Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Não acolhi a Vila Maria, foi ela que me acolheu Autor(a): Leonice Gonçalves Martins - Conheça esse autor
História publicada em 01/04/2013
Nasci no Paraná, em 1952. Em 1958 fiquei órfã de pai e mãe no mesmo ano. Fui trazida para São Paulo para a Vila Maria Alta. Como órfã ninguém é feliz em lugar nenhum... Antes, não conhecia meu avô nem minha avó madrasta. Foi uma infância marcada de muitas surras e humilhações... Mas essas coisas não valem nem apena lembrar...

Estudei nas Escolas Agrupadas Jardim Japão, conhecida depois como José Stopolis. Tiive uma professora maravilhosa chamada Agessia Michilotto, que me acolheu. Ela me dava lápis, cadernos, estojo, tintas, canetas... Era tudo usado, mas eram minha alegria.

Hoje eu a encontrei através do facebook. Mandei minha foto de formatura que tiramos juntas e ela disse que colocou numa moldura. Chorei muito de alegria, mas sinto muito, pois hoje os professores não são valorizados.

Enfim, casei na Igreja Santa Zita. Quem fez meu casamento foi o padre Antonio, ele tossia que só (risos)!

Tive três filhas, mudei de lá em 1980 para Artur Alvim, Sapopemba e hoje estou morando aqui no Guarujá! “Se chorei ou se sorri, na Vila Maria, emoções eu vivi"... A Vila Maria vai ser sempre o meu segundo berço, principalmente a Av. Dr. Benedito Estevão dos Santos.


E-mail: nicemartines@hotmail.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 04/04/2013 Leonice como é bom ver que você superou tudo e hoje pode contar, cantar e encantar com suas histórias. meus parabéns.
Abraços Julia
Enviado por Julia - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 02/04/2013 Que gostoso lembrar da nossa infância.Em algumas situações, temos que passar a borracha,posicionar a régua, fazer 180 graus com o compasso a assinar com a canetinha que somos mais que vencedores...Fui aluno do Enéas Carvalho de Aguiar - Vila Sabrina, bem seu vizinho Lenice,também queria achar minha saudosa professora Wilma Rodrigues. Bela história, ex-vizinha. Enviado por Edvaldo Sales Rios - sales_rios@hotmail.com
Publicado em 02/04/2013 Leonice, a vida foi muito dura com você, mas, pelo que se vê, não conseguiu te derrubar! Você superou as dificuldades e construiu seu próprio caminho, refez seu destino. Parabéns pela força e pelo relato! Escreva sempre, que aqui estamos sempre prontos a ouvir quem quer ou precisa desabafar, ou, simplesmente partilhar fatos. Abraço Célia Enviado por Regina Célia de Carvalho Simonato - rccsimonato@hotmail.com
Publicado em 02/04/2013 Leonice – Infelizmente você não teve o carinho dado pelos avos, em que a maioria dos netos recebem (em dobro) em suas vidas. Mas se olhar por outro lado você teve os seus pais adotivos que foram o Bairro Vila Maria e a Professora Agessia. Acredito que deva ter tido mais algumas pessoas amigas considerada por você como família. Ai está uma mulher forte, batalhadora, vencedora e que tem tres filhas para criar. Um conselho “excesso de carinho estraga”. Quem sou eu para dar esse conselho por tudo que você passou né? Forte abraço... Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 02/04/2013 A falta da mãe deixa um buraco enorme que nunca cicatriza...mas Deus lhe concedeu a felicidade de construir sua própria família e ser mãe.Pessoas como voce,nos enche de orgulho...Conte mais destas emoções vividas por voce na Vila Maria... Enviado por Walquiria rocha machado - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 01/04/2013 Leonice, seja bem-vinda ao site e seja feliz aqui, pois existe lugar para tudo: para memórias boas e dolorosas, risos, novas amizades e também há espaço para tristezas. Fico muito feliz ao saber que você sobreviveu a tudo e senti um aroma muito bom de dignidade da sua parte. Então eu digo: parabéns mesmo. Mesmo não estando bem em nenhum lugar, com disse, você está aqui, constituiu família, estudou e foi além. Mulher de fibra, de muita raça é assim e sinto orgulho em te conhecer. Um grande abraço, querida. Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 01/04/2013 Que linda história de vida, de superação, de tudo. Como professora fiquei encantada com sua professora. E a foto, então? Parece um conto de fadas; teve até o casamento e o príncipe encantado. Um abraço, Enviado por Trini Pantiga - trinesp@ig.com.br
« Anterior 1 Próxima »