Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Bixiga, amor eterno Autor(a): Nilton Sérgio Marganelli - Conheça esse autor
História publicada em 31/07/2009
Por acaso, puxei no Google o nome de um antigo amigo do nosso querido e nostálgico bairro do Bixiga, quando, pra minha grata surpresa, deparei-me com histórias e nomes que muitos deles, convivi.

Quero aproveitar o momento para acrescentar alguns outros nomes, que trago em minha lembrança, e que ajudaram a montar a história desse amado bairro: somos cinco irmãos, todos nascidos no Bixiga, Sérgio, Flávio, Wilson, João e Marco, filhos do sr. João Marganelli (muitos ainda hão de se lembrar do meu pai, amava futebol, palmeirense fanático, e que era técnico do Palmeirinha e do Luzitana, no futebol de salão), e da dna. Maria Baldini (da família dos Baldini, centenária no bairro).

Até hoje, quando posso, assisto missa na Achiropita.

Não poderia deixar de mencionar, na década de 60, os jogos memoráveis de futebol entre a turma do Morrinho x a turma da Marques Leão, adultos e depois os jovens, onde após esse acontecimento, era uma festa só no bar do seu Guerino (pai do Tunicão), na Cons. Carrão, onde ficava também a mercearia da dna. Amélia. Jogavam o Chalin (falecido goleiro da ferroviária), meus tios Milton, Chicão, o Tsinho, o Carlito, o Oscarzinho, o Dori, o Caculé, o Pelezinho, o Negão, o Breguela, o Rubinho, o Jaiminho (filho do sr. Jaime da venda), eu, o Flávio, o Araripe, o Carijó, o Fatibelo e tantos outros.

Tantas lembranças maravilhosas, dentre elas, nadávamos na boca do túnel da 9 de Julho, e, quando descobertos pelo zelador, este saía correndo tentando pegar um de nós. Legal também era o cineminha do Achiropita, onde nos reuníamos sob a batuta do padre Patarello.

O parque do Trianon, quanto brincamos ali em seus balanços, o salão da criança no Ibirapuera, com brincadeiras e jogos inesquecíveis de futebol de salão.

Ainda no Bixiga, o Mazzaroppi nos presenteou, se não me engano (era muito jovem), com parte das filmagens (se me lembro bem) de O Vendedor de Linguiças. A malhação do Judas, a corrida de sacos com ovo na colher, promovida pelo proprietário de uma venda que existia nas esquinas da São Vicente com Sto. Antonio. Os carrinhos de rolimã, com os quais descíamos a Rua dos Franceses, e na Cons. Carrão a dna. Palmira ficava esperando-nos com um balde de água na mão (coitada, se bem me lembro, nunca alcançou seu intento, pois parávamos antes), e a respeitávamos também.

A minha avó, Cristina Cafuoco Baldini, quanta gente benzeu, era na porta de sua casa, no morrinho da sto. Antonio, onde as festas de São Pedro duravam três dias (o meu pai conseguia os restos de madeira das produções do teatro nídia lícia), a impressão que eu tinha, de tão popular que ela era (e meus tios e tias também), é que meio Bixiga ia pra lá.

Não poderia deixar a venda do sr. Angelo, na Luiz Barreto (onde morei muitos anos), pai do Toninho (grande amigo), do Angelo e do Boca (este, falecido, era um figuraço). O Élerson Gaetti, quanta linha de costura fornecia pra gente, pra empinarmos papagaio (seu pai, seu Evaristo, era alfaiate).

Lembrança também do campo do Herói Brasil, na Marques Leão, ficava no alto do morro e, quando a bola caía na rua, era a mesma colocada num balde e puxada por corda, genial, né?

Enfim, são somente algumas poucas lembranças e fatos que marcaram uma pessoa, que conheceu o Armandinho, o Esquerdinha, o Lorencinho (o maior ponta-esquerda que vi jogar), o Esquerdinha, o Ponce-de-leon, o Carlinhos pastor (craque de futebol de salão, Palmeiras e seleção brasileira), o Bernardino, o Chalin (ambos foram profissionais de futebol), o Brasão, o Leão, o Boia, o Mazolinha, o Airton, o Crispin, o Galo, o Nenê (Carmine), o Vico, o Jaime, o Bura, o Piu-piu, o Marinho, o Namur, o Nelsinho, o Bertola, o Marcão, o Decinho comendador, o Agostinho dos Santos (pouco antes de falecer, ficamos até tarde conversando nas esquinas da Sto. Antonio com Manoel Dutra), o Pinguinha e tantos outros.

Hoje, em Ribeirão Preto, morando com minha mulher Regina, que conheci no Bixiga em 1966, ela com 14 anos e eu com 17, casamos em 1979 e Deus nos presenteou com nossa filha Érika que, por sua vez, retribuiu com dois netos maravilhosos, Igor e Ana Beatriz.

Um abraço a todos, e viva o Bixiga, com suas histórias, sua gente, suas pizzarias, cantinas, padarias, teatros, feirinhas, botecos, a escadaria dos ingleses, e todos os seus encantos.

e-mail do autor: sérgio@puxador.com.br E-mail: rgio@puxador.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/03/2013 sergio... primeiramente quero te comprimentar pela ótima memoria, e parabens pela sua história e ao mesmo tempo minha tambem pois, considero que fiz parte dela tambem, me emocionei quando li e lembrei de todas estas pessoas que você citou e lembrei de mais algumas, também dos clubes que jogamos, como o Elite, Preçofixo, Boca Jr.,Luzitana. Sinto muita saudade daquele tempo, da sua mãe, que tinha muita paciencia conosco, o Sr. João nosso tecnico muito exigente, que saudades! Enviado por carlos alberto fattibello - carlosfattibello@hotmail.com
Publicado em 23/09/2010 Sé, sobre os nomes daqui é sua prima de Bh, pesquisando sobre os nomes de nossos avós, achei esse lindo depoimento em homenagem ao bixiga.Parabéns.Um beijo a todos Enviado por Sandra - sandraadorno@uai.com.br
Publicado em 01/12/2009 Oi tio e oi a Todos os apaioxonados pelo Tradicionalíssimo Bixiga .Fiquei muito feliz em ler suas lembranças e de homenagear lugares,familiares e pessoas que fazem parte de sua vida .Afinal eu também sou um Filho do Bixiga mesmo não tendo o prazer de crescer nesta época mas adoro muito lá e quero deixar um Forte Abraço a todos que comentaram seu texto e um especial ao BIXIGA. Precisamos combinar de visitá-lo novamente .Abração tios Sérgio,Wilson(bily),Zinhão e Kotché VIVA!!! QUELALA QUELALA!!! Enviado por Rodrigo Marganelli - deltamarganelli@uol.com.br
Publicado em 04/10/2009 Muita lindas as lembranças. Estou ajudando minha filha com um trabalho sobre imigrantes italianos e pesquisando sobre os imigrantes que moram na região nos deparamos com histórias de amor e saudds que nos remetem a um mundo sem conflitos, violências, etc... Sorte de vcs que puderam viver esses bons tempos. Que Deus abençoe a todos e obrigada por dividir tantas lembranças boas conosco. Enviado por sandra - sandrascalao@globo.com
Publicado em 19/08/2009 Tudo muito bem lembrado como só mesmo meu amado irmão poderia fazer.Parabéns e sempre que puder nos presenteie com suas histórias de vida. Enviado por wilson roberto marganelli - wtrmarga@hotmail.com
Publicado em 09/08/2009 Sergio, eu era amigo do seu irmão Marquinhos, conheci voce , seus irmãos e seus pais, sou aquele que voce chamava de Claíton (com acento), eu na epoca tinha uns 10 anos, andavamos muito de bicicleta, continuo morando no Bixiga, as vezes vejo o seu irmão Joãozinho, perdi contato com o marquinhos quando ele foi morar no Broklin, mas tenho muitas lembrancas dele pois foi um grande amigo, sempre tomando conta de mim que era o menor da turma, um grande abraço e vamos nos falar sempre, fique com Deus! Enviado por Clayton Domingues - clayton.domingues@tmsw.com
Publicado em 06/08/2009 Gostei muito,pois são as recordações que minha falecida mãe Maria Thereza tinha do bairro.Já escrevi para o site sobre o Bixiga e fiz um poema também.Minha mãe era filha do Sr.Vicentão,que jogava no Herói Brasil.Parabéns pelo seu texto! Enviado por Ana Maris de Figueiredo Ribeiro - anamarisribeiro@ig.com.br
Publicado em 03/08/2009 Mais uma Ode ao meu querido e amado Bexiga.. Que realmente deve e mercece ser cantado em prosa e verso... parabéns Enviado por PAULO FÁBIO ROBERTO - fabbito@uol.com.br
Publicado em 31/07/2009 Sr.Marganelli, o site SPMC conseguiu alcançar mais um filho de SP e de bairro com alta frequencia de histórias. Fico feliz com mais um colaborador. Cumprimento sua bela história. Abraço. Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - ernestob1144@gmail.com
Publicado em 31/07/2009 EU NUNCA MOREI NO BIXIGA, MAS COMO FILHO DE ITALIANO, NÂO PODIA DEIXAR DE CONHEÇER AS PIZZARIAS, E OS RESTAURANTES, CAPUANO, ROPERTO,
LA TAVOLA, MEXILHÂO, 10090, ETC..
Enviado por joao claudio capasso - jccapasso@hotmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »