Leia as Histórias

Categoria - Personagens Tio Áureo Autor(a): Regina Célia de Carvalho Simonato - Conheça esse autor
História publicada em 14/03/2013

Era uma figura ímpar. Quando o conheci, ele tinha os cabelos claros já apresentando fios brancos, que realçavam aqueles olhos azuis que pareciam estar sempre à espreita para descobrir algo engraçado, ao mesmo tempo em que parecia que via o fundo de nossa alma!

Era tio do meu marido, irmão da Dona Bia, minha sogra. Era seu irmão "companheirinho de sempre", como ela dizia. Desde pequeninos, iam os dois por um longo trecho a pé, após a escola, levar a comida quentinha para o seu pai, que trabalhava no Belém. Na volta, apesar da pouca idade, traziam um saco de carvão cada um. Certo dia, resolveram reclamar com o vô Olindo que era muito pesado para eles carregarem e ganharam, como prêmio, o privilégio de levarem um saco ainda maior! Nunca mais reclamaram de nada nessa vida!

Era uma pessoa sempre de bem com a vida, alegre, “aprontão”, bem humorado! Quando era jovem, não se sabe por que, simpatizou com o Meneghetti, que estava preso, e ia, todos os domingos, na prisão, levar uma macarronada fresquinha para ele! Assim era o tio Áureo! Foi a primeira pessoa a trabalhar com computador na Sabesp e isso sempre foi motivo de grande orgulho para ele. Até há pouco tempo, mesmo aposentado, no fechamento do mês, ainda ia àquele órgão para ajudar os colegas na tarefa tão sua conhecida!

Sempre teve muitos problemas de saúde - colecionou vários tipos de câncer - mas parece que conseguia driblar todos eles. Ligava para a Dona Bia e quando ela, chorando, lhe perguntava como ele estava, respondia sempre com uma piada, sempre de bom humor, como se estivesse falando de outra pessoa! Teve época de que seu estado era tão crítico, que quando tinha de ir a algum lugar tinha de ligar antes para que se retirassem de lá mulheres grávidas e crianças (acho que ele estava se tratando com iodo radiativo, não tenho certeza)!

Certa vez, no Hospital das Clínicas, um médico norte-americano iria fazer uns testes com alguns pacientes e, para tanto, resolveu entrevistá-los antes. Adivinhem quem foi um dos escolhidos? Pois é, o próprio! O médico lhe disse, na época, que sua alegria e seu bom humor já configuravam metade da cura... Em outra situação, foi ao médico e reclamou que o joelho esquerdo estava muito dolorido (ele usava bengala), ao que o médico retrucou, brincalhão:
- "É, seu Áureo, o senhor precisa ver que esse joelho já tem sessenta e dois anos!"
O tio não se deu por vencido e respondeu:
- "É verdade, doutor, mas esse outro joelho tem a mesma idade e não dói nenhum pouquinho!"

No ano passado, a doença finalmente o venceu! Acredito que com a sua ida para lá, o outro plano deve ter ficado mais alegre e feliz!


E-mail: rccsimonato@hotmail.com

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 17/03/2013 Regina, o tio Áureo era fundamental por aqui, mas de repente tornou-se necessário lá em cima, e Deus o requisitou. Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslour_ti@yahoo.com.br
Publicado em 15/03/2013 Ele se foi,mas deixou uma história de vida
inigualável...As pessoas que nos passam otimismo e alegria,mesmo com dores e tristezas serão sempre lembradas com admiração e respeito.
Enviado por walquiria rocha machado - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 14/03/2013 Não há sofrimento que não tenha um fim e levando na esportiva, a pessoa sente menos ainda. Tomara que esteja na boa!, No paraíso.
São os tios: Vocês não vão acreditar, mas, eu tive 40 tios (tias). 20 por parte da mãe e 20 por parte do pai. Eram ao todo, 11 irmãos em cada família.
Enviado por Clesio de Luca - clesiodeluca@yahoo.com.br
Publicado em 14/03/2013 Regina, como é bom ter na família um tio com o seu.Ele deixou a marca e boas lembranças para todos vocês. Valeu esta homenagem e que ele siga em paz. Um abraço. Enviado por margarida peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 13/03/2013 Regina Célia - Acredito que cada família tenha esse tipo de pessoa, espirituosa, alegre, brincalhona e que não está nem ai. Na nossa era o tio “Luiz” Palmeirense. No final de sua vida ficou cego, mas não deixou se abater, continuando ser a pessoa alegre de sempre. A sua partida deixou um vazio na nossa família. Torço para que o Sr. Áureo encontre com ele e formem aquela dupla do barulho, no bom sentido, Forte abraço ... Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 13/03/2013 Regina, há pessoas que são saborosas, encantadoras, divertidas, e esse seu tio foi uma delas.É um privilégio termos alguém assim em nossa família. Amei seu texto! Enviado por Trini Pantiga - trinesp@ig.com.br
Publicado em 13/03/2013 Regina, que santo privilégio a sua família teve na convivência com o tio Áureo. Tem gente que nasce para clarear o mundo, deixando um perfume sem igual por onde passa. Que vida linda ele teve. Quantas bênçãos. Já que ele partiu e era uma pessoa tão singular,única, feliz e apaixonada pela vida, deve ter encontrado a minha tia Norma no andar de cima e devem estar se dando muito bem. Com certeza, a conversa entre eles está animada. Lindo texto, minha querida. Sempre cheio de respeito e de fina sensibilidade. Tenho um enorme prazer em ler os seus relatos. Um beijo. Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
« Anterior 1 Próxima »