Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Loteria esportiva Autor(a): Mario Lopomo - Conheça esse autor
História publicada em 06/11/2010
No ano de 1969, o Presidente da República - Artur Costa e Silva - assinou o decreto que instituía a loteria esportiva, e ele, que sempre foi vidrado em jogo, ao entregar a caneta para o chefe do cerimonial disse: ¬_ “Agora o povo terá uma grande chance de ficar rico.”
Para entrar em funcionamento, a loteria esportiva demorou um pouco, teve que ser regulamentada e seria administrada pela Caixa Econômica Federal, que tinha que arregimentar lotéricos credenciados para receber as apostas. E por perto da copa do mundo de 1970, creio que mês de maio, ela começou a fazer os primeiros testes.

A princípio, pouca gente estava a par do seu funcionamento. Pegava-se um volante com nomes de clubes e fazia-se um “X” à frente dos nomes dos clubes; em caso de empate, o “X” era feito no meio. O que foi denominado de coluna 1, coluna do meio e coluna 2.
Tinha gente que ficava irritada quando via os funcionários de casas lotéricas colocarem uma ficha retangular dentro de uma caixinha de madeira, e com um punção fazer furinhos naquela cartolina; um pouco demorado. Muita gente achava que aquele negócio não ia dar certo.

Um colega de trabalho me perguntou como funcionava esse negócio de loteria esportiva. Disse-lhe que era apenas preencher o volante à frente dos times que iam ganhar e na coluna do meio em caso de empate. “Não precisa colocar o resultado do jogo?”, perguntou ele. Ao saber que não ele disse: “Então é baba.”

No bolão do campeonato paulista eu acerto o resultado de sete dos dez jogos. A coisa começou a pegar mesmo quando uma senhora do Bixiga acertou os 13 pontos num dos primeiros testes, o que lhe rendeu um milhão de cruzeiros novos, que correspondia a um bilhão de cruzeiros antigos que, apesar de já estarmos a três anos da mudança da moeda, cortando os três últimos zeros ainda tinha muita gente que fazia tal comparação.

O jornal da tarde fez uma entrevista com ela, que estava radiante contando que aquela fortuna ela devia ao Pelé, porque nos últimos instantes marcou o gol que ela precisava para fazer o décimo terceiro ponto. Só sei que não demorou muito para a loteria esportiva virar uma febre nacional.

O jogo começava a ser feito na segunda-feira e terminava na quinta às 22h. Nesse dia as filas eram enormes. Na sexta-feira aquelas cartolinas, todas perfuradas, iam para o computador, para que no sábado ficássemos sabendo do rateio oficial do teste. O valor do prêmio normalmente girava em torno dos dez milhões de cruzeiros. Era uma loucura, tudo mudou na vida do brasileiro. As pessoas viajavam no virtual. Se eu ganhar mando o meu patrão à “P Q P”, dizia a maioria. Outros diziam que a primeira coisa que iam fazer era trocar de mulher. De preferência, trocar a dele de 50, por duas de 25.

Muitos engraçadinhos diziam às moças das lotéricas que dariam a elas de 10 a 20% do prêmio. A rádio esportiva, então, teve que alterar sua maneira de trabalhar. Era uma rotina de décadas a ser totalmente modificada. Agora tínhamos, além do placar geral dos campeonatos, a planilha só da loteria esportiva. Além dos jogos normais, havia os da loteria, que eram a preferência para serem divulgados.

Nos do “QG dos Esportes” da Radio Bandeirantes, tínhamos trabalho redobrado. As comunicações eram precárias. Tínhamos que fazer muitos jogos pelo telefone e ainda não havia o recurso do DDD (Discagem Direta a Distância). A coisa ainda funcionava na base do interurbano, 101, pela telefonista de Telesp. Ligávamos para ela, que pedia o número a ser discado e fazia a ligação.

Para os jogos do Nordeste não havia problema, tínhamos um especialista em ondas curtas de 25 e 49m, que era o seu Pedro dos Santos, magnífico rádio-escuta a longa distância, Dava os resultados ao pé da letra, quase ao mesmo tempo da Rádio Tupi, a emissora que investiu muito na loteria esportiva, conseguindo canal direto da telefônica e um aumento de audiência. O problema maior era quanto o "teste" tinha jogo do Mato Grosso. Ali estava a dificuldade, demorava muito para se conseguir falar com a emissora de lá.

O problema foi resolvido quando a Tupi pegou linha direta de lá, aí a gente pegava os gols pela sintonia “AM” do Alto do Sumaré. Enquanto não deu zebra, tudo foi alegria. Estávamos, já havia quase um ano, de loteria esportiva que era uma dificuldade em fazer os treze pontos devido a algumas zebras. Eis que um dia o bolão do pessoal da rádio não só do pessoal do esporte, mas de outros funcionários, acertou os treze pontos do cartão. Zanforlim, avisa ao Fiori pela linha interna, eu disse a ele.

Não imaginávamos que o Fiori fosse falar ao microfone. E logo que ficou sabendo gritou:
_“Ganhamos na loteria esportiva, torcida brasileira. Loteria esportiva também é com a Bandeirantes, até nos 13 pontos!”.

Fiquei sabendo por intermédio do Milton Peruzzi, que estava em Campinas, na transmissão de um jogo, que o Enio Rodrigues, que também estava lá, quase jogou o microfone cabine abaixo e já falava em chegar no Murilo e pedir a conta na segunda feira. O rateio de cada cartão saia na segunda-feira ao final da tarde. Foi um tal de neguinho passar o dia esfregando as mãos...

Leporace estava no meio dos felizardos do Bolão mas, macaco velho, preferiu esperar o rateio de cada cartão, que sempre eram poucos. Mas naquele teste teve milhares de acertadores, coube a cada cartão 1.110,00 (um mil e cento e dez cruzeiros). Dez por cento do prêmio da italiana do Bixiga.

Leporace tirou o maior sarro na terça-feira; aqueles mil e cem cruzeiros iam ser repartidos por não sei quantas pessoas, acho que dava para comer um “PF”.
As histórias iam aparecendo com os milionários da loteria esportiva, quem mais ficava bravo eram aquelas pessoas que entendiam de futebol, que faziam, quando muito, seis ou sete pontos. Quem mais acertava eram as mulheres. Como podem “umas burras” que nem sabem o que é futebol acertarem tanto, perguntavam-se os catedráticos em futebol.
O primeiro milionário da loteria esportiva foi um carioca que acertou sozinho e ganhou onze milhões de cruzeiros. Foi num jogo que a zebra apareceu logo no sábado à tarde. A zebra foi o Juventus que ganhou do Corinthians por 1 x 0 gol de Ataliba.

O nome do sortudo era Eduardo de “tal” e mal recebeu o prêmio, dividiu com uma moça; era sua namorada, que se casou com ele em comunhão de bens, na semana seguinte do recebimento. Ficou sendo chamado de Dudu da loteca. E todo mundo tinha esperança de um dia ser um Dudu da loteca. Por incrível que pareça, não sei quanto tempo passado e os jornais diziam que Dudu da Loteca já não era mais rico. Havia investido numa rede de hotéis, fez falcatruas, não pagando seus credores, e acabou perdendo tudo e olhe lá se não foi preso.

Outro milionário foi João Boiadeiro, de um lugarejo do estado de Goiás, que ganhou sozinho num teste; seu prêmio foi de mais de cinco milhões de cruzeiros que, por mais que a caixa escondesse o nome do ganhador, naquele tempo tinha que colocar nome e endereço e as pessoas ficavam sabendo, pois no domingo os ganhadores diziam ter feito os 13 pontos, sem imaginar que o prêmio poderia ser alto. Então a imprensa também ficava sabendo e ia ao local fazer a reportagem com o ganhador. João Boiadeiro caiu nas graças do Brasil, por ser um homem muito simples, que não tinha quatro ou cindo dentes da frente, e disse com toda simplicidade que agora ele podia colocar uma prótese.

Não saiu do seu torrão. Uma cidadezinha lá no meio do mato comprou oito televisores e colocou em vários pontos da cidade para o povo assistir. Os próprios moradores faziam a segurança pessoal dele.
História hilária, contada pelo jornal, foi a de um apostador de São Paulo que fez o jogo e disse a um amigo: se eu ganhar, reparto o prêmio com você. Ganhou, e cumpriu a promessa. Seu prêmio foi de 300.000,00.

Levou o amigo na Caixa Econômica Federal, no Brás, onde se faziam os pagamentos das loterias, federal e esportiva; mandou colocar 150 mil em sua conta e na do amigo. Esse ganhador não quis saber de poupança, investiu seu dinheiro comprando duas farmácias; uma na Praça da Bandeira, encostada ao Hotel São Paulo, e outra na Rua Frederico Steidel, perto do Largo do Arouche. O que deu na cabeça dele não se sabe, mesmo porque farmacêutico ele nunca foi e, trabalhar em farmácia muito menos.

Conclusão: perdeu o que ganhou. Seu amigo que viu cair em seu colo cento e cinqüenta mil cruzeiros estava recebendo dividendos da poupança.
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 17/06/2010 Caro Amigo Pablo, é verdade sim a história sobre o Dudu da Loteca. Faltou a ele a experiencia de lidar com muita grana. Levado por maus conselheiros e por sua vontade de aparecer, comprou um hotel em Campos do Jordão e acabou dando com os burros n'agua.Em Campos do Jordão todos lembram desta história. Abraços, Heitor Enviado por Heitor Felippe - heifeltec70@globo.com
Publicado em 15/06/2010 O chamado Dudu da Loteca fez sozinho os treze pontos da loteria esportiva que naquele teste tirou todo mundo do páreo,jogo Juventus 1 x Corinthians 0, gol de Brecha cobrando falta. Esse gol de Brecha entrou para a história, graças a ele um só apostador venceu o aquele concurso da loteria esportiva, tirou todo mundo do páreo ainda num sábado a tarde. Uns dizem que o único vencedor daquele teste perdeu tudo depois e outros falam ao contrário. Onde está a verdade? Enviado por Pablo Sevila - pablosevila@yahoo.com.br
Publicado em 14/06/2010 Mario, você como sempre com suas estorias mirabolantes. Certa vez ganhei um carro na rifa e quando fui buscar era de plásico, mandei comerem com milho e tomate. Era a quermese aqui da rua do Gasômetro em 1957. Voçê deve lembrar da Aquiropita. Um abraço meu fraterno e amado amigo. Enviado por Rubens Ramon Romero - rrubensrr@bol.com.br
Publicado em 14/06/2010 Berardi; Eu tambem me lembro da Zebrinha, mas era no tele Jornal Hoje, com aquela linda moça que se chamava Ligia (esposa do ator Marcos Paulo) que pouco tempo depois faleceu vitima de Cancer. A zebrinha chamava ela de Liginha. Rubão a Rua do Gazometro fez parte da minha adolescencia, por três anos, 54,55,56. Era la que eu trocava as figurinhas carinbadas das balas futebol. Ganhei uma bola oficial. Era do Bruno Jordão sacomani a loja. Um abraço. Enviado por Mário Lopomo - mlopomo@uol.com.br
Publicado em 13/06/2010 Lopomo. Eu também fiz os treze pontos naquele concurso e quando vi todo mundo na TV falando que também tinha feito, comecei a desconfiar que eu iria continuar pobre. Enviado por Tony Silva - silva.luiz2006@ig.com.br
Publicado em 13/06/2010 Pois é Lopomo, eu ainda jogo na Loteca, e desde 1970 creio que ganhei cinco ou seis vezes, duas das quais não fui nem receber de tão pequeno o valor. Bem, até este momento creio que tenha acertado todos os jogos do mundial, se eu ganhar pago uma rodada de redondas para os amigos do SPMC. Um abraço, Rossi. Enviado por antonio rossi dos santos - rossi@valoneadv.com.br
Publicado em 13/06/2010 brilhante! voltei aos anos 70,quando esperávamos através da voz marcante do Léo Batista, juntamente com a doce zebrinha, a divulgação dos resultados.Lembro que ganhei uma vez com milhares
de acertadores, que só deu para que jogasse na
semana seguinte.
Enviado por luiz boz - luiz.boz@hotmail.com
Publicado em 12/06/2010 Mário, até hoje eu sigo jogando na loteria esportiva, só acertei l vez, quando ganharam milhares de pessoas e a mim coube a incrivel quantia de Cr$ 16,00 (seria isso?) mal deu para cobrir o que empatei, mas ainda hei de acertar, abraços, Leonello Tesser (Nelinho). Enviado por Leonello Tesser (Nelinho) - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 12/06/2010 Mário, você é o precurssor do computador. Sabe tudo sobre esse assunto. Parabéns! Aproveitei para tomar conhecimento de como era feito pois o meu falecido marido dizia que, acertando os 13 pontos, iria atravessar o escritório subindo de mesa em mesa com uma tesoura até chegar na do chefe, cortar sua gravata e perguntar:- sabe quem fez os treze pontos? Enviado por trini pantiga - trinesp@ig.com.br
Publicado em 10/06/2010 Amigo Lopomo, li a historia gostei, mas confesso que até hoje jamais joguei na loteca, alias até hoje somente uma vez eu joguei, foi quando eu joguei no lixo um bilhete de loteria que eu havia comprado e que não deu nada. Até hoje não consigo acreditar em jogos onde para um ganhar, muitos terão de perder. Com todo o respeito aos que acreditam, acho que botar fé nisso é uma grande perda de tempo e de dinheiro. Enviado por Arthur Miranda - 27.miranda@gmail.com