto o amigo da família me espera no saguão. Mais despedidas e, então, estou só, andando por corredores infindáveis que me levam mais longe de São Paulo a cada passo, do burburinho da minha cidade, das bancas de jornais ao sol, dos trens do metrô que cortam a cidade apinhados de gente, da gritaria dos camelôs no centro, das montanhas ao longe, das palmeiras acenando.

Chego à sala de embarque, onde já muitas pessoas esperam avião da Alitalia e ali começamos a fazer amizades. Conheci a Maria, a Cleia, vários jovens viajando para o exterior pela primeira vez, para quem só teria um conselho se fosse pedido: Viaje, mas volte para a sua terra. Não fique por lá...

Horas se passam, vamos comer alguma coisa na lanchonete, peço o último guaraná, choro abertamente quando a lata termina, ao lado das novas amigas, que não entendem, não entendem... afinal, elas se vão por quinze dias, um mês....

Finalmente, vem o anúncio que a companhia aérea não irá fazer o voo esta noite, iremos todos para um hotel. As malas já estão sendo tiradas do avião, deveremos fazer o check in novamente amanhã à tarde. Todos reclamam, vão processar a companhia, prometem nunca mais viajar por esta linha aérea. Eu, no entanto, crio alma nova: mais uma noite no Brasil, mais uma noite embaixo do céu de São Paulo.

Confusão impossível de descrever até perto da meia noite, quando chegamos ao hotel, arrastando malas, arrastando a nós mesmos para o restaurante iluminado onde finalmente vamos jantar. A estas alturas, o grupo de viajantes formou um elo entre si. Parece que nos conhecemos por anos. Virou convescote, virou jantar entre amigos com muita risada e conversa fiada. Já se sabe o nome da maioria, já se divide o compartilhamento dos quartos. Tiram-se fotos de grupos sorrindo, embora caindo de cansaço.

Compartilho um quarto com a Maria, conversamos até às 3 da manhã.

Oito horas, o grupo já chega para o café. Uns acenam para os outros de longe, juntam-se mesas, o convescote continua. Parece até que esquecemos o motivo de estarmos no hotel, o avião que nos espera na pista às 3 da tarde. E ainda temos um almoço no hotel antes de sairmos! Planejo tomar mais guaraná...

Com tempo livre, resolvo sair do hotel, mas não muito longe, como nos foi pedido pela companhia aérea. Saio sózinha, para curtir meu dia extra, meu dia de bônus, meu dia de presente em São Paulo. Eu, que já deveria estar sobrevoando o continente europeu, ainda estou com o pé no chão do meu país, pisando as calçadas ensolaradas, vestindo uma camiseta, um shorts e sandálias havaianas, meu uniforme preferido.

Ando à toa, telefono do orelhão para o meu pai, muito surpreso de ouvir a minha voz ainda do Brasil, aí vou a um supermercado onde compro ainda mais alguns sabonetes Phebo (trouxe uns cinquenta). Atravesso uma pracinha cheia de árvores floridas, demoro olhando as flores em tons de rosa e lilás, converso com uma família carregando uma criança no colo, ando pelo bairro todo, entrando em lojinhas e padarias, sentindo o cheiro do pão novo, me despedindo.

As pessoas em volta continuam no seu dia a dia. Chegarão em casa com as sacolas de compras, tomarão um café com a família e eu trocaria de lugar com qualquer um deles. Eu, devo voar. Devo sobrevoar o mar na escuridão e emergir da noite onde São Paulo não existe. Onde eu não existo.

Mas por algumas horas roubadas andei a esmo coletando pétalas do chão.

e-mail da autora: lymms7@hotmail.com E-mail: lymms7@hotmail.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 31/07/2009 Lygia, lendo o seu texto dá pra entender a saudade do poeta quando escreveu: "Minha terra tem palmeiras, onde canta o sabiá, as aves que aqui gorjeiam, não gorjeiam como lá.... Lindo, amiga. Volte logo!
Abração.
Enviado por Doris Day - dorisdaybrasil@gmail.com
Publicado em 29/07/2009 Linda história Lygia.... Parabéns! Enviado por PAULO FÁBIO ROBERTO - fabbito@uol.com.br
Publicado em 28/07/2009 0la Lygia...Muito bonita sua história, percebe-se que foi escrita com muita saudade e muita emoção, emoção esta que voce consegue passar a quem a le...Alias muito bem escrita como as outras duas que foram publicadas.......parabens...
Luiz Garcia
Enviado por Luiz Gonzaga Smoes Garcia - gonzagagarcia@ig.com.br
Publicado em 28/07/2009 Calma Lygia, Outubro está chegando! Enviado por Miguel - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 28/07/2009 Pois é, Lygia. Nem quero imaginar (já imaginando), o como será a minha passagem por São Paulo, e mais especialmente no meu velho 'Bixiga', quando for matar as minhas saudades. O que me consola é que estou mais próximo do que voce que está na europa. Abraços, Nelson. Enviado por nelson de assis - nel.som55@yahoo.com.br
Publicado em 28/07/2009 Lygia, que texto lindo, aliás todos seus textos são belos.Sei do seu grande amor por São Paulo e acho que eu sentiria também esta saudades, mesmo sem ainda ter daqui partido.Logo nos veremos de novo, um grande beijo amiga. Enviado por margarida pedroso peramezza - peramezza@ajato.com.br
Publicado em 27/07/2009 Sra.Bradnick, existe aqui um jeito todo especial e poético de contar que um atraso no vôo, virou uma benesse insuperável. Tal lirismo provém da paixão declarada publicamente pela cidade natal, levada noite adentro sôbre o Atlântico. Meus cumprimentos. Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - ernestob1144@gmail.com
Publicado em 27/07/2009 Ola Lygia, seus textos traduzem exatamente o que sinto quando deixo minha familia e volto pra California. Aproveito cada minuto em solo Paulistano. Escrevi o texto "Turisteando em Sao Paulo", no qual relato a minha mais recente visita ao Brasil.Pra alguns, pode parecer sentimentalismo barato, mas nao eh,pois so quem voa pra longe, sabe a dor que eh viver longe de suas raizes. Tenho planos de voltar, Se Deus Quiser.Parabens pelo texto. Enviado por Etel - ebussbuss@gmail.com
Publicado em 27/07/2009 Belo Texto lygia.
Agoro espero você contar sobre a viagem.
abraços
Falcon
Enviado por Marcos Falcon - marcosfalcon@uol.com.br
« Anterior 1 Próxima »