Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Vila Pompeia, Indústrias Matarazzo, Lapa e Vila Romana Autor(a): Marcos Rogerio Pereira Gonçalves - Conheça esse autor
História publicada em 06/07/2012
Quando eu era pequeno minha avó contava a história do grande industriário Matarazzo, com suas fábricas enormes (uma na Lapa), as indústrias reunidas Matarazzo Petybon, na esquina da Aurélia com a Rua Fábia e Coriolano. Logo na mesma rua, abaixo, a Melhoramentos, na Rua Tito e, nessa mesma rua, a Faber Castell, esquina com Barão de Bananal, na Pompeia. Seguindo em frente, atravessa a Pompeia em sentido Rua Padre Chico existia a antiga fábrica dos brinquedos Troll. Alguém se lembra da Troll? Era na Rua Padre Chico, esquina com a Rua Diana, hoje, prédio da Secretaria da Educação, ao lado do Colégio Miss Browenn, em frente ao posto Petrobras, voltando para Francisco Matarazzo, em frente ao Palmeiras.

Sabe por que o Palmeiras existe? Foi graças ao conde Francisco Matarrazzo, com seus funcionários, que fundou um clube em frente à indústria dele para se divertir e, hoje, o Palmeiras só existe graças ao italiano Palestra Itália, porque foi o Matarazzo quem fundou. Mas, o Palmeiras não que saber da história e, por isso, quando você passa em frente ao Palmeiras, na Rua Turiassu, no bairro da Pompeia, não tem mais “Palestra”. Tiraram o nome que ele deu. As cores mudaram era italiana. As cores azul, verde escuro, vermelho e verde, a camisa branca.

Não se esqueça: ao redor do Palestra Itália, situado entre a Avenida Francisco Matarazzo em sentindo a Avenida Antártica, colado com o Palmeiras, tinha o depósito da Antártica, de cervejas e refrigerante, por isso o nome Avenida Antártica. Na Rua Turiassu, esquina com Avenida Pompeia, em frente ao Sesc, ao lado direito, existia o famoso Shopping Center Matarazzo e, ao lado, o depósito da Brahma, cerveja e refrigerante. Na Avenida Matarazzo, a famosa fábrica Francis, sabonetes e vários produtos, até mesmo o sabão Razzo. Também nessa avenida tinha a fábrica Eucatex, de forro, da família Maluf, que era terreno do Matarazzo.

Por favor, queria que vocês lessem minha história, vejam se está tudo certo e me corrijam se eu estiver errado porque essa foi uma história contada pelos meus ancestrais que trabalharam na Pompeia, na indústria do Matarrazzo. Vejam se eu contei certo a história das indústrias e mandem a história verdadeira caso eu esteja errado.

Esqueci... Na Rua Roma, com a Rua Catão, tinha as fábricas da Cinzo e Leopardo, fábrica têxtil de blusas, Leopardo, canetas e brindes. Hoje, a maioria, foi demolida. Agora existem prédios, uma quadra abaixo do Hospital Sorocabano.


E-mail: marcolino.rogerio@gmail.com E-mail: marcolino.rogerio@gmail.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 26/10/2012 Sua história é verdadeira, os palmeirenses não admitem, mas se vc pegar a ata de fundação do clube vai observar que a maioria eram funcionários do matarazzo que inclusive sedeu muitos bens aos porcus. Enviado por josedasilva - josedasilva@mailfreeway.com
Publicado em 13/08/2012 Olá, que saudades desses tempos, tudo que relatou é verdade e me lembro bem, nasci na Padre Chico e morei até os 51 anos, mudei-me para perto na av Pompeia, e acrescentando a esse delicioso relato, cito, os cines Pompeia e Astral, um ficava na rua Tucuna e o Outro na rua Cotoxo, e o famoso liceu Tiradentes na Alfonso Bovero, e tantas outras que com certeza passariamos dias e dias escrevendo todas essas lembranças, valeu pessoal e voltem a escrever lembrando de locais, Abraços Enviado por Francisco Tavares - bitcan@ig.com.br
Publicado em 13/08/2012 Olá, que saudades desses tempos, tudo que relatou é verdade e me lembro bem, nasci na Padre Chico e morei até os 51 anos, mudei-me para perto na av Pompeia, e acrescentando a esse delicioso relato, cito, os cines Pompeia e Astral, um ficava na rua Tucuna e o Outro na rua Cotoxo, e o famoso liceu Tiradentes na Alfonso Bovero, e tantas outras que com certeza passariamos dias e dias escrevendo todas essas lembranças, valeu pessoal e voltem a escrever lembrando de locais, Abraços Enviado por Francisco Tavares - bitcan@ig.com.br
Publicado em 09/07/2012 Ouvi muito isso, a respeito da mudança para Palmeiras, que o que evitou a extinção do clube, a conseqüente eliminação na Federação Paulista de Futebol, muito se deveu ao notável Higino Pelegrini, um dos grandes nomes na História do clube. Ele que, muito inteligente e muito hábil, mudou o nome para Palmeiras, deu entrada na Federação, fazendo com que ninguém pudesse evitar que o Palmeiras entrasse em campo e decidisse o título do Campeonato Paulista de 1942, o primeiro título com o novo nome, nascendo aí o bordão "O Palestra morreu líder e o Palmeiras nasceu Campeão". Vitória de 3x1 sobre o São Paulo, o saudoso Cláudio Christóvam de Pinho, o chamado Professor de Futebol, extraordinário craque e extraordinário caráter, um dos nomes mais respeitados na História do Futebol, foi autor do primeiro gol com o nome de Palmeiras. Enviado por Pedro Luiz Boscato - plboscato@uol.com.br
Publicado em 08/07/2012 No seu delicioso relato, Marcos, eu como trabalhei 15 anos no Matarazzo posso te dizer que sobre a fundação do Palestra Itália, (hoje, Palmeiras)há um pequeno equívoco. Há, entre nossos colaboradores pessoas com mais conhecimento que irão satisfaze-lo. Nem por isso a sua crônica deixa de ter a prazeirosa atração. Parabéns, Marcos Rogerio.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 08/07/2012 MARCOLINO, o palmeiras, eo cruzeiro de minas gerais, tinha o nome de PALESTRA ITALIA.tiveram que mudar o nome por causa da guerra. onome certo eraINDUSTRIAS REUNIDAS FRANCISCO MATARAZZO.
O SAO PAULO FC, queria roubar o parque antartica do palmeiras,o GETULIO VARGAS NAO DEIXOU,entao roubaram o caninde dos ALEMAES,
Enviado por joao claudio capasso - jccapasso1@hotmail.com
Publicado em 07/07/2012 Marcos, passeei com as suas lembranças de forma bastante agradável. Só uma coisa (a Regina tem razão). Apenas completando: durante a II Guerra Mundial, o presidente do Brasil era o Getúlio Vargas. Como, em 1942, ele declarou guerra ao Eixo Roma-Berlim (nazifascismo), a cultura italiana e alemã foram reprimidas com rigidez no nosso país. Assim, não se podia falar essas línguas publicamente, os meios de comunicação sofreram com a censura articulada pelo DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), as escolas das colônias foram fechadas e muita gente foi perseguida prá valer. Dentro dessa lógica, um clube que levava o nome da Itália não teria condições de se manter. A alternativa era mudar de nome. Algumas colônias de Santa Catarina - moro em Florianópolis - também tiveram que mudar de nome. Então, existe o município de São João Batista, onde antes era Nova Itália, pois foi a primeira colônia italiana aqui no Estado. Os nomes das ruas foram mudados - em várias cidades. Outro exemplo: em Blumenau - fundada em 1850 - a avenida principal se chama 15 de Novembro, mas o que os alemães pioneiros têm a ver com a República??? Foi um período bastante conturbado no país.
Parabenizo a sua iniciativa. Gostei muito do seu texto, mas aceite essa pequena contribuição. Um grande abraço.
Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 07/07/2012 Saudade de tudo isso, não morei na Lapa, mas passei por vezes trabalhando, convivendo com seus moradores, que bem que seu texto me fez em relembrar de tudo. A Trol, quem não se lembra? Brincamos muito e eramos felizes! Parabéns pela escrita.
abraço
MC
Enviado por mary clair peron - clairperon@hotmail.com
Publicado em 06/07/2012 Nossa, é tudo verdade, quando li, sua história, lembrei que fui com a minha irmã, fazer um teste de datilografia, na Rua turiassú, na Fábrica da Antartica. E comprávamos bolachas na Fabrica da Petybon, eles vendiam a varejo as bolachas quebradas, e era bem barato, Fazia fila para comprar os famosos sticks de chocolate. Não podemos esquecer que na Rua Clélia, tinha ali instalada a famosa Fabrica de Zorba. Com esses mesmo nome. Trabalhei unn dois meses lá.Ficava quase próximo ao SESC Pompéia. Enviado por Walkiria Andrade - walandrade@ig.com.br
Publicado em 05/07/2012 Marcolino, segundo consta, o Palestra teve de mudar seu nome, teve de deixar de ser Palestra Itália, em 1942 ou 1943, devido à Segunda Guerra Mundial. Tudo que era italiano ou alemão , sofreu as consequências por serem aliados na guerra e inimigos do Brasil. Devido a isso, o nome Palestra Itália teve de ser trocado para Palmeiras.
Segundo meu marido Igor, a colônia italiana, em 1910 fundou o Sport Club Corinthians Paulista. Em 1914, houve um desentendimento na Diretoria e a parte dissidente fundou o Palestra Itália.
Essa história quem contou foram os avós do meu marido, descendentes de italianos.
Não sei se corresponde totalmente à verdade mas, no colégio também aprendi que na época da guerra, as empresas de nacionalidade dos aliados dos alemães sofreram, fechando ou trocando sua razão social.
Parabéns pelo texto! Abraço Célia
Enviado por Regina Célia de Carvalho Simonato - rccsimonato@hotmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »