Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Olha o quebra-queixo... Autor(a): TANGERYNUS - Conheça esse autor
História publicada em 19/09/2013

Nos tempos de infância, morava eu com a família no bairro de Vila Carioca – Ipiranga – SP, era comum ver pessoas vendendo vários tipos de guloseimas, tais como: quebra-queixo, maçã do amor e biju, isso ao som de uma “matraca”.

Recentemente, estava caminhando próximo à estação rodoviária de Porto Ferreira, ouvi um “crá-crá-crá...”, para minha surpresa era um senhor da terceira idade usando a famosa “matraca” para vender guloseimas. Voltando ao tempo, calculo que faz uns 50 anos que não via tal instrumento, que também era usado nas procissões promovidas pelo “Padre Mario”, pároco da Igreja Nossa Senhora de Aparecida, Rua 1822 – Ipiranga – SP.

Uma matraca é um instrumento musical e sinalizador constituído geralmente de madeira, onde existe um pedaço de ferro curvilíneo que, quando sacudido, produz som. É usada no Brasil, em pequenas cidades, por vendedores e também na quaresma para anunciar uma procissão.

 

E-mail: tangerynus@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 23/09/2013

Da matraca eu lembro muito na semana santa durante as procissões la no Braz mas tambem lembro dum pizzariolo la na Rua Caetano Pinto que anunciava a pizza napolitana que ele vendia pelas ruas do bairro.Muito boa lembranca . Abracos Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 20/09/2013

Que deliciosas memórias. Ipiranga, meio século atrás, quebra queixo e matraca... é demais. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 20/09/2013

Tangerynus, como velho morador do Ipiranga cheguei a ver muitas vezes o vendedor de biju com sua matraca, infelizmente se acabou, parabens pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 20/09/2013

É verdade, Tangerynus, o som da matraca tem essa dualidade, lembra o alegre dos doces oferecidos e lembra, também a tristeza da marcha fúnebre da procissão da Sexta-feira Santa. Boa recordação, Tangerynus, parabéns.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 20/09/2013

Tangerynus, boas lembranças, em meu bairro tinha um senhor chamado Sebastião, que vendia biju num tubo pendurado nas costas e na mão uma matraca, mas acho que o som da matraca dele fazia, rá-ta-ta-ta, som esse inclusive usado pelos soldados constitucionalista de 32 para assustar o inimigo por falta de armas. gostei de seu texto, parabéns, Estan.

Enviado por Estan - estantec@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »