Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Colégio Stafford Autor(a): Léa Wanda Maurano - Conheça esse autor
História publicada em 30/01/2011

Aos cinco anos me matricularam no Jardim da Infância do Colégio Stafford. Esse colégio ficava na Alameda Cleveland, num casarão que havia sido residência de Santos Dumont. Hoje nesse prédio foi instalado o Museu da Energia. A construção da residência principal ocorreu entre 1890 e 1894, nos Campos Elíseos, que foi o primeiro bairro planejado da cidade, criado no fim do século XIX, com o loteamento realizado pelos alemães Glette e Nothmann, que atraiu parte da elite cafeeira de São Paulo.

Há evidências que remetem a autoria do projeto do edifício ao escritório do arquiteto Francisco de Paula Ramos de Azevedo, responsável pela construção de muitos edifícios importantes na cidade de São Paulo, incluindo o bairro de Campos Elíseos.

Após sua construção, foi residência de Henrique Santos Dumont, depois abrigou o Colégio Stafford.

Não me lembro bem dos uniformes que usávamos, apenas que no inverno tínhamos que acompanhar o uniforme com uma boina de feltro azul marinho, e no verão, com um chapéu lindo de palha marrom claro, que trazia, amarrado, um laço de tafetá azul marinho.

No Stafford, com cinco anos, aprendi a ler, escrever, as tabuadas, além de noções básicas de aritmética.

Da escola eu sempre ia para as minhas aulas de balé, com a professora Chinita Ullman, ou para as aulas de declamação, com Mary Buarque. Nessa época, meninas de boas famílias tinham que ter essas aulas. Ainda me lembro de algumas das poesias que aprendi nessa época; poesias essas que repassei para meus filhos e netos...


E-mail: lwmaurano@uol.com.br E-mail: lwmaurano@uol.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 16/01/2013 Estudei lá tb. Só que no masculino. Na minha época a diretora era uma famosa pianista de nome Eudóxia de Barros. Na esquina com a Silva Pinto ficava a Folha, que mais tarde se mudou para a Barão de Limeira e onde trabalhei como jornalista esportivo por 10 anos. Boas lembranças Enviado por luiz carlos gertel - lugertel@uol.com.br
Publicado em 22/11/2012 Em resposta ao comentário do Pedro Cardoso: de fato Henrique Dumont era o pai de Alberto Santos Dumont, mas quem habitou a casa foi Henrique Santos Dumont, irmão de Alberto; após a morte de Henrique, a casa ficou com a viúva, Amália Ferreira Dumont (em 1923); e em 1926 Amália vendeu a casa para a Blandina Ratto, ou dona Blandina, como alguns a chamavam na época, dona e diretora do colégio Stafford. Em 2001 o prédio foi cedido à FPHESP (Fundação Patrimônio Histórico da Energia de São Paulo), que traçou a história do imóvel. Alguns dados podem ser encontrados aqui:

http://www.piratininga.org/santos_dumont/santos_dumont.htm
Enviado por Eric Drummond de Camargo - ericdrummk@yahoo.com.br
Publicado em 22/11/2012 Fui aluna do Colégio Stafford, em 1950 e1951,jardim e pré.A diretora do colégio era Dona Eudóxia de Barros.Era um colégio muito bom. Enviado por Vera Inês Queiroz Telles Arruda - vera.telles07@terra.com.br
Publicado em 22/07/2012 Faleceu hoje, 16, na cidade de Botucatu, Dona Nenê Plese, locutora por várias décadas da Rádio Clube de São Manuel.

Dona Nenê Plese de Oliveira Neves era uma das mais antigas locutoras do rádio interiorano, mantendo no ar, por mais de 40 anos, na Rádio Clube de São Manuel, o noticioso “Sociais”, que permaneceu sempre fiel ao seu velho slogan: “o programa que tudo informa”.

Seu nome se confunde com o da Rádio Clube, pelo longo tempo dedicado à emissora, desde quando era gerenciada por seu marido, o saudoso dr. Daniel de Oliveira Neves Filho.

Dona Nenê nasceu aqui em São Manuel, sendo filha de Antonio Plese e Dorotéia Plese. Estudou no Jardim da Infância das Irmãs, que ficava em frente ao hospital, depois foi para o Colégio dos Anjos, atual Santa Marcelina, de Botucatu, e terminou os estudos no Colégio Stafford, em São Paulo.

Foi fundadora da Ação Católica de São Manuel, da qual foi presidente por várias vezes. Trabalhou durante 14 anos auxiliando o Abrigo dos Desamparados de nossa cidade, hoje conhecido como “Pousada da Colina”. Também criou a Campanha do Café para o Seminário, nos tempos do padre Bísio, e sempre esteve presente nas campanhas que se faziam em prol da comunidade.

Participava do Grupo de Voluntárias do Hospital da Casa Pia São Vicente de Paulo há vários anos.

ps: não sei se a conhecia, mas Dona Nenê era uma pessoa espetacular, nunca tive magoa dela, por ela ter me negado o direito de realizar um sonho, trabalhar em sua Radio, o que anos depois, não só consegui trabalhar lá, como ainda ser reporter do seu programa e dela pessoalmente ser elogiado por varias vezes... Que Deus à tenha em um lugar grandioso , de acordo com seus atos e merecimentos...
Enviado por Fernando Mello - jovemnews_sp@hotmail.com
Publicado em 13/05/2012 Minha mãe, Terezinha Ribas estudou lá também e tem muita vontade de rever as colegas deste conceituado colégio. Por volta de 1945 ou antes..ela tem atualmente 74 anos. Ela morava na rua ana Cintra e ficou muito feliz em ver esse post. A senhora poderia entrar em contato comigo? obrigada! Enviado por Valéria Ribas de Oliveira - valeria.ribas.assis@terra.com.br
Publicado em 02/04/2012 Tenho em minha posse ja há alguns anos, um "caderno de recordações" que pertenceu a uma jovem chamada Firmina, que estudou no Collegio Stafford em 1923. Nele algumas amigas e penso, alguns professores, deixaram suas recordações.
O considero uma querida reliquia, gostaria muito de achar os descendentes daquela jovem Firmina.
Enviado por Vera - verarir@hotmail.com
Publicado em 06/02/2012 Gostamos muito do seu depoimento. Você sabe onde encontraríamos fotos daquela época? Mamãe está aqui em São Paulo e curtindo tudo isto. Marcia Enviado por Léa - Lwmaurano@uol.com.br
Publicado em 19/11/2011 Hoje visitei o o antigo casarão da Stafford que abriga o Museu da Energia, e me interessei não somente pela história da energia em São Paulo mas também por seus protagonistas com seus rostos estampados nas fotos da época. Quem foram, que valores tinham, como amaram e ajudaram a construir a cidade. O relato de D. Léa me ajudou a dar mais vividez à viagem no tempo à uma época saudosa em que nem vivi, pois nasci em 1970. Enviado por Francisco Andrade - fran.teacher@hotmail.com
Publicado em 19/10/2011 Estudei no Colegio Sttaford se bem me lembro em 1938 a 1940 e lemmbro da minha querida Profa. Alfreda. Havia tambem o colegio para os meninos. O uniforme de inverno era uma saia azul masrinho de pregas e a bluca de fustao bege e a boina azul marinho, sapatos das lojas Clark. O uniforme de verao era um vestido de fustao bege, chapeu de palha italiana estilo da rainha da Inglaterra .Saudades Enviado por GOLDA P. OLIVEIRA - goldaecauby@gmail.com
Publicado em 19/10/2011 Minha mãe Leda Maria Leitão Nogueira, estudou no Colégo Stafford quando tinha 5 anos. Atualmente ela tem 94 e sempre comenta sobre o colégio,que se lembra muito bem. Se lembra de Blandina Ratto -diretora,dona do Colégio e Rosalina Ratto,vice-diretora..estudava inglês e francês desde o primeiro ano do colégio.Tinha aula de dança. As irmãs dela também estudaram lá.Eram- Maria Helena Leitão Nogueira e Ilka Maria Leitão Nogueira. Dona Rosalina foi madrinha de crisma da minha mãe . Ela foi escolhida porque era muito brava. Foi para ver se ela melhorava da braveza .Os pais delas moravam em Barretos. Heli Jarbas de Souza Nogueira e Maria Angelina Conçeição Leitão Nogueira nascida em Piracicaba. Enviado por Marcia - marcia.nogueiralelis.martino@gmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »