Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias "Pecadilhos da velhice" Autor(a): Modesto Laruccia - Conheça esse autor
História publicada em 26/02/2013

“La vechiaia e bruta, ma fa piaccieri” – “A velhice é feia, mas é prazerosa”

Como faço todos os fins de semana, um sábado, depois do café da manhã (pequeno almoço), vou para o Clube Continental que dista um quarteirão de minha casa, no Parque Continental, zona Oeste da cidade mais bonita e poderosa da América do Sul, São Paulo.

Armado de taco, vou passar algumas horas, trocar conversas com colegas e amigos, discutir, "brigar" pelos lances, as vezes, entrar em choque com parceiros e adversários, tudo em voz alta. E os diálogos são de uma "finura" indescritíveis, envolvendo parentes bem próximos, falecidos, vivos, associando safadezas com a profissão do adversário, sejam professores, médicos, empresários, advogados (o que mais tem), engenheiros e por aí a fora. Costumo fazer o pequeno trajeto a pé, o carro fica em casa, caso a Myrtes tiver que ir a uma das filhas ou ao supermercado.

Nesse dia, porém, fazia muito frio e minha amada me diz:
- "Mo, vá de carro, não vou sair, está muito frio".
E eu fui, estacionei perto do clube, entrei e fiquei jogando, das 10 até 13h30 mais ou menos, e fui embora depois de refrescar a "cuca", falando e ouvindo grosserias e bobagens. (Se vocês soubessem como isso faz um bem!) Sai, fui direto para casa, em cinco minutos estava na porta, fechada, (apenas o portão de correr nos trilhos, a casa sim, trancada sempre à chave). Pensei logo: a Myrtes deve ter ido ao supermercado ou a casa das filhas. Mas, por que fechar o portão da garagem? Já estava tirando as chaves do bolso quando me lembrei:
- "Pó, que “catzo” de cabeça a minha, fui de carro ao clube, tenho que voltar."

Aproveitei, abri o portão (faz um barulho alto que, dentro de casa você fica sabendo que alguém está entrando, o que estava acontecendo com a Myrtes) para entrar, direto com o carro. Virei as costas, sabia que ela, minha mulher, ouvindo, pensou: é o Mo. Não dei nenhum aviso, em poucos minutos estaria de volta e explicaria. Prestem bem atenção: no instante em que me virei, voltando ao clube, um carro, estacionado em frente a minha casa, não na guia rebaixada, um pouco mais para frente, deu uma tremenda saída, "cantando" os pneus com tal intensidade que parecia um soprano ligeiro, em uma área da "Madame Butterfly" quando ela vê o americano chegar, de braço dado com a esposa, americana naturalmente. (sobre a ópera, se vocês quiserem saber da história toda, eu conto depois) Continuei até o clube, peguei o carro e voltei para casa.

Entrei e logo a Myrtes veio me dizer:
- "Mo, você esqueceu alguma coisa no clube? E precisava voltar tão depressa, "cantando" os pneus com tanta raiva... você, assim vai parar logo, logo num sanatório... vai com calma, ninguém está te apressando...”
Sorrindo, expliquei tudo. O esquecimento do carro atrapalhou tudo e, nunca mais vou de carro para o clube.


E-mail: modesto.laruccia@hotmail.com

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 27/02/2013 Sr.Laruccia, está tudo bom e está tudo bem. Mas queria saber os detalhes das conversas no snooker; com certeza dará uma ótima história. Abraço un'altro vecchio. Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - ernestob1144@gmail.com
Publicado em 27/02/2013 Quando a gente fica velho e assim mesmo , da um branco na mente da gente que nao tem explicacao .As vezes acontece comigo .Tem dia que estou fazendo alguma coisa no fundo do quintal e vou a garagem a procura de alguma ferramenta ou coisa parecida , e ja na garagem nao consigo lembrar do que precisava , ai tenho que voltar ao quintal e ver o que estava fazendo para relembrar.Essa e a
"vechiaia qui e bruta! rs rs rs Abracos Felix
Enviado por Joao Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 27/02/2013 Modesto, o mais belo de sua história é o amor que une os dois. Você e a dona Myrtes são pessoas abençoadas. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslour_ti@yahoo.com.br
Publicado em 26/02/2013 Modesto, tudo isso faz parte da vida. O sr. jamais sairia cantando pneus desvairadamente. Foi apenas um esquecimento porque tinha - muito bem - esfriado a cabeça no encontro com os amigos - que deve te sido muito bom mesmo. Texto saboroso, como sempre. Um abraço, meu querido. Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 26/02/2013 Mo, conta mais...desvenda todo o mistério por favor! Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 26/02/2013 Que texto gostoso, sr. Modesto! Acompanhei-o ao clube, na volta para casa e no regresso ao clube! Lembrou-me o sr. Walter, meu sogro! Já lhe disse que seus textos são palpitantes e que nos levam junto durante a narrativa! Parabéns! Abraço Célia Enviado por Regina Célia de Carvalho Simonato - rccsimonato@hotmail.com
Publicado em 26/02/2013 Modestão, você me deu uma boa idéia, quando eu estiver namorando uma gata, dentro do carro e a minha mulher aparecer de repente, vou sair cantando os pneus e contar essa histótia para a dona da pensão, assim que voltar para a casa... abrs.. Enviado por Ailton Joubert - ailtonjoubert@hotmail.com
Publicado em 26/02/2013 O grande Mestre, só não conta as "escapadas" que ele dava e que ao que consta até hoje ele ainda as dá. risos. Quanto ao meu mano ele é casado pela quinta vez e é um "especialista" no assunto. risos.Aquele abração Mestre Modesto. Enviado por asciudeme joubert - asciudeme@ig.com.br
Publicado em 26/02/2013 Fui ao mercado com o carro da minha filha
que é a mesma marca que o meu .Enchi o carrinho e saí me achando empurrando aquele peso com as rodas duras e... ai meu Deus cadê meu carro? será que roubaram...Andei me arrastando pelo estacionamento a fora e nada...Pedi ajuda ao segurança,e disse; é um mercedes classe A prata placa...depois de muito tempo ele voltou e disse;só tem um mercedes azul marinho placa...aí lembrei que estava com o carro da minha filha e não com o meu.
Enviado por walquiria rocha machado - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 26/02/2013 Modesto, senti que ficou algo no ar. Conta aqui ou vai contar ao vivo lá na Conchetta. Um grande abraço. Enviado por margarida peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »