Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Sears Roebuck Autor(a): Lygia Bradnick - Conheça esse autor
História publicada em 19/03/2007

O Natal começava pra gente no dia 1 de Dezembro, pois este era o dia em que íamos à Sears, no início da Av. Paulista, ali onde hoje se encontra o Shopping Paulista. Meu pai chegava em casa mais cedo, nós já estávamos prontos, eu de vestido novo, meu irmãozinho todo arrumadinho e de cabelo penteado. Íamos à pé, subindo a ladeira do Paraíso, passando pela mal-cheirosa cervejaria Brahama, dando uma paradinha na palelaria Caratin, onde eu comprava os meus humildes cartõezinhos de Natal, os quais me pareciam tão lindos.

Dali, passando pela Praça do Índio (uma estátua de um índio com um arpão tentando pegar um peixe dentro do laguinho), chegávamos à Sears, toda enfeitada para o Natal. Subíamos para o quarto andar, onde os brinquedos se encontravam, e ali passávamos momentos mágicos, sonhando com o que Papai Noel poderia nos trazer.

O mais estranho é que ele nunca trazia nada daquilo, só uns carrinhos para o meu irmão e uma bonequinha para mim. Mas assim mesmo sonhávamos, corríamos em volta de tudo, até que meu pai cansado e com fome nos chamava para ir comer no barzinho ao lado. Sempre pedíamos salsichas no espeto. Que delícia que eram aquelas salsichas!

Depois das salsichas com guaraná, tomávamos um sorvete bem grande ou comprávamos um pacote de pipoca na porta da Sears. Vínhamos embora para casa comendo a pipoca e eu toda feliz com meus cartões de Natal. Meu irmão ganhara um pacotinho de cavalinhos plásticos ou um soldadinho.

A lua sempre aparecia, branca e muito redonda, a gente até via estrelas nos céus de São Paulo. Estávamos cansados, porém muito felizes. Vínhamos pulando e sentindo que tudo era Natal.

Em casa ainda podíamos abrir o panetone e pegar um pedacinho antes de ir dormir. O Natal havia começado mesmo!

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 21/03/2007 Lygia.Que bela lembrança.Me lembro muito bem da Sears na 13 de maio.Foi a primeira e única loja,na época.Lá iamos frequentemente commeu pai,não só no natal, mas durante o ano todo.Ouvia-se o gongo eletrônico, avisando que alguma mensagem seria comunidada pelos auto falantes, pela moça que as transmitia.Um abraço.Paulo Enviado por Paulo Theodoro da Silva Fortes - theofort@terra.com.br
Publicado em 19/03/2007 Lygia,era exatamente assim que tudo acontecia!
Tudo muito simples....e sentíamos tanta alegria!
Salsicha,guaraná,soldadinhos de chumbo,vestido novo,a ponteira da árvore de natal,bonecas, o frango delicioso, a rabanada....
Tudo sem exageros!Acho que na medida certa!
Um abraço, marcia ovando *da próxima vez coloque o seu nome e,tb sobrenome!
Enviado por marcia ovando - marcia.ovando@bol.com.br
Publicado em 18/03/2007 Um Natal como mandava o figurino, ainda que da Sears ! Enviado por Luiz S.Saidenberg - saidenberg@ajato.com.br
Publicado em 18/03/2007 Lygia, tua lembrança cutucou a minha memoria e me lebrei que a melhor semente de caju torrada eu comia nas minhas visitas à Sears para comprar as famosas "calças emericanas" que era uma exclusividade da marca. Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 18/03/2007 Lygia,
voce não identifica em que ano se deu o relato, mas pode ter certeza que, em 1963, eu ia até a Sears para comprar a calça de jeans Sears Roebuck, aquelas que desbotavam em listas.
Boas as suas lembranças
Enviado por roque vasto - roquevasto@itelefonica.com.br
Publicado em 18/03/2007 a magia do natal eram a luzes, os enfeites, a alegria estampada nos rostos, enfim uma época de congraçamentos! Sears quantas saudades você deixou! Enviado por turan bei - turanbei@hotmail.com