Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Jogo no Pacaembu Autor(a): Antônio Almeida - Conheça esse autor
História publicada em 10/10/2013

Era o ano de 1968, como disse em relato anterior, trabalhava como office-boy em uma empresa de engenharia na Vila Guilherme e, devido a minha ocupação, conhecia muito bem a cidade de São Paulo.

Minha tia, irmã de meu pai, moradora de Paraisópolis, cidade do estado de Minas Gerais, veio a esta cidade com o intuito de visitar a filha Dulce, que trabalhava na Rua Angatuba, no Educandário Sampaio Viana, e fui com ela para ensinar o caminho. Saímos logo cedo da Vila Ede, Zona norte, até a Praça do Correio. Na Praça do Patriarca, tomamos o ônibus Pacaembu. Chegamos em dia de visita aos internos e a conversa entre mãe e filha durava a tarde toda e eu ficava na área externa, junto ao muro que rodeava a entidade e, por ser baixo, dava acesso também a um morro onde se podia ver o Estádio do Pacaembu e parte do gramado em frente a concha acústica. A movimentação de torcedores para entrada do jogo, que já começara, era grande. Gostava de ver aquele pessoal agitando bandeiras e correndo felizes para a peleja.

Ao final da tarde, bem antes do jogo acabar, abriam-se os portões laterais e os torcedores que estavam dentro do estádio assistindo saiam e as poucas pessoas que ficavam no morro começaram a descer correndo e entrar no estádio. Entre eles, eu.

O jogo que acontecia naquele domingo 18 de fevereiro era entre o Palmeiras de Djalma Santos, Ademir da Guia, Servilio e Ademar contra o Deportivo Galicia da Venezuela, pela Libertadores, fase de grupos. Quando entrei no estádio, o placar acusava zero a zero e, aos 26 minutos do segundo tempo, Servilio fez um a zero e em seguida, aos 29, Tupâzinho fez dois a zero. Acho que dei sorte ao time do Parque Antarctica.

Eu que estava acostumado a ver jogo de várzea tive o coração disparado de contentamento, pois este foi o primeiro jogo de profissionais que assistia, mesmo que por pouco tempo, mas a felicidade foi enorme.

Depois dessa aventura, convidei alguns amigos para ver o jogo de meu time de coração, Santos de Pelé, jogar no Pacaembu pelo campeonato Paulista, mas aí é outra história.

E-mail: antonio.almeida01@ig.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 14/10/2013

Aquele Palmeiras dos velhos tempos so nos traz lembrancas a todos pois era uma verdadeira academia . Assim como o Santos do Pele . E o Corinthians do IV Centenario.Naqueles tempos a gente podia sentar lado a lado , e assitir os jogos como adversarios mas como amigos e sem essa violencia dos dias de hoje. Parabens pelo texto . Abracos Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 11/10/2013

Antonio, boa lembrança, eu tive a oportunidade de assistir esse jogo, o Palmeiras da época era um verdadeiro esquadrão, o time de hoje não chega nem aos pés daquela equipe, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 10/10/2013

Antonio, que gostoso ir ao estadio do Pacaembu e assistir uma partida dessa, com certeza deu sorte para o Verdão.Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 01/10/2013

Gostoso ir ao Pacaembu, pela primeira vez assistir uma partida de futebol, melhor ainda quando nesse dia o nosso time ganha , também passei por isso e foi em 1948 o meu time também ganhou e até hoje me lembro de tudo Corinthians 3 x Portuguesa 2 e de virada, Corinthians Bino Domingos da Guia (pai do Ademir)e Belacosa, Pálmer Helio e Aleixo. Claudio, Baltasar Servilho (Pai do idem do Palmeiras) Nenê e Noronha. Portuguesa; Caxambu Lorico e Nino, Luizinho Manoelão e Helio, Renato Pinga II, Nininho Pinga I e Simão.

Naquele tempo o Corinthians ainda ganhava da Portuguesa,(risos) rsrsrs.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 01/10/2013

Antonio, nesse dia eu estava no Pacaembu, foi uma grande vitoria do Palmeiras, mas nao posso deixar de louvar o grande time do Santos na época, parabens pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 01/10/2013

Antonio: Tupanzinho e Servilio, jogavam muito. E olha que sou corintiano.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcos.lour@yahoo.com.br
Publicado em 01/10/2013

Antonio, também fiquei emocionada ao ir ao campo pela primeira vez, mesmo vendo meu time perder a emoção foi grande. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 30/09/2013

Vc, Antonio, não só deu sorte ao Palmeiras com teve a oportunidade de assistir um time que tinha Djalma Santos, Ademir da Guia, Servílio, Ademar, Dudu e outros que formavam um verdadeiro esquadrão. Que saudades daquela época, o Santos que vc mencionou, com Pelé, ganhava de todo mundo porém, contra o Palmeiras, o assunto era outro.

Lembrança bem colocada, Almeida, parabéns pela ótima descrição.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »