Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Arrancadas, futebol e vassouras Autor(a): Luiz Carlos Marques - Luigy - Conheça esse autor
História publicada em 02/01/2012

Algumas aventuras eu não posso contar aqui. Pena. Outras eu posso.

No tempo do vocacional fui passar um dia de feriado na casa do Tutuca, meu amigo e colega, na Granja Julieta, em Santo Amaro.

Seu nome era parecido com o meu Luiz, mas acrescido de Gonzaga. Seu nome Luiz Gonzaga, o terror. Tutuca veio transferido do vocacional de Batatais, o Candido Portinari. Entrou na segunda serie aqui no Brooklin. Ele era uma cara sempre arrumadinho, bem vestido, de botinha carrapeta e com um pente sempre a mão refazendo seu topete. Era muito engraçado e sempre estava com uma coisa nova em mente e alguma loucura também.

Seus pais trabalhavam fora e certa vez fui passar o dia em sua casa. Na garagem estava um Simca Tufão, orgulho do Tutuca. O comprimento da garagem era de cerca de 30 a 40 metros por 4 de largura. Nossos papos vertiam sempre de automobilismo para garotas e vice versa. Neste dia o assunto era sobre corridas de Interlagos... Adivinhem o que iria acontecer. Lá foi ele buscar a chave do Simca.

Durante quase uma hora fizemos arrancadas na garagem dele do fundo até o portão dando brecadas bruscas, mas sem deixar marcas. Era assim a nossa aprendizagem.

Depois do lanche, fomos jogar bola na rua junto com outra turma. Bola pra cá e pra lá por mais de uma hora. Antes de acabar o jogo, minha bexiga apertou e deu sinais de alerta. Segurei um pouco e continuei no jogo. Novamente ela deu alerta.

Falei com o Tutuca para emprestar a chave da casa dele para eu ir ao banheiro. Mas ele se fazia de surdo. E corre pra cá corre pra lá. Novamente falei com ele e nada. A bexiga apertando e ele se fazendo de surdo. A coisa foi ficando feia pra mim. Ele tinha um lado meio sacana... Isso já era conhecido. E, por mais que eu falasse, ele não me atendia. Depois de tanto insistir, ele falou:
- “Faz ai na rua...”.

Como ele não me atendia, acabei seguindo sua dica e resolvi fazer xixi ali mesmo. Encostei-me em um muro de uma casa ali perto para me aliviar. De repente vejo a dona da casa vindo em minha direção... E não dava mais para parar sobre o risco de molhar toda minha roupa... A dona da casa parou e disse:
- “Calma rapaz, eu espero você terminar!”.

Em sua mão ela trazia um balde e um vassoura... O jogo parou, todos queriam ver o desfecho daquilo.

Afinal consegui terminar... E ela entregou-me os apetrechos. Sob meus protestos, mas sem razão e acompanhado de uma vaia enorme do time todo, fiz ali a faxina... Assim que pude, sai rapidinho e fui embora pra casa tentando esquecer este dia pra sempre.

O Tutuca aprontava muito... Uma vez foi estourar uma bombinha forte no banheiro da escola que chegou a estourar tudo. Assim que houve a explosão a turma já comentava: - - “Foi o Luiz Gonzaga”.

Alguns anos depois, soubemos que ele havia sofrido um acidente brincando um uma arma e veio a morrer. Sua imagem jamais vai se apagar de minha mente. Hoje me lembro de tudo isso de meu passado, com um misto de alegria e tristeza.

Ufa!


E-mail: luigymarks@uol.com.br

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 04/01/2012 Que coisa feia em Luigi. Ainda bem que você lavou e limpou. Mas que é feio é feio. Abraços. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslour_ti@yahoo.com.br
Publicado em 04/01/2012 Que coisa feia em Luigi. Ainda bem que você lavou e limpou. Mas que é feio é feio. Abraços. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslour_ti@yahoo.com.br
Publicado em 03/01/2012 Luigy, você deixou tudo bem limpinho e recebeu vaia, acho que deu para aprender a lição, mesmo com esse amigo inimigo....rsrsr. Um abraço. Enviado por margarida p peramezza - peramezza@ajato.com.br
Publicado em 03/01/2012 Luiz: Do vosso excelente texto, se desprendem muitas coisas boas. Todavia, sobra a curiosidade em saber qual motivo fez o Tutuca não liberar a casa para você. ((???). Valeu !!! Enviado por xico lemmi sãopaulino - francisco.lemmifilho@yahoo.com
Publicado em 02/01/2012 Luigy, que historia gostosa de ser lida, Parabéns. Ainda bem que o meu apelido sempre fui Tutu, pois todo Tutuca é fogo na palha e é claro com gasolina. Enviado por Arthur Miranda - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 02/01/2012 Oi, Luigy, começou leve e alegre, mas que final trágico! Que acabe aí essa narrativa e só venham coisas boas a partir de agora.
Feliz ano novo.
Abraços
Cida
Enviado por Cida Micossi - cida.micossi@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »