Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Dante, barbeiro do Bexiga - Tuffy, Grané e Del Debbio Autor(a): Joaquim Ignácio de Souza Netto - Conheça esse autor
História publicada em 10/10/2011

Eu era bem garoto quando aparava a minha carapinha na barbearia do Dante, na Rua Fortaleza, bairro do Bexiga, lá pelos anos de 1947 ou 1948.

O Dante, um “ítalo-corinthiano”, era uma figura que hoje iríamos chamar de “estranho no ninho”. Fanático pelo alvinegro do Parque São Jorge, era capaz de arrumar as maiores encrencas com os antigos “palestrinos/'parmeristas”, que não se conformavam com o fato de um “paesano” ser torcedor do maior inimigo.

E lá vêm catadupas de xingamentos em português, italiano e dialetos diversos, sempre de acordo com os resultados dos jogos entre Corinthians e Palmeiras, em uma equação que acho melhor explicar: gozação era igual à resposta pesada, que evoluía para xingamentos onde as “mammas” eram frequentemente citadas pejorativamente; em seguida a esses prolegômenos orais o couro roncava solto com eventuais clientes tentando tirar a navalha da mão do Dante enquanto os provocadores ou provocados desembestavam a correr em direção à Rua Maria José, que ninguém é idiota pra ficar esperando ser retalhado pelo italiano “furibundíssimo”. E olha que ele se "furibundava" por quaisquer dois mil réis!

Aquela cabeça cheia de cabelos cheirando à “Glostora” ou à “Quina Petróleo Juvênia” era extremamente quente; provocar o homem não era uma boa idéia!

O salão do Dante era igualzinho a todas as barbearias da época: duas cadeiras “Ferrante” lado a lado e em frente a espelhos, uma estufa para aquecer toalhas de rosto que, diga-se de passagem, era mais um enfeite de parede do que um equipamento útil (creio até que nunca foi muito usada), algumas cadeiras comuns para se esperar a vez, uma pilha de revistas velhas: O Riso, O Governador, Noite Ilustrada, o Cruzeiro, Alterosa, Careta...

Outrossim, (opa!), informo que a barbearia ficava na Rua Fortaleza, uma porta simples de frente a uma das entradas do “vilão” (O “vilão” era um grande cortiço que tinha duas entradas: pela Rua Ruy Barbosa e pela Rua Fortaleza, e abrigava mais de 100 famílias. O local ainda existe hoje, mas sofisticou-se; não é mais cortiço, óbvio, é uma espécie de condomínio residencial; tem até um nome pomposo: "Travessa dos Arquitetos", chique não é?). Todo o Bexiga sabia que o Dante era o maior 'boca suja' que Deus colocara no mundo, mas ninguém ligava, era tudo normal, pelo menos para ele:
"Ecco! Io parlo palavró mesimo. Nasci ca boca chuja, porca miséria!", dizia sempre que alguém reclamava de seus destemperos...

Tic, tic, tic... O pente separava os cabelos, a tesoura cortava aqui e ali e a conversa fluía, dizendo melhor, o monólogo comia solto:
- "Us pessoar fala qui o Domenico da Guia é o milhó bequeira que ixisti, ma io non credo... Inguar ao Grané num teve nem vai tê, Madonna mia... O Curintia era molto
buono co Tuffy, co Grané, co Del Debbio...", e lá vinham histórias, lances, salames, brigas, causos e mais causos do futebol dos anos 20, 30 e 40...

O Dante era um corintiano enlouquecido, sejamos sinceros...; morreu velhinho, por volta de 1965, em uma fase em que o Corinthians não conseguia nada, títulos, vitórias retumbantes, nada, nada... ; deve ter morrido xingando...

O velho Dante veio à minha lembrança quando meu filho Júlio me presenteou com o DVD comemorativo do Centenário do Corinthians. Alguns jogos importantes foram filmados, inclusive um que acordou o velho barbeiro que dormia esquecido nos recônditos de minhas lembranças deslembradas: em 1929 o Corinthians disputou, creio eu, sua primeira partida internacional contra um time profissional italiano e venceu por 6 x 1 com 2 gols de Grané...

De repente voltei à minha infância no bairro do Bexiga, em um dia de muito calor. Estou sentado sobre uma tábua apoiada nos dois braços da cadeira de barbeiro. Meus pés estão soltos no ar:
- "Num pisa nu istufamento qui e prá num chujá... Dispois vem ôtro fregueis i chuja u rabu... num fica bem, não é?”, e eu escuto pela milésima vez a descrição daquele longínquo jogo de 1929...

Setembro de 2010. Luzes apagadas na sala. O Júlio está configurando o DVD Player. Começa a reprodução. Estou vendo o Corinthians de 1929 em uma TV de LCD de 56 polegadas, em pleno século 21, 81 anos depois do fato ocorrido. Nó na garganta. Meu time entra em campo:
- “Olha lá o Tuffy, o Grané entra em campo sorrindo, Neco é aquele, será?”

Estou vendo a minha cidade de São Paulo um ano antes da Revolução de 30. Centenas de automóveis estacionados numa várzea cortada pela linha de bondes que se dirigiam para o bairro da Lapa. O Parque Antarctica lotado. Palhetas, bengalas, chapéus coco e “gellot”, grandes vestidos do tipo “charleston”, sorrisos inocentes para a câmera que filmava...

Meu pai, o velho Alcides, teria 17 anos na época. Estaria ele já em São Paulo, vindo da distante Conceição do Monte Alegre? Minha mãe, Dona Zezé, tinha 8 anos e ainda estava em São Manuel, cidade dos Barros e dos Melão, terra da dupla Tonico e Tinoco que ainda não eram ninguém. Eu? Eu nasceria 11 anos depois e mais tarde iria cortar cabelo na barbearia da Rua Fortaleza... A voz do Dante:
- “Quando o futebór terminô, vim andando da Pompéia até o largo do Piques, subi a Santantó e fui dormi. Nunca dormi tão gostoso, demo uma surra nus intaliano...”.
- “Mas Dante, você é italiano! Não pode querer o mal um time da sua Itália...”.
- “Na Itália io era italiano, mas tô no Brasile desde 1914 i no Brasile io sô brasiliano i corintiano, num me importa os língua de trapo...”.

O Dante, com suas histórias, me fez admirar aqueles jogadores antigos, com seus longos calções de algodão, com suas “Chancas” e com suas bolas de capotão. Jogadores que tinham nomes respeitosos: Imparato, Friedenreich, Amilcar, Grané, Del Debbio... Não havia os "inhos" da vida, os Ronaldinhos, os Marcelinhos, etc...

Grané, só vi você em um relance, entrando em campo em 1929, em um filmete de 40 segundos quando muito, mas você me fez chorar, fez lembrar-me de um tempo em que um barbeiro do Bexiga contava as suas façanhas com suas “Chancas” de biqueiras metálicas... Quando vi o Corinthians de 1929 voltei a ser criança:
- "Minha mãe me deu dois mil e duzentos réis prá pagar o barbeiro e comprar um sorvete de palito na sorveteria do seu Giuseppe...”.

Grané... Sou seu fã ardoroso!
Grazie, “signore” Dante, valeu!


E-mail: ignacio.netto@bol.com.br

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 23/10/2011 Ignácio, deixa lhe dizer uma coisa. O "Curintia" foi fundado por italianos. Sou curintiano meu, graças ao meu nono. Olha só o nome dele:Marco Ernesto Cairolli. Eram Tufy, Grané e Deldebio, Jango Dino e Brandão. O resto do time infelizmente não lembro mais. Abraços. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslour_ti@yahoo.com.br
Publicado em 12/10/2011 Belissima cronica . Parabens
Alexandre
Enviado por alexandre ronan da silva - alexandreronan@gmail.com
Publicado em 12/10/2011 Só hoje li sua cronica, onde podemos saborear aquele dialeto dos italianos do "bó ritiro" e me fez sentir saudades enormes, mesmo porque um dia em 1974 um pouco antes da Copa do Mundo, tive a honra de conversar algumas horas com o famoso Del Debbio, que morava em Santo Amaro e lembro ainda hoje dos elogios que ele fazia ao grande goleiro Tuffy e eu, mesmo sendo Palmeirense desde o berço,pude sentir a emoção que aquele homem já entrado em anos, ainda sentia pelo seu Corinthians. Enviado por Alfred Delatti - alfredpd@gmail.com
Publicado em 10/10/2011 Linda história Inácio,belas lembranças da vida simples do Bexiga,das barbearias,dos italianos,muitos Corinthianosde coração! Parabéns! Enviado por Ana Maris de Figueiredo Ribeiro - anamarisribeiro@ig.com.br
Publicado em 10/10/2011 Inacio, entendo bem sua emoção ao relembrar estas melancólicas passagens. Coincidentemente também escrevineste site uma crônica sobre o mesmo assunto - Uma barbearia na Vila Pompéia - sem o mesmo brilho que você, onde meu tio era o titular e "parmerista" fanático. Abraços
Mancini
Enviado por Mancini - d-mancini@uol.com.br
Publicado em 10/10/2011 Modesto disse...
Ignácio, mais um palmeirense pra te cumprimentar pelo escelente texto, muito intressante, au não conhecia esse filme do jogo contra o Bologna. Vou dar um puxão de orelhs no meu sobrinho que é corinthiano roxo, e ele é, tambem diretos da Nike, sempre em contato com a diretoria do coringão.
Mas, vc sabe que o Corinthian foi fundado por italianos, não é? Estão como árabes e judeus, no fim são todos BRIMOS. Parabéns, Joca.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 10/10/2011 Joaquim, mesmo eu sendo mulher e nem um pouco esportista, vivi intensamente o teu texto. Lindo demais! Me senti no nosso Bixiga daquele tempo e o meu pai falava também desses jogadores com muito entusiasmo. Muito obrigada por esse texto tao vivo e cheio de histórias. Um grande abraço. Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 10/10/2011 Sr. Ignácio, o senhor me criou um problema. Sempre releio suas maravilhosas crônicas, e entre elas, eu tinha as minhas dez preferidas. Depois de ler “Dante, barbeiro do Bexiga - Tuffy, Grané e Del Debbio” vou ter que mudar para minhas onze preferidas. Abraços, Abilio Enviado por Abilio Macêdo - abilio.macedo@logoseng.com.br
Publicado em 10/10/2011 O nosso amigo Ígnacio contou sobre o Dante barbeiro,contou o que acontecia realmente nos salões de barbeiro,bares,restaurantes,eu alcancei isso tudo,vivi quando em S.Paulo morava nas décadas de 50 e 60,apesar do sr Dante fanático pelo Corinthians,sempre encontrava outro italiano
palestrino,esses torcedores dos anos 20,30,40,até
60,xingavam,provocavam entre si,era até divertido,
porque se tratava de uma rivalidade sadia.Hoje quando acontece um clássico paulista me enojo.
Parabéns Ignacio.
Enviado por Luiz G. Sant'ana' - luizgonzasantana@yahoo.com.br
Publicado em 09/10/2011 Ignacio. Embora eu nada entenda de futebol mas, a sua narrativa se completa com uma emoção ímpar. Lembrar passagens de personagens do nosso Bixiga é um convite às saudades. Sim, o Bixiga teve (e tem) muitos italianos torcedores do Corinthians e que vivem em ferrenha disputa com os palmeirenses mas, no final, tudo acaba em pizzas, salames e um bom vinho da casa. Abraços. Enviado por nelson de assis - nel.som55@yahoo.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »