Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Indústria da alegria e um poema Autor(a): Vilton Giglio - Conheça esse autor
História publicada em 25/02/2013

Temos em São Paulo indústrias de todos os tipos e imagináveis com seus inventores e empreendedores até se reinventando, mas essa que existe há 50 anos é uma das poucas e dirigida por um de seus fundadores, com exportação para outros países. Começou em São Paulo, passou por alguns dissabores até com a morte prematura de um de seus fundadores, bairro do Ipiranga, cresceu tanto que mudou-se para o Embu-Guaçú, em uma área de quase 11 mil metros quadrados, a indústria da alegria chama-se Gope, onde grandes artistas contribuíram para seu grande desenvolvimento, da geração 60, 70, 80 e até hoje, todos da jovem guarda.

As escolas de samba, fanfarras, conjuntos musicais, bandas, trios, enfim, onde há espetáculos, há um instrumento musical da empresa. Como nosso coração, a ala “Bateria” é o coração das agremiações carnavalescas, lá estão os tambores, apitos, cuicas, caixas, etc.

Em homenagem ao Carnaval, à Bateria, a São Paulo, deixo aqui um poema do poeta “moçambicano”, José Craveirinha, chamado: Quero ser tambor

“Tambor está velho de gritar
Oh velho Deus dos homens
deixa-me ser tambor
corpo e alma só tambor
só tambor gritando na noite quente dos trópicos.

Nem flor nascida no mato do desespero
Nem rio correndo para o mar do desespero
Nem zagaia temperada no lume vivo do desespero
Nem mesmo poesia forjada na dor rubra do desespero.

Nem nada!

Só tambor velho de gritar na lua cheia da minha terra
Só tambor de pele curtida ao sol da minha terra
Só tambor cavado nos troncos duros da minha terra.

Eu
Só tambor rebentando o silêncio amargo da Mafalala
Só tambor velho de sentar no batuque da minha terra
Só tambor perdido na escuridão da noite perdida.

Oh velho Deus dos homens
eu quero ser tambor
e nem rio
e nem flor
e nem zagaia por enquanto
e nem mesmo poesia.
Só tambor ecoando como a canção da força e da vida
Só tambor noite e dia
dia e noite só tambor
até à consumação da grande festa do batuque!
Oh velho Deus dos homens
deixa-me ser tambor
só tambor!”
 

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 26/02/2013 Que gostoso, Vilton. Aproveitei para sambar junto. Parabéns e um abraço. Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 25/02/2013 Muito obrigada querido.
Lindo.
Enviado por Narjara - atendimento@gope.net
Publicado em 25/02/2013 Vilton, bonito texto e homenagem. Um abraço. Enviado por margarida peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 24/02/2013 Sr.Paulo, lembro-me quando quiseram acabra conosco, feirantes. Mas felizmente nada aconteceu.pois o velho Deus dos homens queria ser tambor com voçê tão bem descreveu. Mues parabéns e venho nos visitar aqui no Brás; Parabens pelo sua estória. Enviado por Paulo Nakamura - paulonaka@uol.com.br
« Anterior 1 Próxima »