Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Quincas ponta esquerda Autor(a): Mario Lopomo - Conheça esse autor
História publicada em 22/07/2010

Nos anos de 1950, o Fluminense do Rio de Janeiro tinha um ponta-esquerda de nome Quincas. Acho que devia ser seu sobrenome. Ele formava, na extrema esquerda, onde na outra ponta, à direita, tinha Telê.

Um dia o Fluminense veio jogar no Pacaembu, contra o Corinthians e Micuim, corinthiano roxo, foi assistir junto a seu pai. A molecada que gostava de jogar bola sempre imitava um ídolo seu, e adotava o nome do jogador para ser seu nome futebolístico. Como Micuim gostava de jogar na ponta, tanto direita como na esquerda, pois tinha facilidade de chutar bem tanto de direita como de esquerda. Com o direito batia na bola, a maciota de três dedos para fazer uma ‘curvita’, e com a esquerda chutava forte, em linha reta, que mais parecia uma bomba.

Depois de voltar do jogo, todos imaginavam que ele ia adotar o nome do ponta-direita Cláudio Cristóvão Pinho, o grande ídolo corinthiano. Eis que de repente ele aparece no campo do Corinthians, do Brooklin, com o nome de Quincas, ponta-esquerda do Fluminense. Micuim era um driblador por excelência e todos ficavam indignados por ter o Corinthians um ponta-esquerda driblador chamado Mário e ele dar preferência a um ponta sem expressão, e mais, do Rio de Janeiro.

Com o passar do tempo é que nós percebemos que ele não passava de um gozador. Num jogo contra cabeças de bagres, ele pegou a bola e um baiano cismou de querer, por toda lei, tirar dele. Micuim o driblou de todas as formas, ‘Gingou pra cá’, ‘pra lá’, deu marcha à ré. Deu uma caneta. Um chapéu matou no peito, quando a bola rolou e ele a pegou com as mãos e deu para o teimoso. Toma, leva para casa. Pronto, foi uma tremenda gargalhada. Até os adversários riram. A vítima da gozação olhou com cara de espanto e, pelo movimento da boca, cujo som não saiu, a gente imaginou o que ele estava dizendo em sigilo. Na certa a mãe do Micuim, segundo seu pensamento, estava na zona.

Um dia fomos jogar na Vila Maria, era 1960, o campo era numa baixada e dois lados do campo eram morros, onde ficavam os torcedores. Num dos barrancos estava escrito ‘JÂNIO VEM AI’.

Vila Maria era um bairro de bravos, o mais temido da cidade de São Paulo. Bronca ali tinha que ficar entre eles, pois qualquer idiota que fosse meter a cara, saia torto de lá.

O jogo começou e eu dando botinada no meia-esquerda que estava me driblando. Só me manquei quando vi que o juiz tinha um revólver na cinta. Micuim ainda não tinha feito das suas e eu fui preveni-lo. Micuim, o juiz está com um revólver na cinta, eu vi, o cano é cromado. Foi o mesmo que não dizer nada. Micuim não estava conseguindo dar seus dribles, coisa que todos gostavam de ver, inclusive os adversários, até mesmo no campo deles.

De repente, o seu marcador deu uma bofetada na cara dele; confusão no meio do campo. O que ‘foi pomba’, disse eu ao agressor. Ele disse que eu sou um corno. Ânimos mais calmos, o juiz não fez uso do "cromado" e o jogo continuou numa boa.

Aí o jogo do Micuim começou a aparecer. O primeiro drible desconcertante se deu na linha lateral, perto da linha de fundo. Micuim vinha correndo com a bola quase presa nos pés e sentiu que um "cabeça de bagre" vinha a toda por trás. Ele deu um parado e o cara bateu com a cabeça no cabo da enxada que estava de pé na beira do campo. Ela tinha sido usada antes para fazer as linhas do campo. Mais uma confusão no gramado sem grama, no meio do campo e perto do gol. Mais respeito, disse o afobado jogador que saiu fora da linha do campo. Meu, isso é futebol de arte, disse Micuim.

O drible é normal no futebol. Até os adversários lhe deram razão, e Micuim foi aconselhado pelos diretores do Corinthians a maneirar, para evitar o pior. No campo do Vila Prell, Bairro de Santo Amaro, o riso foi total. Companheiros, adversários, o jogador e até mesmo Micuim, que era de pouco rir, caiu na gargalhada. Micuim, depois de driblar dois adversários, foi com a bola em velocidade à beira da linha lateral, com um terceiro atrás dele. De repente a bola desapareceu. Não foi o Micuim que deu uma de mágico, a bola caiu num buraco do campo e ficou dentro. Ele, que vinha na corrida com o adversário atrás, passou reto, e ambos ficaram procurando a bola. Parece que as coisas aconteciam de propósito quando ele estava com a bola nos pés.

Quando o Marechal Floriano foi jogar contra o Estrela do Ipiranga, no campo dele, Micuim foi lá para assistir. O Marechal venceu por 3 a 2, mesmo com 10 jogadores, pois o goleiro Bolívar tinha quebrado a clavícula com um chute maldoso do centro avante. E quando o jogo terminou, todos os jogadores do Marechal Floriano apanharam que nem cachorros. Muitos vieram a pé, pois o caminhão foi destruído a pedradas, e os pneus furados. Micuim viu que esse negócio de jogar bola como ele gostava, ia acabar em tragédia. Então parou com a brincadeira, e em pouco tempo perdeu a vontade de jogar.

Era uma vez um jogador de nome Marcos, conhecido no bairro como Micuim, mas que gostava de ser chamado de Quincas, nome que adotou do ponta-esquerda que jogava no Fluminense.

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 12/03/2013 Com certeza nao era desse Quincas que eu falava, Nao sei em que times jogou, mais sei que jogou na seleçao Brasileira com Pele e Zagalo. O Quincas que estou falando morreu pobre, doente e muito deprimido, era morador de Anchieta no Rio de Janeiro. Ele e avo de 2 meninas que vivem na minha casa.
atenciosamente Consuelo Chaves
Enviado por consuelo chaves - m-c.carvalho2008@ig.com.br
Publicado em 24/12/2012 Quincas era meu avô! Muito bom poder relembrar e conhecer um pouco sobre ele. Grande abraço! Enviado por Cecillia - cecilliacampos@gmail.com
Publicado em 16/10/2012 "aos 10 anos de idade visitando parentes no bairro de Anchieta,conheci Quincas era um jovenzinho bonito,conversava com ele sempre.Foi então que comecei a amar o Fluminense,até hoje.Se alguém souber notícias dele por favor entre em contato.Obrigada.Suely. Enviado por suely marques pereira - suelyrossy@yahoo.com.br
Publicado em 03/08/2010 Sr. Lopomo, sua narrativa me devolveu ao meu tempo de infância, quando ia com meu irmão assistir às famosas ‘peladas’ no ‘campinho’ do meu bairro. Foram manhãs de sábados e domingos que guardo com saudade em minha memória. Um abraço, Carmen Enviado por Carmen Francisca León Duarte - carmen.duarte@uol.com.br
Publicado em 01/08/2010 Mário, você, contado sobre futebol, me faz lembrar o meu pai. Obrigada e bela história. Abraços. Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 28/07/2010 NO BAIRRO DA CONSOLAÇÂO, TAMBEM TIVEMOS UM GRANDE
CRACK DA VARZEA, O SAVERIO ERA FILHO DE UM MEDICO
DE CLASSE MEDIA ALTA, ELE FOI TREINAR NO PALMEIRAS
EM 1952 DRIBLOU TODO TIME DO PALMEIRAS E SENTOU EM CIMA DA BOLA, E RIA DOS JOGADORES. E LOGICO
MANDARAM ELE EMBORA. MORREU DE BEBIDAS E DROGAS.
Enviado por joao claudio capasso - jccapasso@hotmail.com
Publicado em 27/07/2010 Mario, que grande conhecedor futebolístico você é! Parabéns pelo texto e pela historia sobre o Quincas.Um abraço. Enviado por margarida p peramezza - peramezza@ajato.com.br
Publicado em 26/07/2010 Parabéns Lopomo, sua melhor historia futebolística no meu modesto ver. Enviado por Clesio de Luca - clesiodeluca@yahoo.com.br
Publicado em 25/07/2010 Mario, pela sua excepcional memória, temos aí, um retrato de vários episódios do futebol de varzea. Muito bem concatenado, as recordações são um brinde de lembranças pra quem praticou e gostou, sempre do futebol varzeano. Meus parabéns, Tomate.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 25/07/2010 Mario, pela sua excepcional memória, temos aí, um retrato de vários episódios do futebol de varzea. Muito bem concatenado, as recordações são um brinde de lembranças pra quem praticou e gostou, sempre do futebol varzeano. Meus parabéns, Tomate.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »