Leia as Histórias

Categoria - São Paulo da cultura, gastronomia, lazer e oportunidades Sinalização de horas Autor(a): Mario Lopomo - Conheça esse autor
História publicada em 27/07/2011

Nos anos 1950/60, São Paulo era uma cidade em que a população não sabia o que era poluição, principalmente a sonora, isso pelo fato de haver poucos prédios, o que estendia o som de qualquer sirene que tocava para bem longe.

Até mesmo no centro da cidade a gente ouvia no Anhangabaú o som do relógio do Mosteiro de São Bento, que de hora em hora dava as batidas daquele horário, sempre em hora cheia, ou seja: oito, nove ou dez horas. Também o carrilhão da Catedral da Sé era ouvido no Anhangabaú, às seis horas da tarde.

Todas as firmas tinham suas sirenes para a entrada ou saída dos funcionários. O som mais conhecido na zona sul era o da firma de chocolates Kopenhagen, com aquela sirene rouca inconfundível no bairro do Itaim que se ouvia pela manhã, na hora do almoço e à tarde, na hora da saída.

A sirene da Usina da Traição que fica dentro do Rio Pinheiros era ouvido pela manhã, dez minutos antes das sete, e em seguida na hora cheia. Depois na hora do almoço e às 16h, hora da saída. A usina trabalhava oito horas por dia, em três turnos; ela não podia parar, porque bombardeava as águas do Rio Tietê para a Represa Billings, devido à caída das águas, era ao contrário, e depois das 18h a sirene não era acionada.

Mas o som diferente acontecia pontualmente às 11h da manhã. Era explosões em número de dez, pouco mais ou menos, que vinham da zona oeste do Morro Grande, rodovia Anhanguera. Eram as dinamites que todos os dias explodiam na pedreira para se fabricar pedras britadas para a construção civil ou estatal. Com a pouca poluição sonora, a cidade toda ouvia, e nos municípios próximos (hoje a Grande São Paulo) os moradores também ouviam. Era comum pessoas enviarem cartas para o rádio perguntando o porquê daquelas explosões diárias e sempre e sempre no mesmo horário.

À noite, 21h, a batida do enorme relógio do alto do prédio do Colégio Eduardo Prado, Rua Jacurici, próximo à ponte Cidade Jardim, era ouvido no Brooklin, quatro quilômetros adiante, quando o silêncio era maior. Vivíamos numa outra cidade de São Paulo.

Os sons são chamativos às seis horas da manhã. O meu rádio-relógio em cima do criado-mudo com som regulado ao mínimo me desperta com um miado de gato, mas, meia hora antes, sou despertado por um rinchado de um portão arrastado, o que fez que eu descesse até a sala, pegasse lápis e papel, o que gerou um poema.

Meu vizinho.
Todo dia o barulho do portão
da casa do meu vizinho,
era o despertar do meu sono.
Aquilo já era uma bela rotina,
que meu ouvido gostava de ouvir,
Certo dia, ele (o ouvido),
estranhou...
Não ouviu o barulho do portão.
Nem o galo que sempre cantava,
naquele dia, não se manifestou.
O silêncio é sempre uma coisa estranha,
que arrepia e chama muito atenção.
Pela falta do rinchar de um portão,
o que deveria arruinar os tímpanos,
apenas mudou uma rotina.

Hoje temos outro tipo de sons, não são pela noite ou madrugada, mas em meio a muita poluição sonora em pleno calor do dia.

Uma Brasília amarela, ano 1974, com alto-falante em cima, com altos decibéis, tem um homem gritando a todos os pulmões. “Pamonha, pamonha, pamonha de Piracicaba”. Outro caminhão vagando pelas ruas do bairro, também com um enorme bocal de alto-falante tipo, RCA Victor, toca uma música que foi o hino das vitórias de Ayrton Sena na Fórmula 1, e que hoje não passa do hino do caminhão de gás. Ele bem que podia tocar num som moderado uma adaptação da música gravada por Inezita Barroso nos anos 1950. “Caminhão de gás, caminhão de gás, quanta raiva você me trás”...

E-mail: mlopomo@uol.com.br

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 28/09/2011 Caro Sr. Lopomo:
Ha anos tenho me dedicado à pesquisa do motivo pelo qual toda pamonha tem que ser de Piracicaba. Não é de Jacareí, de Bragança Paulista nem de Ipoã, talvez a maior cidade do interior de SP e por que não dizer da América Latina, segundo alguns.
Agradeço desde já o seu esclarecimento, e parabéns pelo texto.
Newton
Enviado por newton - newton_sismotto@hotmail.com
Publicado em 30/07/2011 Mario, belo texto, a sinalização de horas, bem poderia ser usado na Usina da Traição, para chamar a atenção da população, de quanto lixo e esgoto o Rio Pinheiros recebe. Talvez seja um caminho...Parabéns pelas lembranças. Alaíde Enviado por Alaíde Silva Santos - alaide.santos2010@hotmail.com
Publicado em 26/07/2011 Seus textos são ótimos, recheados de curiosidades, bem amarrados, e o poema está muito bom e porque não dizer, tão sonoro quanto a mescla de sons desse divertido relato. Enviado por Trini Pantiga - trinesp@ig.com.br
Publicado em 26/07/2011 Linda e saudosa história,lembro ainda criança do som da Catedral da Sé e do mosteiro de São Bento.Que memória privilegiada,sons amigos,sons da história de São Paulo,da cultura popular,dos bons tempos do caminhão de gás.Parabéns também pelo lindo poema.Um abraço! Enviado por Ana Maris de Figueiredo Ribeiro - anamarisribeiro@ig.com.br
« Anterior 1 Próxima »