Leia as Histórias

Categoria - São Paulo do século XXI Que dia é hoje? Autor(a): José Aureliano Oliveira - Conheça esse autor
História publicada em 02/09/2013

Caso eu pergunte que dia é hoje, a maioria dos meus amigos aqui do site, em um piscar de olhos ou usando a onomatopeia “vapt-vupt" (de imediato), já terá a resposta, como diria, já está na ponta da língua José. Pode ser o dia, o mês, o ano, o século e etc. que a resposta vem que por imediato, devido às tecnologias atuais embutidas em um pequeno celular, que dependendo do fabricante não pesa mais que 500 gramas.

Voltando ao passado, lá na Rua Tuiuti, no Tatuapé, dependendo do cômodo em que você encontrava-se (gente só havia três cômodos) teria que ir até a cozinha e olhar a folhinha atrás da porta para responder essa pergunta, caso não tivesse a resposta gravada na memória. Quanto ao horário, tínhamos aqueles despertadores com aqueles badalos em cima, ao tocar, acordava todo o quarteirão.

Os relógios de pulso eram analógicos e dependiam de nós para dar corda, dependendo do tempo de uso começavam a atrasar, onde criou-se aquele famoso bordão "relógio que atrasa não adianta". O Sr. Waldemar Fava, meu chefe da época, ganhou um relógio suíço, lindo, enorme, com vários ponteiros além dos que marcavam a hora e foi logo dizendo para mim: Olha aqui José o que eu ganhei, esse relógio que marca até a morte - risos. O galo como despertador para os mais novos, eles acham que é mito, mas para o pessoal da roça isso sempre funcionou.

Apesar de que, um dia desses, estava deitado e não eram nem 11h (23h) da noite e ao fundo eu ouvia um galo cantar. Não me lembro do intervalo de um canto e outro, e foi indo até eu conseguir pegar no sono. Às 2h da madrugada, quando acordei para fazer xixi, lá estava o galo cantando. Agora não sei se as coisas mudaram pelo lado deles, ou esse galo tem que fazer terapia.

Acredito que para a maioria dos homens, é claro, no nosso primeiro trabalho em que começávamos como "boy", como era tratado na época, a primeira tarefa ao chegarmos ao setor era atualizar o calendário que, no meu caso, havia uma caixa bem grande com números, dias da semana e meses, em letras garrafais para ser atualizado.

- Aureliano, faça uma ligação para o "fulano de tal".

- Sr. Rubens, não encontrei o nome na lista telefônica, o senhor não teria o endereço?

Tinha lista por nome de usuário e outra por endereço. Ao contrário dos celulares, eram grosas e pesadas, tendo até concurso para quem conseguia rasgá-la com as mãos, sem uso de nenhum artifício. No celular, você programa a sua vida. Horários para despertar (com a música do seu gosto, apito de trem, galo cantando, enfim, há tantas possibilidades que nem vale a pena descrevê-las). Horário do remédio, do almoço, final de expediente, de um compromisso, e vai por aí afora.

Engraçado, aqui em casa eu sinto-me acima dessas tecnologias. É que o meu filho mais velho programou em seu celular o horário para levantar para ir para o trabalho. Acho que a maioria programa o seu despertador assim: primeiro toque para alertá-lo, segundo para ficar esperto e não pegar no sono novamente e levantar mesmo no terceiro toque, que para mim é um saco. Agora, depois de todos esses toques, ele levanta mesmo na hora em que eu abro a porta do seu quarto, acendo a luz e digo "Juca são sete e meia" vamos levantar. Põe-se em pé e diz: “Obrigado pai”...

E-mail: joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 02/11/2013

Sabe, Aureliano eu quase nem ligo pra horário, não tenho compromisso sério rs.

Esse negócio de ficar preso a relógios já faz parte do passado.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 20/09/2013

Nossa quanto tempo sem me comunicar com vocês,só agora consegui me recadastrar no site e matar as saudades..Adorei relembrar a época de olhar a folhinha atrás da porta(minha neta diz que é calendário)Listas telefônicas,páginas amarelas e ligar para a telefonista para fazer um interurbano..lembra-se? Esta história de sermos o despertador de filhos é eterna...e agora é igual para os netos.Acho que o barulhinho do celular não os acorda e sim a porta do quarto abrindo e a voz da gente que mesmo doce e calma significa:Acabou seu tempo levanta!!!

Enviado por Walquiria Rocha Machado - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 04/09/2013

Meu querido amigo Jose Aureliano que bom que podemos outra vez nos saudar neste Site tão gratificante . Otimo texto lembrando mais uma vez donde a tecnologia vai nos levando a caminhos infinitos. Lembro dos velhos tempos de crianca , tinhamos um relogio Cuco na sala , e que a cada hora nos despertava e nos ia irritando quando ele ia aumentando o numero de cucos , e avisando que estava chegando a hora de ir levantando,rs rs rs. Abracos alvi negros ao amigo corintiano .Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 02/09/2013

Jose, sou do tempo do despertador, do calendario atras da porta da cozinha, tambem meu pai me chamava as 5:30 pois tinha que tomar o bonde para chegar na hora, parabens pelo texto.

Enviado por Leonello Tesser (Nelinho) - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 02/09/2013

Ótimo, José. É isso mesmo, muita tecnologia, mas na hora H, é o pai ou a mãe tendo que acordar os rebentos. Gostei muito. Um abraço, meu querido colega de letras e de sonhos.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
« Anterior 1 Próxima »