Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares O cemitério de Santo Amaro e Bento do Portão! Autor(a): Carlos Fatorelli - Conheça esse autor
História publicada em 30/10/2013

Os cemitérios foram decretados pelo Imperador do Brasil, Dom Pedro I, em 1828, por uma contingência necessária de se evitar que os fiéis defuntos de determinada ordem religiosa fossem depostos nas dependências das referidas paróquias em determinada Freguesia. Os primeiros cemitérios foram criados para manterem-se próximos das igrejas, ou seja, ao redor destas, onde serviam determinada congregação e estavam em volta destas matrizes ou capelas. Logicamente, com a expansão urbana houve a necessidade de ampliar estas áreas físicas depositárias, e, no caso, o poder municipal achou por bem determinar locais apropriados para este cunho específico, quebrando deste modo o vinculo exclusivo de determinada irmandade, pois em Santo Amaro, em 1836, estavam registradas quatro irmandades: do Santíssimo Sacramento, de São Miguel, das Almas e do Rosário, não mais cabendo todo o ritual do féretro, sendo as exéquias unicamente parte do serviço religioso dentro ou ao redor das paróquias, assumindo a deposição do corpo a sepultar ao poder municipal de cada cidade.

Cumprindo determinações a respeito e tendo em vista unicamente o sentido da saúde local, houve por bem aceitar as determinações e a interferência sanitarista.

No século 19, todas as doenças diagnosticadas estavam relacionadas às febres temíveis e em São Paulo não era diferente, espalhando a febre palustre, a terçã, tifoide, inflamatória, intermitente ou remitente e a perniciosa, em uma gama enorme de ainda desconhecidas doenças que se somavam a falta de higiene, que alastrava também a peste bubônica e a varíola, que eram temidas pela população urbana de concentração mais elevada.

O pensamento da época sustentava que as aglomerações de cortiços favoreciam maior foco de epidemias, pois estes locais concentravam um grande número de pessoas em ambientes insalubres, sendo grande foco de contágio. As anemias contribuíam para que os óbitos crescessem assustadoramente, pois as parcas sustentações alimentares agravavam o enfraquecimento e alastravam as doenças, que atacavam os mais fracos e, neste grupo, muitas crianças eram afetadas em número alarmante.

Havia correntes que se preocupavam com a higienização, que demandavam uma nova concepção de espaço urbano e de suas infraestruturas, exigindo um modelo de combate em locais segregados, fileiras de grande massa operária, exigindo saneamento básico compatível com o crescimento. As latrinas não mais deveriam despejar seus detritos a céu aberto e as águas deveriam ter tratamento compatível às necessidades locais. As teorias parlamentares campeavam nas repartições públicas, sem embasamento suficiente para combate eficaz das moléstias mais comuns da época.

Em decreto de 14 de setembro 1891, extinguiu-se a “Inspetoria de Higiene de São Paulo”, reorientando os serviços públicos de saúde. Novas estruturas evoluíam quanto mais se necessitava o combate às doenças mais comuns entre a população.

O serviço Sanitário foi instituído em 28 de outubro de 1891, através da lei nº 12.

Em 18 de julho de 1892, a lei nº 43 regulamentava o modelo sanitarista, criando o “Laboratório de Análises Químicas” para controle de alimentos, o Laboratório de Bacteriologia, o Instituto Vacinogênico, para os trabalhos de produção de vacina antivariólica, e o Laboratório Farmacêutico, para produção de medicamentos.

Com a larga escala de navios aportando em Santos, com a alta demanda de imigrantes de várias partes do mundo que afluíam para a cidade de São Paulo do século 19 e deslocamento de populações, houve a preocupação com a peste bubônica, sendo os ratos os agentes transmissores da peste, houve precauções visando que o mal chegasse à capital paulista.

Cemitério de Santo Amaro

O Cemitério de Santo Amaro possui sua entrada mais antiga localizada na Rua Carlos Gomes, sem numeração e a entrada oficial à Rua Ministro Roberto Cardoso Alves, nº 186, na esquina da Rua Padre José de Anchieta.

Deste modo houve a criação do Cemitério de Santo Amaro, inaugurado em 9 de maio de 1856, (o Cemitério da Consolação, considerado o primeiro cemitério da cidade de São Paulo, foi inaugurado em 15 de agosto de 1858) quando Santo Amaro possuía autonomia administrativa (cidade de 1832 a 1935) cumprindo o artigo 66, da Lei Régia de 1º de outubro de 1828, exigindo que a deposição dos corpos dos fiéis defuntos não deveriam ser colocados dentro das igrejas, sob assoalhos onde se mantinham as referidas campas, pois com o tempo exalava odores insuportáveis pela putrefação da decomposição orgânica, sendo esta prática um grande risco a saúde.

O primeiro enterro do Cemitério de Santo Amaro, conforme registros historiográficos, ocorreu em 5 de janeiro de 1857.Logicamente, com a rotatividade na área física do cemitério, não houve a preservação do espaço destes primeiros túmulos depositários, ficando como indício do século 19 a lápide do Comandante José Foster, que participou da Guerra da Cisplatina e que nasceu em Wertemberg na Alemanha, em 27 de setembro de 1800, vindo a falecer em 14 de outubro de 1886 em Santo Amaro, São Paulo, Brasil.

Muita história local foi depositada neste “campo santo”. Além de muitas atribuições exercidas em Santo Amaro, coube-lhe ainda ser o primeiro administrador, foi Adolpho Alves Pinheiro de Paiva (1814-1880).

Através de observação no Cemitério de Santo Amaro é possível conhecer sepulturas de importantes personagens santamarenses. Deste modo podem ser vistas lapides de famílias tradicionais que muito contribuíram para o desenvolvimento da cidade de Santo Amaro:

Araújo, Moraes, Zillig, Sgarbi, Luz, Lamera, Diniz, Lang, Foster, Hessel, Barroso, Zenha, Schmidt, Guerra, Rivellino, De Luca, Amaro, Borba, Roschel, Klein, Piccarolo, Schunck, Bechara, Grassmann, Fares, Martins, Carvalho, Abrantes, Mendes, Czernik, Cortez, Petrillo e tantos outros nascidos nestas paragens ou imigrados, que vieram de lugares diversos, que podem ser aqui acrescidos e que merecem sempre o réquiem e o silêncio do respeito de todas as gerações demarcada pelo Cruzeiro, farol de luz entre os que estão aqui e aos que tiveram “passamento” pela vida.

Bento do Portão: Santo para o povo de Santo Amaro!

Antônio Bento nasceu em 20 de janeiro de 1875, no estado da Bahia, Brasil.

Tornou-se figura de devoção em Santo Amaro. Bento do Portão, como se tornou conhecido, viveu, em boa parte de sua existência, em Santo Amaro espalhando bondade, com labor da vida diária, ora carregando lenha, fonte de energia local e da cidade como um todo, ora sendo o “agueiro” recolhido das minas d’água da Iguatinga, recebendo as benesses populares desta labuta, tendo como “morada” o portão do Cemitério de Santo Amaro ou acomodava-se diante da ombreira e verga das grandes portas das residências dos domicílios de onde usufruísse de seu sustento, sendo essa casa abençoada pela benevolência.

Veio a falecer em 29 de junho de 1917, sendo sepultado no Cemitério de Santo Amaro e em sua exumação, após o período de sete anos, seu corpo permanecia intacto. Seu túmulo, no Cemitério de Santo Amaro, possui alta frequência, sendo diferenciada dos demais por uma estrutura coberta próximo à capela. Os leigos religiosos têm grande apreço nas interseções e através de orações elevam graças ao Deus Criador, sendo Bento do Portão o instrumento elevado pela força do Espírito Santo, um dia, quem sabe, sua beatificação, cabendo à prova taumaturga, pela fé cristã, torne-se um grande acontecimento de santidade em Santo Amaro.

E-mail: cafatorelli@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 31/10/2013

Instrutivo e bem elaborada narrativa sobre o Cemitério de Santo Amaro e Bento do Portão, Fatorelli, minuciosos e extensos parágrafos pra bem informar sobre detalhes curiosos, enriquecidos com precisão e com datas e nomes dos primeiros santamarenses. Um trabalho digno de se guardar pra futuras consultas. Parabéns, Carlos.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 31/10/2013

Muito interessante. É um bênção ter, no site, um historiador do seu quilate, Fatorelli. Excelente, como sempre. Um abraço e meus parabéns.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 30/10/2013

Fatorelli, quantos dados importantes você trouxe em seu texto. Gostei muito de conhecer esta parte da historia sobre os cemitérios.Parabéns e um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 30/10/2013

Vamos divulgar o Bento do Portão, para que a Diocese de Santo Amaro lute para abrir o Portão do Vaticano a Beatificação e Santificação do Bento do portão. Afinal de contas ele já é Bento mesmo! né? Parabéns Capuano, e desculpe os trocadilhos, mas como humorista nas resisti a tentação, (risos).

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 30/10/2013

Achei muito interessante esse texto.

Gostava muito de visitar cemitérios, rs agora não vou mais, parei com isso.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 30/10/2013

Como filho de Santo Amaro, não do Santo padre mas do bairro cidade, conheço alguma coisa relatada pelo Carlos, mas a história é completa, pena que isso não se ensina na escola, a história do bairro do municipio para lhe dar o valor que merece, e além do Bento do Portão tem mais umas tres pessoas sepultadas que dizem que faz milagres, assim é Santo Amaro, muito bom, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estantec@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »