Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Vaticano, Geladeira, Pombal, Navio ancorado: cortiços do Bexiga e seus mistérios. Autor(a): Joaquim Ignácio de Souza Netto - Conheça esse autor
História publicada em 28/12/2011

Naquela 'noitemadrugada' de segunda feira, dia de Exu Alegbá, após uma gira no ‘Páteo’ do Vaticano que servia como terreiro do candomblé de Mãe Jurema - afamada e poderosa Yalorixá - ele desapareceu. Algumas pessoas dizem que ele sumiu em uma nuvem que, de repente, cobriu todo o cortiço; outros afirmam de pés juntos que ele se transformou em um bode preto e que desandou a correr apoiado nas patas traseiras, pela Rua Santo Antonio e se perdeu de vista no Anhangabau.

Outro grupo afirmava que ele se jogou em uma grande fogueira que ardia no terreiro e subiu para Olorum em um vórtice de fagulhas... Nunca mais foi visto ou nunca mais se deixou ver. Mãe Jurema dizia que ele tinha se transmudado em uma entidade, que ele deveria ser cultuado e alimentado nas encruzilhadas do centro da cidade. Centro que, durante toda sua vida, vivida por 70 anos, fora seu campo de batalha e seu domínio.

Começava assim a “lendistória” de Manézinho das Mulheres, malandro do bem, figura querida por todos, amado por todas as mulheres, grande jogador de futebol varzeano, amigo dos amigos, filho dileto dos Orixás, babalorixá dos grandes cortiços do Bexiga, saravá Xangô!

Manoel Pereira da Silva - existe nome mais brasileiro? - até os acontecimentos daquela segunda feira, era morador do Vaticano onde nasceu, cresceu, morou e viveu seus melhores dias. Foi funcionário público do municipio e conseguiu seu emprego graças aos conhecimentos de Mãe Jurema, mãe postiça e madrinha, que o adotara “in pectore”, após a morte de sua mãe, a comadre ‘Mariinha’, que, coitada, morreu dias após lhe dar a luz, vitimada por uma infecção terrível, apesar das cartilhas que o Doutor Arnaldo distribuia para as aparadeiras:
- “Lavem as mãos, usem toalhas limpas, não deixem sangue nas cavidades, desinfetem as tesouras e pinças...”.

Criado por uma Yalorixá, claro que seria dedicado aos Orixás, nem havia do que duvidar... Quando, ainda tatibitate, engatinhando e dando os primeiros passos, foram jogados os búzios para saber quem seriam seus pais ancestrais: ao primeiro Odu respondeu Exu Alegbá. Ao segundo Odu, a resposta foi de Xangô. No terceiro Odu, a grande mãe Yemanjá, a Mãe do mundo, derramou seu leite sobre ele. Eram esses os pais ancestrais africanos de Manuel Pereira da Slva, bem mais tarde conhecido em São Paulo como Manézinho das Mulheres.

Desde criança saía com Mãe Jurema para arriar os 'trabalhos' em diversos lugares da cidade: na esquina das ruas Tabatinguera e do Carmo, ao lado da Igreja da Boa Morte; na Vergueiro, ao lado da Igreja dos Enforcados. No Saracura, no Bexiga velho, arriavam muitas velas e muita comida de santo e ela não perdia a ocasião de mostrar o motivo das coisas:
- "Mané, aqui é lugar onde muito nêgo foi enterrado nesses matos, 'morridos ca bexiga'. Os antigos num tinha vacina qui nem hoje e eles morria ca variola ou ficava marcado 'cocorpo' cheio das bereba moiada e das bereba seca, 'cacara' toda furada. Os moço ainda sarava, mas as criança e os véio morria tudo... Minha falecida avó era cativa de ganho e contava prá gente que quando começava a 'pidemia' de bexiga, as pessoa num podia chegar perto, só quem já tinha tido e num tinha morrido. Os cadavi tinha de sê enterrado fora da cidade, bem longe, muito longe, porque as bexiga 'pegava'. A senhora Marquesa de Santos, Dona Domitila, deu um terrenão prum cemitero na subida da Consolação, no rumo do Caaguaçu e de Pinheiros, prá enterrá a brancaiada que morria cas bôlha da varíola. Os nego, qui nem nóis, num podia enterrá no nosso cemitero da Misericórdia. Tinha de enterrá fora da cidade qui nem os branco. Os malungos, então, punha os difunto, trêis, quatro duma veis, numa jangada e subia o Saracura Grande até o pé do Caaguaçu, no encontro co Saracura Pequeno e enterrava os irmão lá... Os antigo chamava o lugar de 'mata da bexiga' e o nome ficou até hoje".

Os despachos para o Alegbá eram feitos na chegança da Hora Grande, meia noite, no maior silêncio e respeito e sempre no Largo da Misericórdia. Velas, alguidares, farofa amarela, quiabo, galinha assada, pinga, pipoca... Os atrasados que iam para a Praça da Sé ou para a Rua Xavier de Toledo para tomar os últimos bondes, os 'negreiros', alguns ao passar pela Misericordia apertavam os passos após uma olhada de esguelha para aquela senhora e a criança que acendiam velas e jogavam pipocas por todo o Largo da Misericordia; alguns outros paravam um pouco na esquina da Rua Quintino Bocaiúva com a Rua Direita, olhavam a cena espantados, faziam o sinal da cruz e seguiam em frente resmungando:
- “Essa negrada... Onde já se viu!... Desrespeito!... E a polcia tá aí praquê?”.

O Largo da Misericordia, para os paulistanos iniciados no Candomblé e na Umbanda, era, talvez, o lugar de maior respeito; sob os paralelepípedos, sabiam, havia um cemitério, o único que podia receber os corpos dos malungos; ali era o local onde se erguera a primeira igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e o campo santo de frente para a Santa Casa nos anos de 1700. Então, todas as oferendas que devessem ser feitas na Kalunga, eram feitas na Misericordia, rituais impossíveis nos Enforcados e suas mortes com muito sofrimento e nem na Boa Morte, prenúncio da morte na forca, a antecipação do sofrimento físico! O campo santo da Misericordia era o único lugar da cidade de São Paulo onde os antigos malungos mortos repousavam em paz!

Aos 14 anos, no cumprimento de sua segunda 'obrigação', começou a sentir uma presença, algumas presenças, dizendo melhor. Assustado, só se acalmou quando Mãe Jurema explicou que, a partir de então, viveria em um mundo diferente do mundo dos demais viventes, que se acostumasse. Quando arriava os despachos na praça em frente à Igreja dos Enforcados ouvia o choro de centenas de vozes e sombras que flutuavam na noite. Na Igreja da Boa Morte, ouvia soluços, imprecações e o rumor de centenas de vozes rezando... Na Misercordia ele via, nitidamente, um homem bem vestido, sentado no calçamento ou no meio fio, fumando e acompanhando os trabalhos:
- “Mãe Jurema, a senhora 'tá' vendo aquele homem sentado ali?...”.
- “Não, não tô vendo, mas deve ser o senhor Exu Elegbá, seu pai protetor. Não se preocupe, é assim mesmo...”.

Você represa ou desvia o curso de um rio, é uma possibilidade, mas você não consegue parar ou desviar a marcha do tempo. Carapinha branca, Manoel Pereira da Silva se deu conta de que o tempo passara voando e ele sentia que estava chegando a sua hora. Os búzios tinham dito que sua jornada terminaria aos 70 anos, nem mais, nem menos, que ficasse preparado, pois só haveria axexé! Mãe Jurema já passara dos 100 anos, lúcida, cada vez mais sábia e com uma dificuldade muito grande de locomover-se; valia-se muito dos préstimo de Manézinho das Mulheres.

Manézinho? Pensativo, se acabrunhando sempre que ouvia no rádio um samba cantado pelo Sílvio Caldas. Sentia-se retratado nos versos da canção:

“Nos olhos das mulheres,
no espelho do meu quarto
é que eu vejo minha idade.
O retrato na sala
faz lembrar com saudade
a minha mocidade...”

Pensativo, pensou. Pensou e pesou tudo o que havia feito, não feito, sentido e não sentido. Nunca magoara ninguém, era uma pessoa simpática, divertida, piadista. Era também o rei da mulherada. Deixou filhos e filhas, carradas deles, no Brás, Bexiga e Barra Funda. As mães desses filhos e filhas, negros, mulatos, sararás, filhos de diversos sangues, o adoravam, fariam tudo por ele. Na festa dos Ibejis, de Cosme e Damião, levavam as crianças para serem abençoadas por Mãe Jurema e por ele, o Manézinho das Mulheres, o pai negro que povoou o Vaticano e arredores e, essas crianças, crescidas, levavam seus filhos para conhecerem a bisavó e o avô e serem, também, abençoados...

Sonhou.

Exu Alegbá bafora a fumaça de seu charuto em seu rosto adormecido. Xangô encosta seu machado de duas lâminas em seu corpo e sorri. Yemanjá, mãe negra de fartos seios, acomoda sua cabeça em seu colo e suas mãos acariciam a carapinha branca.

Manézinho das Mulheres está atento em seu sono. Diz Yemanjá:
-“Meu filho, meu filho, te espero no Niger e no Zambeze... Vais conhecer todos os seus Egunguns”
Diz Xangô:
-“Você, meu filho, foi um homem justo. Foi feliz e fez a felicidade de muitos e muitas...”.
Diz Exu Alegbá:
-“Amanhã venho te buscar. Você foi um bom filho, sempre me respeitou... Amanhã, amanhã, amanhã...”.

Segunda feira, gira de Exu Alegbá!

Uma nuvem baixa e cobre todo o cortiço enquanto milhares de fagulhas sobem de uma fogueira... Alguns dos adeptos assistem assustados como que uma sombra se materializar e deslizar em direção à Rua Santo Antonio. Manézinho que estava no centro de tudo, com todos os olhares postos sobre ele, simplesmente desaparece como uma luz que se apaga lentamente... E nunca mais foi visto ou se deixou ver.

O barulho do bonde 5, Bela Vista, corta o silencio da cidade que está quase toda dormindo. Luzes do Martinelli, do Banco do Estado e dos hotéis da Praça da Bandeira,o neon das Sardinhas Coqueiro na Rua Formosa, Dom Peixito acendendo e apagando,
‘piscapiscando’...


O Vaticano, o Geladeira, o Pombal e o Navio ancorado, os cortiços maiores do Bexiga, em dois anos irão desaparecer... Os despachos no Largo da Misericórdia continuarão até a morte de Mãe Jurema um ano depois...

Um dia após o desaparecimento de Manézinho, os jornais publicam:
À Hora - primeira página: "Inexplicável: Largo da Misericórdia amanhece coberto de pipocas".
O Dia: "Centro da cidade cheirando á perfume! Largo da Misericórdia coberto
de pipocas!"
O Correio Paulistano: "Autoridades da Central de Polícia do Largo do Tesouro afirmam que irão investigar o insólito acontecimento...".
O Estado de São Paulo: "Manobra diversionista do P.C. no centro da cidade...".

Não precisam acreditar no que foi narrado, mas São Paulo é uma cidade onde tudo pode acontecer, até o mais misterioso e inacreditável...

Saravá!


E-mail: ignacio.netto@bol.com.br

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 05/01/2012 Amigo,
Se isso não for possível em Sampa, não será em lugar nenhum do mundo! Quem vê nossa cidade de fora nem pode imaginar o quanto de mistério e magia ela possui... Parabéns e continue escrevendo pois esse é um dom maravilhoso que você tem!
Abraços
Enviado por Maria Fatima Gonçalves - mariafatima1@terra.com.br
Publicado em 01/01/2012 Ignacio, como não acreditar? É como diz aquela famosa citação: " Existe mais coisas entre o céu e a terra, doque pode imaginar a nossa vã filosofia".Abraços De Paula. Enviado por Sonia Maria de Paula - depaula.arte@ig.com.br
Publicado em 28/12/2011 Estou embasbacada, maravilhada, impressionada com este seu enorme talento para criar e escrever sôbre coisas possíveis e impossíveis (?) de acontecer! Como pôde? como pode? jamais saberei! Têm pessoas que nascem para escreverem e outras para lerem... eu me enquadro neste último grupo e estou aqui para aplaudi-lo! Abraços. Enviado por Lia Beatriz Ferrero Salles Silva - lia.ferrero@hotmail.com
Publicado em 28/12/2011 Uma perfeita aula!
Obrigada por compartilhar.
Feliz 2012.
Abraços
Cida
Enviado por Cida Micossi - cida.micossi@gmail.com
Publicado em 28/12/2011 Ignacio como um catolico fervoroso nao vai ser por isso que vou deixar de enriquecer e aprender sobre outras crencas credos e religioes africanas
Mas quero parabeniza-lo pela seu texto tao interessante.E tambem desejar-lhe um Feliz Ano Novo com muita saude ,e muitas vitorias ao nosso sempre Timao do coracao (quem sabe este nao e o nosso ano na Libertadores )Abracos Alvi Negros Felix
Enviado por Joao Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 28/12/2011 Previdão: Vossos textos tem chamado a atenção por causa da diversidade dos mesmos. Vossa Senhoria troca os assuntos com autoridade e sobre os mesmos, deita e rola...Valeu Previdão, e que todos estejam com muita saúde no seio da sua família. E viva o SPFC, único hexa...( o Fla é só penta) Enviado por xico lemmi caxingui s.paulino - francisco.lemmifilho@yahoo.com
Publicado em 27/12/2011 Quanta sabedoria, quanta lucidez, quanta beleza de histórias sobre religiões africanas, Ignácio. Uma memória extraordinária, bem delineada e contada com calor dos crentes, enriquecendo nossa já demonstração de cultura diversificada na páginas de SPMC. Parabéns e feliz ano novo de 2012, Joaquim.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 27/12/2011 Saravá, Ogum yei meu irmão. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslour_ti@yahoo.com.br
Publicado em 27/12/2011 Caro Ignacio, já havia lido este texto, mas não posso deixar de maravilhar-me novamente. Os cultos afro na velha São Paulo, uma cidade em que no Lgo. da Misericórdia, início da Av. São João, ocorriam sepultamentos de negros. A Igreja do Rosário dos Homens Pretos ainda não e mudara aprao Paisssandu...era mesmo outra cidade.
Bela peça literária! Abraços.
Enviado por Luiz Saidenberg - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 27/12/2011 Ignacio, não acreditar como?
Filho de Xango e Yemanjá, lendo esse conto, te vejo incorporado visonando os acontecimentos de um tempo há muito passado e os relatando.
Sabe de uma coisa, sou orgulhoso em saber que és meu velho amigo e que escreves tão bem.
Saravá mizi fio....
Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »