Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Matando aula Autor(a): Luiz Carlos Marques - Luigy - Conheça esse autor
História publicada em 20/11/2012

A maior parte da minha vida estudei em escola pública. Mas quando tinha onze anos inventaram que eu tinha que estudar em um colégio de padres. Meus pais me tiraram da escola pública para estudar em escola particular. Até então ia para a escola a pé em companhia de outros colegas. Na ocasião, morava na Avenida Santo Amaro (zona sul) e me matricularam no Colégio Santo Alberto na Rua Martiniano de Carvalho, no Bairro da Bela Vista – Bixiga, bem próximo ao centro da cidade. Era preciso tomar um ônibus Vila Helena, Canal 7.

Nunca fui de arrumar confusões e brigas na infância.
Certa vez dois garotos da escola brigaram no ponto de ônibus próximo a escola. O secretário da escola apareceu e logo acabou dispersando toda aquela confusão. Mas ele anotou o nome de todos os alunos que esperavam a condução. Acabei sendo envolvido em uma briga no ponto de ônibus sem ter participado de nada. Não conhecia ninguém presente ali, mas meu nome fora colocado na lista.

Ao dar entrada na escola os alunos deixavam sua caderneta escolar na secretaria. Ao final das aulas os alunos retiravam a mesma. Ao receber a minha notei que havia uma observação: “Seu filho esteve envolvido em confusões na área externa da escola e no ponto de ônibus”. Como isso nunca tinha acontecido comigo não dei muita bola para o assunto.

No dia seguinte, ao entrar, fui barrado por não ter trazido a assinatura de meu pai na caderneta. E por isso acabei levando uma segunda observação: “O aluno foi irresponsável por não trazer a assinatura e perdeu a prova de Francês”. Fui mandado de volta para casa.
Acabei fazendo gazeta para voltar para casa (era sexta-feira).

Na segunda-feira, a página da caderneta era virada, pois começava uma outra semana. Pensei então que ninguém notaria que não fora assinado. Fui levado a diretoria e levando mais duas observações, uma dizendo que havia sido negligente e outra por ter faltado a missa, pois não havia o carimbo do padre. De repente, vi que tinha colecionado quatro observações, para mim descabidas, mas que manchavam minha caderneta. O que fazer? Apagar? Jogar fora? Falsificar? Um imenso pavor tomou conta de mim.

No dia seguinte, sai de casa com lanche e fui até a porta da escola, mas não tive coragem de entrar, pois poderia levar outras. Acabei entrando na igreja colada a da escola. Acabei descobrindo uma escada que levava aos sinos. Naquele momento a igreja esta vazia. Tomei coragem e fui subindo até chegar ao seu final. O local dava para uma sacada com uma linda visão do bairro. E mais um lance de escada levava ao campanário, o local onde ficavam os sinos. A cada 15 minutos tocavam os sinos anunciando o passar das horas.

Na subida ao campanário encontrei dezenas de revistas em quadrinho que contavam cada uma a vida dos vários santos da Igreja. Passei ali a manhã toda lendo as revistas e comendo meu lanche. Ao soar os sinos do meio-dia encerravam-se as aulas. Desci então e fui pra casa. No dia seguinte levei mais dinheiro e resolvi mudar o esquema. Resolvi passar o dia no Parque do Ibirapuera. Arrumei um cantinho no meio das árvores pertinho do lago onde alugavam barcos a remos e a motor e ali passei a maior parte da manhã. Com a mochila cheia de gibis fiquei lendo, descansando e comendo.

Ao voltar para casa, dou de cara com o secretário da escola conversando com meu pai. Entrei de fininho, já esperando a desgraça acontecer. Pouco tempo depois entra meu pai com a cinta já nas mãos e me pegou de jeito. Levei a maior surra de minha vida. Meu pai me jogou na cama e bateu sem dó. Às vezes ele se cansava e parava para descansar e depois recomeçava. Essa foi a primeira e última surra que tomei. Aprendi lição.


E-mail: luigymarks@uol.com.br

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 21/11/2012 A lição, acredito, doeu mais do que as anotações na cadernetra. Coisas que formasm o caráter das crianças.
Hoje seu pai poderia até ser denujnciado e condenado.
A lição não foi denunciada e você está aqui são e salvo, e ainda mais, trilhando o caminho da verdade. Valeu!
Enviado por Miguel S.G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 21/11/2012 Injustiça é uma das piores dores que marcam a gente.A regra dos pais de antigamente eram apenas
bater sem ouvir ou verificar a razão.
Lembro da minha mãe batendo nos meus irmãos e
explicando o porque das chineladas.Nunca fomos
agredidos com cintas ou paus nem nas piores
travessuras.Minha mãe era muito paciente e odiava
agressão,ela não deixava os filhos brigarem de se atracar ou ficarem de mal,isto ficou gravado com carinho dentro de mim.
Enviado por walquiria rocha machado - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 20/11/2012 Luiz Carlos - Como morei e cuidei da Igreja do Cristo Rei no Tatuapé, tinha livre acesso em toda parte da Igreja. A minha turma de Congregados Marianos um dia queriam subir na Torre para conhecer os sinos. Fui com quatro deles, e um deles sugeriu para ficarmos lá em cima jogando buraco. (tinhamos campeonato de buraco lá na Igreja) Eles foram acustumando e um dia subiram sem a minha companhia. Subi até a sacada e fiquei ouvindo para saber se eles estavam lá em cima. Comprovado a presença deles puxei a corda e toquei um dos sinos. A torre tinha cinco lances de escadas (cada uma com mais ou menos 30 degraus) Sai de mansinho e fiquei escondido atrás dos bancos, e vi chegando o vigario Padre Germano entrando na porta de acesso a torre e em seguida saindo correndo cinco deles quase trombando com o vigário. Uma das minhas histórias de adolecente. Abraços... Enviado por Jose Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 20/11/2012 Luiz, voce estava no lugar certo, porem na hora errada e o seu medo fez piorar as coisas, mas antigamenhte era assim mesmo, os pais não perdoavam nada, eu quando brigava na rua e chegava em casa apanhava do meu pai, ele nem queria saber se eu bati ou apanhei, valeu,Estan. Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »