Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Sears Roebuck Autor(a): Lygia Bradnick - Conheça esse autor
História publicada em 19/03/2007

O Natal começava pra gente no dia 1 de Dezembro, pois este era o dia em que íamos à Sears, no início da Av. Paulista, ali onde hoje se encontra o Shopping Paulista. Meu pai chegava em casa mais cedo, nós já estávamos prontos, eu de vestido novo, meu irmãozinho todo arrumadinho e de cabelo penteado. Íamos à pé, subindo a ladeira do Paraíso, passando pela mal-cheirosa cervejaria Brahama, dando uma paradinha na palelaria Caratin, onde eu comprava os meus humildes cartõezinhos de Natal, os quais me pareciam tão lindos.

Dali, passando pela Praça do Índio (uma estátua de um índio com um arpão tentando pegar um peixe dentro do laguinho), chegávamos à Sears, toda enfeitada para o Natal. Subíamos para o quarto andar, onde os brinquedos se encontravam, e ali passávamos momentos mágicos, sonhando com o que Papai Noel poderia nos trazer.

O mais estranho é que ele nunca trazia nada daquilo, só uns carrinhos para o meu irmão e uma bonequinha para mim. Mas assim mesmo sonhávamos, corríamos em volta de tudo, até que meu pai cansado e com fome nos chamava para ir comer no barzinho ao lado. Sempre pedíamos salsichas no espeto. Que delícia que eram aquelas salsichas!

Depois das salsichas com guaraná, tomávamos um sorvete bem grande ou comprávamos um pacote de pipoca na porta da Sears. Vínhamos embora para casa comendo a pipoca e eu toda feliz com meus cartões de Natal. Meu irmão ganhara um pacotinho de cavalinhos plásticos ou um soldadinho.

A lua sempre aparecia, branca e muito redonda, a gente até via estrelas nos céus de São Paulo. Estávamos cansados, porém muito felizes. Vínhamos pulando e sentindo que tudo era Natal.

Em casa ainda podíamos abrir o panetone e pegar um pedacinho antes de ir dormir. O Natal havia começado mesmo!

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 10/04/2011 Prezada Ligia gostaria de uma informação onde encontrar o responsável pela documentação da Sears no rio de janeiro pois preciso comprovar ao inss um periodo que trabalhei no depósito de ramos no rio,agradeço pela informação beijos. Enviado por José Manuel Osuna Garcia - j.osunagarcia@yahoo.com.br
Publicado em 28/03/2011 Trabalhei na Sears entre 79 e 87, ficando 7 anos na Sears Paraíso. Tenho muita saudade das pessoas que trabalharam comigo naquela época.Assim como a Creusa estou procurando por elas. Se tiverem notícias por favor entrem em contato. Muito obrigada. Beijos à Creusa Enviado por Emilia - esimon13@hotmail.com
Publicado em 24/03/2011 Um detalhe que também era uma marca registrada da loja era aquele aroma quando abriamos a porta da loja para entrar, a loja tinha seu proprio perfume, conheci uma pessoa que trabalho na SEARS e ela me disse que a empresa fez uma patente do aroma para ser uma identidade, ou seja, DNA. Enviado por eduardo - eduardo.keser@terra.com.br
Publicado em 22/02/2011 Trabalhei na Sears na década de 70! no Depto. de Propaganda na Água Branca. Que saudades!Foram os melhores anos de minha vida!Se pudesse voltar no tempo, gostaria de viver esse sonho novamente! Enviado por Gilberto Küchler - usinadeartes@ig.com.br
Publicado em 02/01/2011 MINHA ESTORIA É QUAZE IGUAL A DA LYGIA BRADINICK.
LEMBRO-ME NA MINHA INFANCIA NOS IDOS ANOS 50, EU
COM MEUS 7 OU 8 ANOS ACOMPANHADO DE MEUS TIOS E
PRIMOS ÍAMOS `NOITE NAS LOJAS SEARS VER AS VITRINES DE NATAL.LEMBRO-ME QUE NA FACHADA DA LOJA
HAVIA UM ENORME LUMINOSO DE NEON COM UM TRENO COM O PAPAI NOEL PUXADOS PELAS RENAS.
QUE MARAVILHA, PARECE QUE ESTOU VENDO TUDO DE NOVO
AGORA, OS BRINQUEDOS ME ENCHIAM OS OLHOS, E TAMBEM
VOLTAVAMOS Á PE PARA CASA (CASA MESMO)ALÍ PERTO R.OTAVIO NEBIAS.
Enviado por ROMEU CESAR TAVANO - repres.mello@ig.com.br
Publicado em 04/12/2010 Trabalhei na SEARS Agua Branca, 71 a 77 no Display
da corporação, com Augusto Manfredi, Mengod, Edy,
Richard, Adolpho, Tavares, Renato, Joãozinho, etc.
Tempo gostoso, ambiente muito bom, bons companhei-
ros, projetos e decorações das lojas, treinamento
e aprendizagem todos os dias, profissionalismo e
gosto pelo trabalho, saudade de todos, das lojas
e demais departamentos, abraços a todos e tenho o
NotiSears com o nascimento de minha filha 1975.
Enviado por Roberto Garcia Rodrigues - roberto.grodrigues@terra.com.br
Publicado em 15/10/2010 O natal começava para mim e meus irmãos quando o Mappim anunciava suas ofertas de natal. Lembro que meu pai comprava nossos presentes no Mappim da Praça Ramos e isso marcou minha infância. que tempo maravilhoso. Trabalhei no Mappim antes de sua falência e guardo grandes recordações. Enviado por RICARDO - ricardodias.reis@hotmail.com
Publicado em 14/09/2010 Ligia vc me trouxe a um passado cheio de alegrias.
Tbm fui moradora do bairro Pompeia, bem ao lado.Trabalhei na Sears (Central de Crédito)e fiz alguns desfiles de moda pela loja.Fui muito feliz e sabia bjos Saudades.
Enviado por Maria Helena Borelli - heleninhaborelli@hotmail.com
Publicado em 15/08/2010 Lygia
Esta sua descrição me levou aos tempos de infancia e adolescencia...eu também morava nas redondesas e cansei de ir à Searss e ao Caratin...rsrs...e ainda tenho um primo que casou-se com uma das filhas dele.

Mas, o principal motivo que me fez vir aqui é para informar aos antigos funcionários da Sars e da Susa, sua sucessora, que o arquivo morto das mesmas encontra-se nas mãos do Sr. José Ferro, no telefone: 3875 1775, desde sua fundação até o fechamento.
Enviado por Miriam Coelho - mduetto@terra.com.br
Publicado em 02/08/2010 Meu pai trabalhou na Sears por mais de 20 anos e eu cresci ali dentro. Quanta saudade... o cheiro das castanhas ficavam no corpo dele e este cheiro está na minha mente, ontem fez 19 anos que ele morreu. Depois que eu cresci e comecei a trabalhar no departamento de compras da Sears (Água Branca) e foram meus melhores 2 anos, em seguida tudo acabou... muito triste, mas quando vou ao West Plaza consigo visualizar tudo, é só fechar os olhos e sentir lembrar do cheiro. bjs Enviado por Patricia Cuter - patriciacuter@uol.com.br