Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Quebra-cabeças Autor(a): Luiz Simões Saidenberg - Conheça esse autor
História publicada em 18/02/2010

Na colcha de retalhos que é São Paulo, de vez em quando examinamos algumas peças do passado com mais precisão. Tornaram-se inesquecíveis, no seu exotismo, no seu inesperado. Então ficamos revirando-as na memória, tentando apreender-lhe bem suas formas, ás vezes estranhas e cheias de arestas, outras vezes suaves, e pensando qual sua colocação precisa no total de nossa vida. Sem preocupações de sequência, pois poderiam ser atemporais, coloco na mesa algumas delas.

Rua Tutoia, idos de 1973. Na frente do soturno muro do quartel, uma lanchonete. A rua tranquila, mas ouve-se um ruído arrastado. É um carroceiro, crioulo, puxando sua carriola. Na traseira, sua mulata deitada, pobremente trajada, como ele. Mas, nas mãos carregava um buquê de balões coloridos, flutuando como um estandarte, uma parada pobre desfilando ao lado do quartel cinzento, voando desafiante, colorindo a rua triste, ainda num ano de ditadura.

Rua da Consolação, 1992. Do lado esquerdo da calçada, de quem sobe para a Paulista, um Papai Noel galga a rua. Seu vulto esguio e escuro, vestido em vermelho, caminha sofregamente na ladeira. Como se quisesse alcançar um Natal, ainda muito distante, pois estávamos no início do ano. Faltava muito ainda para a Paulista, quem sabe ele chegaria lá no fim de ano, no dia e hora aprazados para sua aparição?

Rua Antonio de Godoy, anos 60. Ali pontificam à Casa Italiana, com suas pizzas e focaccias, feitas na hora, assadas à vista do cliente. Atrás do balcão, uma bela moreninha de óculos. Perto dela, também atendendo, sua vigilante mãe. Morena e de óculos também. O rapaz, tímido e franzino, frequentador do local, aproxima-se mais uma vez do balcão. Então ela estende-lhe uma linda rosa vermelha, de um vaso colocado atrás. Ele ensaia um diálogo, mas a mãe ali não dá folga.

Na próxima vez que volta lá, a mocinha havia desaparecido, para todos os cinquenta anos seguintes. Prédio Martinelli, 1959. Sala 1922. Nosso herói outra vez ás voltas com as mulheres. Leni, uma vendedora de café bonitinha, que gosta de conversar com ele. De repente, ela avança e preme contra sua boca os seus polpudos lábios. Era o primeiro beijo não pago dele, dado com ardor e afeição.

E assim poderíamos continuar, puxando essas peças dos recônditos da memória, talvez para o resto da vida. Peças de um quebra cabeças desengonçado e incompleto, muitas vezes não encontram encaixe. Ficam soltas, esperando sequência, e esta não acontece. Só poderão ser compreendidas num panorama mais completo de nossa existência, também desengonçada, onde ainda lutamos para achar sentido. Mas sempre peças ficarão faltando.


E-mail do autor: saidenberg@ajato.com.br

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 02/03/2010 Brilhante a forma em que o Sr. Colocou suas lembranças.
Muito gostosa a leitura.
Enviado por Luiz Boz - luiz.boz@hotmail.com
Publicado em 25/02/2010 Muito obrigado, mas como disse Orson Welles, That´s all true.
E beijo, roubado ou não, sempre sem culpa, bem pelo contrário. Culpa é de não ter dado,ou recebido. Abraços.
Enviado por Luiz Simões - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 24/02/2010 Sr.Saidenberg, emoções do herói fluiram fáceis em sonhos etéreos e coloridos. Real ou imaginário os registros mentais vão amalgamar cores, sons e sabores na cidade muitifacetada. Vôo pretérito renovando sentidos e emoções. Beijo roubado com desprendimento ou culpa? Histórias descontínuas. Somos todos nós. Forte abraço. Bernardi Enviado por Ernesto Bernardi - ernestob1144@gmail.com
Publicado em 23/02/2010 Vc encontrou o "encaixe" perfeito das palavras em seu texto. Parabens!! Enviado por Etel - ebussbuss@gmail.com
Publicado em 23/02/2010 Que bom, Luiz, ficar relembrando e buscando os pedaços da história vivida. Um abraço, Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 22/02/2010 Muito obrigado, caros amigos. Vocês são muito gentís, e a honra de escrever para este site tb fará sempre parte das meus retalhos memoráveis.
Abraços.
Enviado por Luiz Simões - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 21/02/2010 excelente texto, muito original Enviado por lygia - lymms7@hotmail.com
Publicado em 19/02/2010 A cidade como um mosaico em forma de poesia, vista pelos 'olhos de ver mundo' do Luiz Simões Saidenberg.
Abraço, Suely
Enviado por suely aparecida schraner - cgestorveleiros@gmail.com
Publicado em 19/02/2010 Luiz, nesse quebra-cabeças que é a vida, você conseguiu com seu texto dar um certo sentido às peças que não se encaixam facilmente no jogo. Um abraço e parabéns, mais uma vez, pelo talento em expressar ideias. Enviado por Márcia Sargueiro Calixto - marciascalixto@hotmail.com
Publicado em 19/02/2010 Podem ser peças de quebra cabeça ou pedaços de uma colcha de retalhos. Pedaços de vida. Enviado por ivette gomes moreirai - ivetteg.moreira@gmail.com