Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Frida Benedita Autor(a): Alvaro Glerean - Conheça esse autor
História publicada em 09/01/2012
Foi pela época de Natal que, há muitos anos, fui buscá-la. Ao chegarmos a alegria foi imensa. Ela já estava sendo esperada. Muitos passeios já estavam programados.

No dia seguinte saímos para passar o dia nos jardins do Museu do Ipiranga. Aproveitamos a ocasião para conhecer o local em que Dom Pedro I parou para proclamar a Independência.

No final da outra semana fomos ao Parque do Ibirapuera e aproveitamos, por que era ainda cedo, para irmos ao Horto Florestal e lá almoçamos. Impossível deixar de dar um longo passeio pela Cidade Universitária, e também, ao lado, para conhecer o Instituto Butantan.

Nas férias tivemos a oportunidade de passar alguns dias em Cidade Ocian, naquela época em um pequeno apartamento. Aproveitamos muito o clube que lá existia. Posteriormente fomos à linda Águas de Lindóia saborear não só a cidade como também os doces portugueses, famosos na região. Chegou a vez de Águas de São Pedro, no seu maravilhoso Hotel Escola. Em uma época posterior fomos a Campos de Jordão. Deixamos para depois pelo fato de que ela já tinha certa idade, não queríamos expor nossa amiga em demasia.

Mas, tudo correu perfeitamente bem e visitamos, se bem me lembro, o Pico de Itapeva, o Horto Florestal, a Gruta dos Crioulos e percorremos por diversas vezes as três vilas. Lembro-me bem de me lambuzar com os doces do tipo alemão ou austríaco, principalmente o incomparável “Apfflestruedel”.

Como já disse, ela já tinha certa idade, pois este relato se refere à década de 1980. No entanto sempre se conduziu muito bem. Apenas uma vez necessitou de um reparo: na verdade apenas troca de velas.

Sim, estou me referindo ao melhor e mais querido automóvel que já possuímos,uma fusquinha 1964, azul, 1200.

Se prestarem bem atenção um (a) automóvel tem sexo, não de fabrica, claro, que alguns têm aspecto e comportamento masculino ou feminino. Comportam-se de modo brusco ou, pelo contrário, são dóceis; sua embreagem é macia, o cambio idem, respondem de modo viril ou suavemente. Seu freio é brusco ou delicado, suave. Enfim, cada um tem suas características bem marcantes.

Quanto ao nome que lhe demos é consequente à sua origem teuto-brasileira. Vieram-nos à mente dois nomes típicos, daí, Frida Benedita.


E-mail: alvarogle@terra.com.br E-mail: alvarogle@terra.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 08/01/2012 Alvaro, quem estava sentada ao seu lado quando você viajava, por tantos lugares lindos, com a Frida Aparecida? rs Parabéns, Lia Enviado por Lia Beatriz Ferrero Salles Silva - lia.ferrero@hotmail.comAlvaro
Publicado em 08/01/2012 Oi, Álvaro, aqui em casa ainda temos uma DKW vermelha, reluzente, que costumo chamar de "a outra" (((risos))). Enviado por Cida Micossi - cida.micossi@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »