Leia as Histórias

Categoria - São Paulo da cultura, gastronomia, lazer e oportunidades Simioto: doença de macaco? Autor(a): J. C. Oliveira - Conheça esse autor
História publicada em 17/09/2010

Nos tempos de criança...

Tínhamos na Rua Albino de Moraes (Vila Carioca - Ipiranga - SP) um terreno medindo 500 m², que aos poucos fomos construindo casas de alvenaria e casas de madeira. Com o passar dos anos, todas foram habitadas.

Boa parte dos moradores que nos pagavam aluguel era de origem mineira. Sendo criança, às vezes ficava escutando as conversas das mulheres, e recordo que elas muito falavam sobre doença de macaco. Achava meio esquisita essa conversa: criança com doença de macaco?

Dia 30 de outubro de 2009, resolvi pesquisar na web e entre outras tantas informações sobre o assunto digitei a palavra "simioto" e achei a informação a seguir.

Mal de simioto (de simio = macaco) é o nome popular, em algumas regiões do Brasil (MT, MS, GO), da desnutrição causada em crianças pequenas por alergia ao leite de vaca ou a incapacidade de digerir o mesmo. A doença aparece normalmente quando o aleitamento materno é substituído por leite de vaca em pó. Muitas vezes o intestino de um bebê não produz as enzimas necessárias a digerir a lactose de origem animal. Normalmente desaparece com a volta ao aleitamento materno ou por ama-de-leite ou substituição por outro tipo de alimento a critério médico.

A desnutrição é uma doença causada por dieta inapropriada, hipocalórica e hipoprotéica; também pode ser causada por má-absorção ou anorexia. Tem influência de fator social, psiquiátrico ou simplesmente patológico.

Quando meus pais vieram de Minas Gerais para São Paulo - mais precisamente para a Capital - não havia muitas ofertas de trabalho. O chefe da família tivera que interromper a Escola de Odontologia no terceiro ano, porque o curso se tornara impraticável: o estabelecimento onde estudava foi fechado pelo Governo de Getúlio Vargas e nosso pai, transferido para outra escola, distante de Pouso Alegre - cidade onde morávamos. Imagine: casado e com quatro filhos pequenos... - O remédio foi abandonar a Escola.

Em São Paulo, ele - ainda sem saber o que faria de definitivo - estava às voltas com o seu sobrenome: Ferreira ou da Fonseca.

Essa indecisão custou-lhe a perda de um excelente emprego como funcionário da Prefeitura, visto que a divergência de sobrenome o estava impedindo de receber os vencimentos.

Morávamos no Bairro das Perdizes. As nossas ruas foram a Turiassu, a Cotoxó e a Teixeira Mendes.

Eu, que sou o mais velho, teria naquela ocasião uns cinco anos de idade e, abaixo de mim, vinham mais três...

Lembro-me como se fosse hoje que, na Rua Turiassu, à tarde, depois do banho, ficávamos sentados ao portão vendo o movimento na rua. Ali mesmo, bem perto, tínhamos uma vez por semana uma feira, onde um alto-falante gritava alguns anúncios e tocava músicas (em minha mente está gravada a voz da Carmem Miranda cantando a "Boneca de Piche").

Viver em São Paulo com saúde é bom, mas quando vem alguma enfermidade - especialmente quando se ganha pouco - a coisa pode se complicar.

Um de meus irmãos - o quarto em idade decrescente, ainda um bebê - ficou mal. Foi emagrecendo e já não havia meios de que se alimentasse regularmente. Tinha febre e já nem se mexia mais. Meu pai, vendo o seu estado, chegou a tirar uma foto em que ele parecia ter somente pele e ossos.

O que seria? Permanecia no quarto, com a janela fechada para não apanhar golpe de ar... O que comia era expelido e tinha diarréia.
Imagine o desespero de uma mãe diante de um quadro como este: tudo o mais da casa era relegado a segundo plano, os outros filhos ficavam como semi-abandonados. E o pai, que tinha que sair para o trabalho? Como ficava ele à distância, sabendo do problema em casa? Meus pais saíram à busca de um médico pediatra que pudesse, com mãos salvadoras, livrar o nosso irmãozinho daquele mal.

Aí apareceu o anjo. Realmente era o anjo salvador - Dr. Margarido, um profissional que foi chamado pela família, talvez por recomendação de algum amigo. Chegou com algumas idéias que pareciam revolucionárias:

- Abram essa janela para entrar ar. Tragam um café bem forte - e foi dando às colheradas para meu irmão. - O filho de vocês está com simioto (doença de macaco) e, para vencer a fraqueza, já que a mãe não pode amamentar por não ter leite, o ideal será arranjar uma mulher que possa amamentá-lo.

Meus pais estranharam aquela idéia, mas o ouviam com atenção. E ele continuou:

- Muitas crianças têm alergia ao leite de vaca ou não o conseguem digerir. A doença aparece normalmente quando o aleitamento materno é substituído por leite de vaca em pó. Muitas vezes o intestino de um bebê não produz as enzimas necessárias para digerir a lactose de origem animal. Normalmente desaparece com a volta ao aleitamento materno ou por ama-de-leite ou substituição por outro tipo de alimento a critério médico.

A explicação era necessária para conscientizar meus pais, que logo foram atrás de uma mulher que o amamentasse. Assim, todos os dias, aquela mulher simpática vinha. Para simplificar o trabalho, compraram uma seringa - uma espécie de bomba - para retirar um pouco de leite, que era guardado para mais tarde. E imaginar que naquele tempo nem tínhamos geladeira...

Não deu outra: depois de alguns dias meu irmão começou a readquirir a cor e a cobrir seus ossos com uma camada mais espessa de músculos, carne e pele. E sarou.

E a foto? Bem, a foto, nunca mais a vi. Salve, Dr. Margarido - alguém que nunca mais pude esquecer.

E-mail: tangerynus@gmail.com

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 14/07/2011 MAL DE SIMIOTO

É reconhecido a onze anos e lançaram um livro com banhos de plantas cheirosa e um mingau ralo com trigo e mel.
A onze anos atrás eu conheci esta doênça mal de simioto atravéz de banhos com plantas cheirosas e mel, trigo e ovos, fermentos,oleo de oliva. Coicidência justamente na mesma época, eu reivindicava quem fez estudo ou pesquisa que me ajude a levar ao conhecimento da saúde pública.
Ajude a salvar vidas, divulga esta doênças.Obrigado.DEUS abençoe.
Enviado por jose carlos limeira - josecarlostga25@hotmail.com
Publicado em 18/06/2011 Este medico Dr. Margarido ainda clinica, favor responda... Enviado por ADILSON - adilson@rminfraestrutura.com.br
Publicado em 01/05/2011 O MAL DE SIMIOTO,você cura seu filho com agua e trigo,plantas medicinais, agua e macarrão ou leite materno, fazendo massagem no corpo das crianças e cortar alimentos com trigo,( o glutêm), mãe que alimenta com leite materno cortar(o glutêm).Você curando seu filho com este tratamento da seu depoimento,é muito importante para minha reivindicação,caso você não consegue fazer, procura um benzedor ou curandeiro ou pastoral da saúde. Eu tenho fé e acredito no meu sr.JESUS CRISTO e o pai(DEUS). Enviado por jose carlos limeira - josecarlos25@tgahotmail.com
Publicado em 17/04/2011 O MAL DE SIMIOTO, é falta de alimentação adquada,tanto na gravidez ao nascer, leite materno não tendo nutriente suficiente a criança fica desnutrida, ai onde entra o MAL DE SIMIOTO ou DOÊNÇA DE MACACO, é uma desnutrição que nos estamos lidando, a forma de cura e tratamento é atravez de banhos com plantas medicinais, ou agua e trigo,agua e macarrão, sangue de galinha,alho e oleo de oliva. A dez anos faço reivindicação e banhos com plantas medicinais, tive vários depoimento incriveis. DEUS é bom. Enviado por jose carlos limeira - josecarlostga25@hotmail.com
Publicado em 06/12/2010 Eu tbém tive essa doença, que por sinal demorei muito pra saber, pois minha Mãe não queria que eu soubesse. Aliás, até hoje aos 44 anos ainda tenho alergia a leite. Mas os derivados do leite eu como sem problema algum.
Um Grande Abraço a Todos.
Enviado por Maria do Socorro - socorro.helpmaniakits@gmail.com
Publicado em 03/11/2010 Tenho uma filha que precisei parar de amamentar aos 3 meses dai começaram os problemas de saude,ela parou de engordar e de crescer foi diagnosticado alergia a lactose.Mesmo tendo tirado o leite e seus derivados e substituido por soja seu desenvolvimento ainda era muito lento.Aconteceu de me mudar para Uberaba MG dai comecei a ouvir falar dessa doença de mal de simioto so que não achava benzedeira que os tirasse ate que depois de 5 meses por acaso achei uma pessoa que o fizesse.È algo incrivel! Enviado por Ariana - acaldas445@gmail.com
Publicado em 23/09/2010 Oliveira, sempre ouvi sobre essa doença como uma coisa bem estranha, sem explicação e, na maioria das vezes, fatal. Suas informações são esclarecedoras. Veja só: simioto é intolerância à lactose, tão comum hoje em dia! Abraços Enviado por Márcia Sargueiro Calixto - marciascalixto@hotmail.com
Publicado em 23/09/2010 Caro sr. Oliveira. Fiquei impressionado ao ler sua comovente história. Mas não foi só por isso, mas sim que esse santo dr. Margarido foi, na minha infancia, meu médico também. Lembro perfeitamente que meus pais o considferavam um santo e um um pediatra insubstituível. Tive quando muito pequeno, um problema sério de doença e foi ele que salvou mnha vida. Que incrível coincidência! Um forte abraço. Enviado por Alvaro Glerean - alvarogle@terra.com.br
Publicado em 20/09/2010 JC, tenho um amigo, que diz que quando era criança, falavam que ele tinha mal de simioto (Ah! ele é do MT), só agora entendi a piada...ele hoje é gordo pra caramba...obrigado pelos esclarecimentos, Enviado por Ivan Pinheiro - ivan-pinheiro@uol.com.br
Publicado em 17/09/2010 Ama de leite sempre salvando uma criança. Graças a Deus, seus pais encontraram uma.
Desculpe a observação, Oliveira, se vc me permite, achei seu texto um pouco confuso. Ha desencontro com informações. Se vc, garoto, na Vila Carioca não sabia o que era simioto, vai pesquisar em 2009, toma conhecimento, antes pelo médico, dr. Margarido que salvou seu irmão, seu pai largou a faculdade por falta de dinheiro e na Vila Carioca tinha casas alugadas... Desculpe, lí três vezes,não entendi.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com