Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Odisséia sem Ilíada ou A volta pra casa, simplesmente Autor(a): Joaquim Ignácio de Souza Netto - Conheça esse autor
História publicada em 04/08/2009

Quem conhece o bairro do Brás de fins do século XX e este início de século XXI sabe que este não é um bairro exatamente aprazível. Multidões de compradores misturam-se, sem perceber, à fina flor da malandragem e da bandidagem, batedores de carteira, cortadores de bolsas, trombadinhas e trombadões, falsos mendigos, falsos cegos, falsos aleijados, marreteiros (chamá-los de camelôs é até um insulto para a honrada classe da camelotagem!), prostitutas e prostitutos de tempo integral. À noite, então, o bairro fica ainda mais sinistro, melhor nem parar por ali para esperar o ônibus que vai te levar para casa que a "boca é quente", e você corre o risco de ser assaltado, ferido ou até morto.

No entanto, participei de uma espécie de aventura no mesmo bairro em 1954 ou 55, me fugiu a exatidão nesses 55 anos passados. Havia, e ainda há uma escola de música (Escola de Música Morumbi) no bairro da Previdência (onde moro até hoje) e a dona e professora nos presenteou com convites para um recital de formatura de alunos no Teatro Colombo, que ficava no Largo da Concórdia. Fomos todos, meu pai, minha mãe e eu, além de vizinhos com seus filhos e filhas, todos amigos. Lembro que dois grandes atores da época - Manoel Durães e Nino Nelo - apresentaram alguns "sketchs" cômicos antes do recital propriamente dito.

Bem, para encurtar a conversa, tudo terminou por volta de meia noite e não havia mais bondes para o centro. Meus pais e outros vizinhos conseguiram alguns táxis para voltar e nós, garotos de 13, 14 anos sobramos, pois não nos foi permitido exceder a lotação dos veículos. Os pais, então, na maior confiança, foram embora, orientando-nos para voltar a pé até a Praça Ramos de Azevedo e esperar que os bondes para Pinheiros voltassem a correr às 4 ou 4 e meia da manhã.

Como se diz hoje em dia, "nem esquentamos a cabeça", e, àquelas horas do início da madrugada, lá fomos nós pela Rua do Gazômetro em toda sua extensão, atravessamos o Parque Dom Pedro II (lindo, bem cuidado, pouco iluminado, cheio de árvores majestosas...), subimos a Gal. Carneiro, chegamos à Praça da Sé, Rua Direita, Viad. do Chá e o prédio da Light, finalmente, onde esperamos até os bondes voltarem a correr!

Em nosso périplo (périplo - chique, hein?) pelo centro da cidade, vez ou outra éramos parados por guardas civis: - Isso lá é hora de criança andar na rua? Seus pais estão sabendo? E toca a explicar e contar nosso drama. Um dos guardas queria até nos levar para a Central de Polícia, que ficava no Largo do Tesouro, onde ficaríamos até amanhecer, mas acabou convencido de que nós éramos "boa gente" e nos permitiu continuar.

Agora, sejam sinceros: vocês fariam essa travessia, nos dias de hoje, durante a madrugada? Nem pensar, né? Mas aqueles eram outros tempos, outros costumes, outro tipo de educação que os pais nos davam e recebíamos nas escolas.

Quer saber? Estou com 69 anos, quase 70, aposentado da área da saúde, velho, cansado, passei por dois infartos, tenho "stents" nas coronárias, sou freguês assíduo do Instituto do Coração, tenho cinco filhos e cinco netos, não tenho mais cabelos, uso próteses dentárias, só não uso bengala, e ainda não estou "mascando prego" nem batendo palmas com as mãos fechadas, como dizia o Charutinho, vivido por Adoniran Barbosa em "Histórias das Malocas” da Rádio Record, portanto, permitam-me sentir saudades e contar esta história; afinal de contas, aquela foi a primeira vez que varamos a noite fora de casa, nós, os grandes malandrinhos, eu e meus amigos, a maioria, infelizmente, já falecidos. Confesso que sinto muito a falta deles, mas, vez ou outra, eles me aparecem em sonhos e lá vamos nós bater uma bolinha em nosso campinho, ou vamos, de terno completo e gravata com nó inglês, a bailinhos em nosso onírico bairro, nós com 15, 16 anos novamente. Tristeza é acordar desses sonhos!

Outras noitadas vieram, mas essas são outras histórias. Eu, por enquanto, vou ficando aqui em cima da terra, não sei até quando... mas, estamos aí, para o que der e vier...!

Abraços paulistanos a todos os brasileiros daqui e de fora do país, inclusive.

e-mail do autor: ignacio.netto@bol.com.br

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 05/08/2009 Ignácio, vc. diz..."não é um bairro aprazível...", como não são Campos Elizeos, Jardim América, Aclimação, Liberdade, Bela Vista, St.a Efigênia e demais bairros que circundam o centro velho da cidade. Vc. já foi no "aprazível" bairro dos "Champ Elizee" ou como catzo se escreve em francês? a cracolándia? O Braz está assim agora por ter um coração grande, aberto pra TODOS OS BRASILEIROS, coreanos, bolivianos e o escambau. Arrazaram o bairro? pode ser... mas, o que vc. expôs, e muito bem,(continua) Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
Publicado em 05/08/2009 (continuação) não é privilégio do Braz; se vamos destacar as atuais situações de nossa cidade, não vamos fugir muito do acima exposto. É sempre bom lembrar o tempo em que vc. foi ao Teatro Colombo e se ater aquelas dificuldades vencidas com um pouco de sacrifícios.Pelo que vc. mencionou, nunca morou no bairro. Já no ano de 1954 tinhamos alguns problemas. Nasci no Braz, conheço e ainda gosto do meu bairro. Tenho 77 anos. E, salvo engano, acho que Manoel Durães e Nino Nelo já não mais atuavam. Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
Publicado em 04/08/2009 Sr Ignacio, "permitam-me sentir saudades e contar essa história?" O senhor é que tem que nos permitir sentir emoção, orgulho e contentamento em saber que alguém assim nos contou e contará mais histórias como essa. Permita-nos? Abraços. Enviado por Márcia Sargueiro Calixto - marciascalixto@hotmail.com
Publicado em 04/08/2009 Caro Ignacio, eu não faria tal travessia na madrugada hoje, embora tenha feito coisas parecidas no passado. Para dizer a verdade, talvez nem á luz do dia...abraços. Enviado por Luiz Simões - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 03/08/2009 Alô Ignacio,vc pode ter todos estes problemas que menciona, mas seu cérebro é novinho, afiado,e vc nos deu este relato impressionante e muito vivo de um tempo passado e feliz. Que memória,hein? Seus amigos de infancia estariam orgulhosos de vc. Escreva mais,amigo. Enviado por Lygia - lymms7@hotmail.com
Publicado em 03/08/2009 Caro sr.Ignacio,difícil imaginar quem tenha - hoje em dia - coragem de repetir esta odisseia! Ano passado fui a algumas palestras nas Arcadas e não tive coragem de ir até a Praça João Mendes para tomar o ônibus para o Ipiranga. Preferi pegar um táxi, e ainda assim fui abordado por alguns transeuntes mal-encarados. Parabéns pelo texto.Igor Enviado por Igor Nitsch - igornitsch@hotmail.com
Publicado em 03/08/2009 Menino Inácio, lindas suas recordações e faça isso sempre que sentir vontade de voltar ao passado, leitor é que não irá faltar.Um grande abraço. Enviado por margarida pedroso peramezza - peramezza@ajato.com.br
Publicado em 03/08/2009 Sr.Souza Netto, recordações preciosas de um centro tranquilo. Como os pais eram tranquilos quanto a segurança dos seus adolescentes. O local está lá, mas era outra cidade. Abraço. Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - ernestob1144@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »