Leia as Histórias

Categoria - Personagens Esperando a Copa Autor(a): Luizinho Trocate - Conheça esse autor
História publicada em 17/06/2010
Na Praça Cianorte (ou Cosmorama?) tinha um restaurante, que talvez esteja lá até hoje, não sei, chamado Restaurante do Pirilo. Quando me mudei para Vila Maria, em 1976, um colega de trabalho me disse que aquele restaurante era do Silvio Pirilo, antigo jogador de futebol que em 1974 era treinador de futebol e, salvo engano, treinava o time "deles".

Penso que não era, mas essa possibilidade sempre me inibiu e eu nunca entrei lá, pois se ficasse comprovado que não era, penso que eu ficaria muito decepcionado. Não por ser fã ardoroso do velho Pirilo, ou coisa que o valha, mas porque deixaria de acreditar nesse meu colega que, até onde eu sabia, era o que antigamente se chamava "de palavra".

Passados uns tempos, este mesmo colega me chamou para ir com ele à lotérica ‘Biancalana’, na Guilherme Cotching e eu, que nunca joguei na loteria, fui. Ao entrar, nos deparamos na porta com um cara que saía, "é o César Maluco", disse ele. Eu olhei e vi que realmente parecia, mas será? Acho que "pensei": este "será" em voz alta e uma garota, que atendia na Lotérica, disse: - "É ele sim, o César, que vem sempre aqui".

Na hora rememorei o caso do Pirilo. Olhei para o baixinho, meu amigo, que era muito baixinho, mas jogava uma bola redonda, seja nos campeonatos ‘varzeanos’ disputados no campo da ‘Frum’, no desafio ao galo, ou nos longínquos campos que hoje estão às margens da Airton Senna. Então pensei, este carinha sabe o que diz, vai ver o Restaurante do Pirilo é do Pirilo mesmo. Não era! Não fui lá comprovar, mas fui "bem" informado que não era.

E aí eu soube que as pessoas são o que são e que considerá-las perfeitas demais é uma coisa meio perigosa. Continuamos amigos por muito tempo. A cada novidade que ele me contava, quase sempre ligada a futebol, que neste assunto ele era cobra, eu ouvia com prazer, mas com um pé atrás. De vez em quando checava, rebatia com cuidado para não magoá-lo, mas não dava grande importância. Mais ou menos como a essas coisas que certos "especialistas" em futebol falam hoje, do tipo "eu não torço pra ninguém" ou "eu sou torcedor da Ponte Preta", "do Pirassununga", "do MAC".

Tudo bobagem de quem pensa que o torcedor é bobo. Se o cara gosta tanto de futebol, que até se tornou jornalista esportivo profissional, como é que ele tem a cara de pau de dizer que não torce pra nenhum time grande? Mas como isso, essa preferência ou não desses profissionais, não tem a menor importância, não vai alterar absolutamente nada, vamos em frente, que futebol é muito bom e a copa vem aí!
E-mail: luizinhotrocate@hotmail.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/06/2010 E é isso aí... temos que confiar (como São Tomé) desconfiando! Enviado por Lia Beatriz Ferrero Salles Silva - lia.ferrero@hotmail.com
Publicado em 18/06/2010 Luizinho, parabéns pelo texto, realmente alguns cronistas escondem suas paixões clubísticas mas no fundo todos eles tem suas preferências, abraços, Leonello Tesser (Nelinho). Enviado por Leonello Tesser (Nelinho) - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 18/06/2010 Luizinho Trocate, esse bar que você se referiu, realmente, não era do Pirilo ex-jogador e ex-técnico, era de um outro Pirilo, boa pessoa, foi Juiz de Paz. Lembro do bar dele quando era na Av. Guilherme Cotching, depois mudou para a Praça acho que Cosmorama. Era um excelente bar, fazia umas pizzas deliciosas, comidas também, cozinha la era ótima. Muitos jogadores de futebol também lá iam, tinha muitas fotos nas paredes do bar, jogadores de futebol, autoridades, artistas, era excelente lá. Enviado por Pedro Luiz Boscato - plboscato@uol.com.br
« Anterior 1 Próxima »