Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Piquenique embaixo dágua Autor(a): Lygia Martins de Souza - Conheça esse autor
História publicada em 17/02/2010
Um piquenique no Zoológico? Que maravilha. Meu tio João nos levaria de caminhonete, que era coberta por um toldo e possuia bancos na lateral. Espaço suficiente para seus filhos, meus primos Daniel, Raquel, Izabel e Mabel (sim, todos com nomes terminando em “el”) e para mim. Combinamos para o fim de semana seguinte e acho que nunca um piquenique foi mais esperado nem preparado.

Minhas primas e a tia Maria cozinharam a semana toda para nos fornecer uma cesta abarrotada de iguarias. Lá da Mooca telefonavam para nós: - Olha, fizemos pastéis de forno. Uma delícia! E minha mãe, não querendo ficar atrás: - A Lygia e eu estamos pensando em fazer umas tortinhas de queijo. E minha tia, lá da rua Jurupuxita (ou será Jupuruxita?) dizia: - Vamos levar salada de batata e bolo de chocolate.

E eu só de pensar já estava com água na boca. Contava os dias. Como para toda criança de doze anos, um passeio ao Zoo com meus primos e muita comida na cesta era o auge da felicidade. Sexta-feira e tudo pronto. Sacolas com pratos de papel, garrafas de Crush e Grapete, a comida na Kelvinator. Ganhei até uma roupa nova para o grande evento, um conjunto amarelinho. Fui dormir cedo para o sábado chegar mais depressa.

Lá para as quatro da manhã acordamos com uma tremenda tempestade! Levantei, fui até a janela. Lá fora um vendaval açoitando árvores, a noite cortada por raios que deixavam tudo branco por alguns segundos. Minha mãe, de penhoar vem até a janela também, dizendo: - Amanhã, já passou tudo. Foi uma das poucas vezes que ela errou a previsão do tempo.

O sábado amanheceu cinzento, um chuvisqueiro fino. Destas chuvinhas que a gente sabe que veio para ficar.Vamos ou não vamos? Minhas primas no telefone: - Vamos, vamos, vai parar! Minha tia ao telefone:
- Não vai ter como segurar estas crianças se a gente não for. Eu, de shorts amarelo, blusinha de verão, morrendo de frio, pedindo: - Vamos, mãe, vamos, mãe, ah, vamos, mãe....

Fomos. Empilhados na caminhonete, meio sentados nas cestas de comida, o vento e a chuva entrando por todos os lados, lá fomos nós, rumo ao Zoológico de São Paulo. Íamos cantando aos berros, como fazem todas as crianças de todas as gerações quando juntas, indo para um dia feliz. Tio João e tia Maria iam á frente, minha mãe conosco atrás, para impedir que alguém caísse da caminhonete pela abertura no toldo e também para impedir que comêssemos tudo antes da hora.

E chovia! Como chovia! O chuvisqueiro da manhã se tornara num dilúvio. Não se via nada a não ser água caindo e a cor molhada de um guarda-chuva de vez em quando, colocando um ponto de cor como aquarela numa tela cinzenta. Finalmente chegamos ao Zoo. Que desolação! Parecia que éramos a única familia a desafiar os elementos. Tio João apareceu embaixo de um guarda-chuva ao lado da caminhonete e disse: -
Vamos esperar parar um pouco, o homem lá falou que os animais estão todos nas tocas.

Esperamos… Esperamos. E chovia! A chuva nem dava um sinal de querer ir embora. Mãe! Tô com fome! gritavamos lá de tráz. Comemos o piquenique ali mesmo. Era um passa passa de bolinhos, tortinhas, salgadinhos, refrigerantes e sanduiches. Os tios vieram sentar atrás conosco e ali mesmo comemos os quitutes tão cuidadosamente preparados para serem comidos dentro do Zoo, num dia de sol, correndo na grama.

Lá para as três da tarde, desistimos de ir ao Zoo. Tudo o que fizemos foi ficar ali na porta do parque, tremendo de frio dentro da caminhonete aberta na parte de trás, olhando por entre a água que caía a entrada do Zoológico. Não vimos um animal. Voltamos ainda cantando, de estômago distendido, roxos de frio. Fiz muitos outros passeios ao Zoo, porém este foi o que mais me marcou. Justamente o passeio que não houve. Por que será?

E-mail do autor: lymms7@hotmail.com
E-mail: lymms7@hotmail.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 23/02/2010 Mrs.B., para criança não existe tempo perdido e nem passeio. Foi toda a expectativa, acompanhamento, e no fim o grande banquete em local inóspito. Marcou sim pois, tudo se aproveitou e a imaginação infantil voou pelo Zoo muitos dias e noites antes de acontecer. Abraço. Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - ernestob1144@gmail.com
Publicado em 22/02/2010 Lygia, seu passeio no Zoo esteve mais aora aquário de Santos....mas valeu a tenacidade.
Agora, antes de qualquer excursão temos de consultar a Climatempo...abraços.
Enviado por Luiz Simões - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 19/02/2010 Lygia, lindo o seu texto. Quando morava em São Paulo gostava muito de ir ao zoológico, alias...qual criança não gosta ? Que drama aquela chuva ! rs rs Enviado por Marina Gentile - dagazema@gmail.com
Publicado em 19/02/2010 Lygia,vocês poderiam ter inventado um joguinho na caminhonete para passar o tempo, como por exemplo: quem conseguisse soletrar os nomes das primas terminadas em "el" mais rapidamente ganharia...Um beijo e parabéns pelo seu texto, como sempre, de qualidade e com conteúdo. Enviado por Márcia Sargueiro Calixto - marciascalixto@hotmail.com
Publicado em 18/02/2010 O melhor da festa é esperar por ela, concorda? A delícia que foi esse fazer salgadinhos, os telefonemas, a espectativa, a caminhonete aberta, tudo isto e mais você e os primos " el", me responda. Precisava ter Zoo , bichos ? Vocês eram a festa, a alegria, a confraternização. Até a palavra chuvisqueiro tem sabor... E Crush e Grapette então? Lindo, lindo relato... Enviado por Trini Pantiga - trinesp@ig.com.br
Publicado em 17/02/2010 Lygia, muitas vezes os imprevistos é que são os verdadeiros deleites que nunca esquecemos.Parabéns pela excelente narrativa! Enviado por asciudeme joubert - asciudeme@ig.com.br
Publicado em 17/02/2010 Que pena que o passeio nao aconteceu, contudo vc nos presenteou com um belo texto. Enviado por Etel - ebussbuss@gmail.com
Publicado em 17/02/2010 Lygia. Sua pergunta no final do texto poderia ser até retórica para a época. Hoje em São Paulo e, há quase cinquenta dias, as chuvas são inclementes e pairam dúvidas de uma previsão acertiva aos dias de sol. Abraços, Nelson Enviado por nelson de assis - nel.som55@yahoo.com.br
Publicado em 17/02/2010 Lygia, assim são as crianças. Fantasiam, e vivem aquele momento tão esperado, mas com a chuva; bem o dia se transformou num episódio para nunca mais esquecer. Parabéns. Niderce Enviado por Niderce Teresa - niderceteresa@bol.com.br
Publicado em 17/02/2010 Lygia, os animais também sentiram suas retiradas. Afinal, eles, os artistas, não tinham a quem mostrar suas habilidades. E ganhar uns bocados de gulouzeimas. Afinal, eles também são...bichos. Bela crônica, Martins, parabéns.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »