Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Bom Retiro - duas fases de minha vida Autor(a): Alvaro Glerean - Conheça esse autor
História publicada em 13/02/2012
No caminho de nossas vidas passamos por fases mais ou menos importantes e em geral as associamos com lugares. Das diferentes fases da minha vida, duas muito importantes foram cumpridas no velho bairro do Bom Retiro.

Em meados do ano de 1930, morávamos na Rua General Osório, 248, meus pais e eu. Com frequência minha mãe e eu saiamos de casa e caminhávamos até a Rua Santa Ifigênia, atravessávamos a Rua Duque de Caxias, passávamos em frente à Estação Sorocabanos e pela Rua Dino Bueno; passávamos ao lado do Largo Coração de Jesus e pelo Colégio Coração de Jesus onde mais tarde iria estudar; em seguida entravamos pela Rua Silva Pinto, logo após passarmos sob o viaduto da linha férrea, seguíamos pela Rua Anhaia até o número 90.

Era uma casa com uma ampla janela central e sob ela uma abertura retangular fechada com grade, típico das casas com porão. Ao entrarmos na casa, devido ao tal porão, subíamos cerca de seis ou sete degraus. Percorríamos um longo corredor que ia dar numa sala ampla que levava à cozinha e uma porta à sua esquerda conduzia a um enorme quintal com muitas árvores.

O motivo da visita ficava no dormitório da frente, meu avô, um homem muito velho sempre sentado em uma cadeira. Lembro-me bem de sua vasta barba toda branca. Devia estar muito doente, pois exalava, lembro-me bem um cheiro que mais tarde identifiquei como uréia, talvez mesclado com cheiro de medicamentos. Seu estado se confirmou mais tarde, pois após pouco tempo nunca mais voltamos àquela casa e minhas tias e minha mãe passaram a usar vestido preto.

Muitos anos depois, no final da década de 50, eu morava na Avenida Rio Branco, 728 - no primeiro andar de um prédio. Fomos, dois amigos e eu, passar férias na Cidade Ocian e resolvemos ir, como se dizia, pular o carnaval no Ocian Praia Clube. Nesse dia conheci aquela que seria minha esposa; por motivo da tal coincidência, ela morava no bairro do Bom Retiro. Durante o namoro e noivado, por inúmeras vezes fui a pé até sua casa. Para tanto fazia um caminho semelhante ao de tempos atrás. Saia de minha casa na Avenida Rio Branco, cruzava a agora Avenida Duque de Caxias, passava pela Praça Princesa Isabel, depois entrava pela Rua Dino Bueno, Silva Pinto, passava sob o viaduto da via férrea e daí, Rua Anhaia, só que agora no número 455, casa dois, numa vila.

Na década de 60 nos casamos e, para comodidade de ambos - para ela, por ficar próximo da mãe e para mim por trabalhar na Rua Três Rios na Faculdade de Farmácia e Odontologia - fomos morar no mesmo bairro na Rua General Flores, 126 - no primeiro andar de um pequeno prédio.

Na Maternidade São Paulo nasceram nossas duas filhas que tiveram seus primeiros contatos escolares no excelente Externato Santo Eduardo também situado na General Flores, dirigido pela competente professora Dona Esmeralda. Vivemos no bairro até o início da década de 1970.

Esta historinha teve a participação de lembranças de minhas filhas e teria mais detalhes, com certeza, se a mãe delas ainda estivesse entre nós. Bons tempos. Belas recordações e benditas coincidências.


E-mail: alvarogle@terra.com.br E-mail: alvarogle@terra.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 27/02/2012 Nasci no Bom Retiro, no inicio dos anos 60, Alarico da Silveira, Marechal Deodoro, estudei nas duas (uma) escolas, Lembro muito do Cine Parisi, das sapatarias e marcenarias da Rua Jaragua com seus cortiços e aquele cheiro maravilhoso de molho de tomate, e da sfogliatella vendidas todos os dias a tarde... Enviado por rocco antonio cobucci - rcobucci@hotmail.com
Publicado em 27/02/2012 a proposito, o campo do sul americano, a laranja descascada de forma unica na entrada do campo, e a vila dos ferri na general flores...a adega que havia nesta rua, as casas com terrenos imensos no final das rua dos italianos, a praça da luz sem cerca e o pão duro para os patos no lago..., a igreja Santo Eduardo e o cinema que ficava no porão com filmes de bang bang, era a alegria da criançada, o foto/studio Regula, onde era feita a foto da primeira comunhão ou casamento ou do primeiro aniversar Enviado por rocco antonio cobucci - rcobucci@hotmail.com
Publicado em 15/02/2012 Recordações alegres, tristes, apaixonadas e entusiasmadas, sempre voltadas para os que já nos deixaram Parabéns, Glerean.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 13/02/2012 Álvaro, doces lembranças que você compartilha conosco. Enviado por Cida Micossi - cida.micossi@gmail.com
Publicado em 12/02/2012 Belas lembrança de um lugar que também marcou minha vida, pois no inicio dos anos sessenta morei lá naquela Vila de casas na Rua Jaraguá quase na esquina da avenida Rudge de onde minha avó me levava subindo o Viaduto para estudar no Externato Dino Bueno. Bons tempos e belos lugares. Grande abraço. Enviado por Alfred Delatti - alfredpd@gmail.com
Publicado em 12/02/2012 Alvaro. Boas lambranças, pois estudei no Liceu Coração de Jesús.Lembro-me muito bem daquela área. Escrevi um texto de nome "Zona do Maretrício". Se publicarem, não deixe de ler. Você reconhecerá as ruas ali descritas.
Gostei de ler sua narrativa. Abraços. Anthony
Enviado por Anthony Mennitto - mennitto@comcast.net
Publicado em 12/02/2012 Legal, Alvaro, suas lembranças do Bom Retiro. De 65 a 67, fiz o Clássico no (antigo) Alarico, entrada pela Anhaia ou pela rua dos Italianos. Estudei com a Cleonice, irmã do Barbosinha (ex goleiro do Corinthians), cujos os pais moravam na Faculdade de Farmacia da Tres Rios, se não me engano.É, meu caro, belas e benditas recordações.
Abraços
Enviado por Marco Antonio (Marcolino) - advancedtop@bol.com.br
« Anterior 1 Próxima »