Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Férias na Vila Bonilha Autor(a): Leila de Lorenzi - Conheça esse autor
História publicada em 09/06/2011
Tenho uma tia que mora na Vila Bonilha. Quando era pequena adorava passar as férias na casa da tia Bela que ficava na Rua Armando Bonilha.

Eu e minha prima brincávamos na rua até o anoitecer. Não havia perigo nos anos 60. Catávamos vaga-lumes e colocávamos dentro de uma garrafa transparente para que eles ficassem piscando suas luzinhas. Depois os soltávamos.

Lá tinha um terrão vermelho e tinha a linha de trem. Nós adorávamos ficar sentadas na grama, vendo o trem passar em toda velocidade.

Lembro-me que havia uma pitangueira muito alta e nós subíamos na árvore para brincar.

Quando crescemos, gostávamos de ir na quermesse da igreja São Luis para passear. As garotas e os rapazes ficavam dando voltas em torno da igreja só para arriscar umas olhadinhas de rabo de olho. Um flerte, como se dizia na época.

Até hoje minha tia e minha prima moram na Vila Bonilha, em uma outra rua, chamada Celso Bonilha. Mas hoje tudo é asfaltado, não há mais a pitangueira e nem tampouco quermesse alguma; e trem, só se for de carga.

Que pena que o tempo passa tão depressa e leva toda a magia com ele.
Mas a minha tiazinha, hoje velhinha, eu sempre vou visitar!


E-mail: leiladelorenzi@ig.com.br
E-mail: leiladelorenzi@ig.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 16/06/2011 Um bom conselho, Leila: ouvi dizer que os ets não gostam só de abacates, mas apreciam também pitangas! Dessa vez, você não viu, mas bem são capazes, com seus ultrasensores, de ter frequentado o quintal da sua tia no bairro Bonilha! Enviado por Carmello Carvalho - car.car@terra.com.br
Publicado em 15/06/2011 Infância e juventude tem seu tempo determinado pelas nossas experiências. Se forem desgostosas, passam depressa, se forem felizes, duram toda a vida. Parabéns, Leila.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 13/06/2011 Muito boa descrição, Leila, mas eu também gostei daquela em que você conta que um ovni entrou dentro da sua casa, e os alienígenas, todos anõezinhos verdes, começaram a contar histórias das maravilhas de Alfa Centauri, a bilhões de anos luz da Terra! Daria um belo filme, muito romântico!!! Enviado por Arnaldo de Farias - fariasarn@ig.com.br
Publicado em 12/06/2011 Ah, foi nessa Vila Bonilha que você viu o disco voador, com os marcianos pedindo abacates, em altos brados? Coitadinhos, estavam sedentos, pela viagem de milhões da anos luz, dos confins do universo! Gostei muito daquela história! Enviado por Ronaldo Bandeira - ronaban@terra.com.br
Publicado em 11/06/2011 O tempo passa e a magia ficou na sua lembrança!
Eu a senti ao ler este seu texto...
Parabéns, Leila!
Enviado por Lia Beatriz Ferrero Salles Silva - lia.ferrero@hotmail.com
Publicado em 09/06/2011 Viajei com sua historia, parabens , palavras bem colocadas.... nasci na Vila Bonilha, tenho muita saudade dessa época também ...ruas de terra ...sem perigo ...quanta diferença ...estudei no Colegio Mariano Oliveira,Gomide....nasci perto da Rio Verde..tenho familia lá ainda ,de vez em quando estou por lá , mas parece outro lugar ...que saudade.... ah o trem , ainda existe sim a estação,a quermesse vi anuncio no jornal do bairro, mas não sei se é boa , nunca fui !!! Parabens Leila .... Enviado por Sueli Palmeira - s.palmeira@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »