Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Parelheiros, bairro antigo, mas jovem Autor(a): Vilton Giglio - Conheça esse autor
História publicada em 29/09/2011

Parelheiros é bairro com mais de cem anos e tem um dos cemitérios mais antigo de São Paulo, há também tribos indígenas.

A subprefeitura foi uma das mais recentes a ser criada, juntamente com outras duas, M'Boi Mirim e Capela do Socorro,o Rodoanel foi inaugurado no dia 30.03.2010,cortando boa parte de Parelheiros,sendo descoberta pelos biólogos algumas plantas que pensaram não existir mais, há também na região um tipo de bambu que só floresce a cada trinta e três anos,temos cachoeiras,a cratera do Vargem Grande onde moram quarenta mil pessoas,única no Brasil e talvez uma das cinco existente no mundo.

Há etnias como alemães, japoneses, portugueses, italianos, há um templo japonês, o único na América Latina, um clube de golfe muito grande na beira da represa Guarapiranga. Temos também a sede náutica da Sociedade Esportiva Palmeiras, do Clube de Regatas Tietê, um terreno que seria o clube da Caterpillar, fica na Avenida do Paiol, rua que começa na Estrada do Jaceguava muito famosa na região.

Em Parelheiros temos nomes de bairros indígenas, de flores, de famílias, fica no extremo sul da capital inclusive a temperatura chega a variar dois a três graus para mais ou para menos, há clinica para a recuperação de usuários de drogas, clinica para idosos e recentemente foi inaugurado o Céu Parelheiros

Tem um prédio muito grande da massa falida da “Cooperativa Agrícola de Cotia”, na subprefeitura de Parelheiros (dentro há uma quadra esportiva, lago, muitas árvores e muita grama, mais parece um clube de campo), que no passado era foi uma indústria metalúrgica.

Em Parelheiros tem um presídio, muitos pesqueiros, poucos restaurantes recomendáveis, poucas pousadas, centros de compras, muitas áreas com plantações de verduras, parte fica no comércio da região.

Ainda falta saneamento e hospital, mas com certeza um dia o bairro terá isso.

Parelheiros, região que tem tudo, clima ótimo e água ótima, ou melhor, quase tudo.


E-mail: viltongiglio@hotmail.com

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 29/12/2011 Ha alguns anos atrás, vi no programa do Jô Soares a entrevista de um brasilianista americano, professor de historia numa universidade dos USA, que escreveu um livro sobre a Mata Atlântica. Anos depois li num jornal que o mesmo faleceu num acidente de carro no Chile o que me levou a pesquisar sobre ele.
Ele escreveu o livro "A história da devastação da mata Atlântica".
Seu nome era Warren Dean. Para quem se interessa sobre o que existiu e como está sendo tombada dia-a-dia essa floresta que cobria o estado inteiro, inclusive a cidade de São Paulo fica aí uma sugestão e com uma referência bibliográfica de fazer inveja.
Enviado por newton - newton_sismotto@hotmail.com
Publicado em 07/10/2011 Bem lembrado deste pedaço de São Paulo, aliás nem pareçe q é a metropole, pena q tem muita degradação, mas mesmo assim ainda tem tempo de preserva-la.....vamos lutar para isto....viva o verde. Enviado por alberto dionisio - dionisioalberto@hotmail.com
Publicado em 30/09/2011 Há “trilhas” que saem de Parelheiros passando pelos “trilhos” da antiga ferrovia da E.F. Sorocabana, em caminhada por túneis e descendo através das margens do Rio Branco, penetrando nos encantos das matas ainda intocadas e atingindo o litoral, passando por aldeias, próximo a cidade de Itanhaém. Conheça a APA Capivari-Monos contatando um guia Embratur e educador ambiental, fone: (11) 5920.8949, Erley Coradi, erleyjc@ig.com.br. (há outros que possuem habilitação para a empreitada, sem os mesmos não se arrisquem!!!) Não somos integrantes da APA, apenas mantemos contato pela relação com este espaço ambiental interagindo pela preservação, além do pertencimento e identidade em nome da historiografia do extremo sul da capital paulista. Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 28/09/2011 Retrato fiel de uma região prazeirosa de se visitar. Com esta belíssima descrição, o Giglio nos convida a dar um passeio num domingo qualquer. O roteiro está ótimo. Vilton, parabéns.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 28/09/2011 Giglio é uma grande área verde que ainda temos. Vamos ver até quando. Um braço. Enviado por asciudeme joubert - asciudeme@ig.com.br
Publicado em 28/09/2011 Não conhecia Parelheiros,através de seu texto aprendi um pouquinho, muito obrigada.Um abraço. Enviado por margarida p peramezza - peramezza@ajato.com.br
Publicado em 28/09/2011 Vilton, essa região é uma mini Amazonia, possui parte da mata nativa da Serra do Mar, possui um dos ultimos rios não poluidos de São Paulo que é Capivari-Monos,e voce como turismólogo, tem um pouco de responsabilidade para essa preservação, assim como o povo todo, mas voce mais,pois voce é um lutador por causas do ambiente, e ai é Santo Amaro, bairro da cidade de São Paulo, veja que diversidade, por isso São Paulo é o que é, parabens pelo texto,Estan. Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »