Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Meu cobertor xadrez Autor(a): Benedita Alves dos Anjos - Conheça esse autor
História publicada em 02/08/2012

Lá na minha chácara tem um cobertor xadrez.

Não dou, não vendo, nem empresto.

Faz parte da minha história e está aqui na minha memória.

Quando morava no pensionato da Av. Nazaré, o ano não me lembro - tenho lapso de memória, ainda desempregada, o frio era intenso. Então cobríamos com jornal, todavia as irmãs boazinhas arrumavam um cobertor para cada uma, mas o inverno era mais rigoroso.

Aí a Regina me arranjou um emprego no Comind. Com o primeiro salário adivinha o que fiz? Comprei um cobertor.

Já tive tantos, pois costumo doar, mas aquele cobertor xadrez ainda está comigo.

Nem precisam publicar, mas preciso escrever, escrever, escrever, para não esquecer que a minha vida não foi em vão.

Os jovens de hoje não tem a garra que nós da antiga geração tínhamos de vencer os obstáculos a qualquer custo.


E-mail: dosanjos81@gmail.com

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 05/08/2012 Sabe, lembrei que tive um cobertor que me foi dado por uma senhora portuguesa que era minha vizinha quando me casei. Ele não era novo mas era feito de retalhos de casimira com enchimento tipo matelassê costurado a mão, o forro de um tecido singelo, todo de florzinhas azuis.Tanto elogiei(sem interesse nenhum) aquele trabalho que quando a Senhora faleceu, a filha dela deu ele pra mim. Aquele cobertor era tão aconchegante que eu ficava emocionada cada vez que cobria meus pés no sofá da sala, ou as crianças...Passaram anos, tinha apego ao cobertor, um dia levei para o sítio e deixei com minha mãe que aproveitou bastante, depois de muito tempo levei pra casa novamente e parecia que a saudade estava menos pesada...Mas, como o tempo passou ele começou a esgarçar e se tornou impossível de usá-lo, então, tive que me desfazer dele...As vezes, no frio, eu ainda lembro daquele cobertor e parece que ao abrir o guarda roupas ele vai estar lá me esperando.
Ah! Se as coisas falassem!
Parabéns pelo texto. Escreva sempre para nos deliciar com suas histórias.
MC
Enviado por mary clair peron - clairperon@hotmail.com
Publicado em 02/08/2012 Lamento que jovens não leia muito ainda mais a história do cobertor.
Um abraço.
Enviado por vilton giglio - viltongiglio25@gmail.com
Publicado em 02/08/2012 É Benedita, como vc também tenho até hoje o meu cobertor de infância ele é marrom com um desenho verde no barrado, lembro que uma tarde em SP estava ardendo em febre por causa do sarampo.
Então eu via meu cobertor todo enrolado em cima do guarda roupa, depois via esse mesmo cobertor me cobrindo, acho que estava delirando.
Ficou na casa da minha mãe até ela falecer, aí eu trouxe ele para minha cada, muitas vezes já pensei em doá-lo mas o apego fala mais alto.
Beijos Julia
Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 02/08/2012 Fiquei pensando que não sobrou nada da minha infância a não ser lembranças...Mas minha tia Idalina deixou para minha mãe um quadro em bronze quando partiu.Ele ficava na parede da sala da nossa modesta casa.Quando minha mãe também foi embora dei ele de volta para minha prima que também colocou no melhor lugar da sala,e eu amo vê-lo de vez em quando. Enviado por walquiria rocha machado - walquiriarocha@yahoo.com
Publicado em 01/08/2012 Benedita, que bom que foi publicado, seu texto alavanca a garra de todos nós, tantos os que como nós foram jovens, como os que ainda o são. Acho que todos nós temos uma relíquia como o seu cobertor xadrez do qual não abrimos mão. Parabéns. Enviado por Arthur Miranda - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 01/08/2012 Ditinha. Quer casamento mais autêntico do que um velho cobertor para as noites frias em uma chácara? Pois, seu cobertor pode ser considerado, como se diz aqui no nordeste, um 'bem de Maroca - não se dá, não se vende e nem se troca'. Abraços. Enviado por Nelson de Assis - nel.som55@yahoo.com.br
Publicado em 01/08/2012 Parabéns por nos contar com tantocom tanta autenticidade a sua ligação com o seu cobertor xadrez. Guarde-o sim, pois assim voce se sente mais perto do seu passado que deve ter sido apesar de sofrido muito lindo.
Escreva mais. Adorei!
MC
Enviado por mary clair peron - clairperon@hotmail.com
Publicado em 01/08/2012 Verdadeira verdade, Benê...Verdade verdadeira...
Meus respeitos
Ignacio
Enviado por joaquim Ignacio de souza netto - joaquim.ignacio@bol.com.br
Publicado em 01/08/2012 Eu também tenho o meu cobertor xadrez que só tem 37anos , minha mae comprou a prestação de um mascate, como ela não podia comprar para todos de uma vez foi comprando um pagando e comprando outro ate poder dar 5 cobertores para os 5 filhos. Enviado por Sueli Aparecida LOPES - SUELILOPES_@HOTMAIL.COM
« Anterior 1 Próxima »