Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Árvore Autor(a): Ana Regina Carnevalli Parra - Conheça esse autor
História publicada em 25/05/2012
Galhos abertos
incontáveis,
voltados para o céu
na Consolação.

Há muito,
sem nenhuma folha.
Cor prata predomina.

Solitária,
sem sombra.
Latente
ou
morta,
não importa.

Firme,
numa porta,
parece mesmo
natureza
morta.


E-mail: arcparra@ig.com.br E-mail: arcparra@ig.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 27/05/2012 Ana. Igual a um relâmpago e de forma tão bela
você disse tudo, depressa demais.
Li tudo em segundos, gostei muito dela.
Abriu-me o apetite, fui dormir com vontade de ler muito mais. Parabéns.
Enviado por Arthur Miranda - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 26/05/2012 Cor prata, sinal dos tempos.
As árvores são como nós ,começam a morrer pela copa.
Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 26/05/2012 Ana, parabéns pelo texto, mesmo no cenário de tristeza pode-se fazer poesia, abraços, Leonello Tesser (Nelinho).- Enviado por leonello tesser (Nelinho) - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 25/05/2012 Escrever eu acho fácil, as palavras vão caminhando sozinhas, soltando-se e formando o texto. Agora, poesia é um cantar, precisa de sonoridade, de cadência e de talento, muito talento. Parabéns!. Enviado por Trini Pantiga - trinesp@ig.com.br
Publicado em 25/05/2012 Ana Regina, como vai? Gostei de seu texto, uma espécie de Haikai estendido (seria pssível um haikai estendido e sem harakiri?), sintético,definitivo. Parabéns!
Ignacio
Enviado por joaquim ignacio de souza netto - joaquim.ignacio@bol.com.br
Publicado em 24/05/2012 Ana, você fez um breve retrato da vida e muito bem elaborado, de forma poética, sincera e real. Triste e, ao mesmo tempo, uma manifstação do transitório, da beleza exuberante quando condenada à solidão. Em plena rua da Consolação. Paradoxal, não é? Ao mesmo tempo, muito instigante. Riquíssimo texto. Meus parabéns e um abraço. Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 24/05/2012 Ana, adoro seu minimalismo, parabéns! Enviado por Pedro Cardoso - piparoda@gmail.com
Publicado em 24/05/2012 Versos que nos fazem esquecer as folhas que faltam. Parabéns, Parra.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »