Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Santo Amaro, seus monumentos e seus artistas. Parte 4 de 4 Autor(a): Estanislau Rybczynski - Conheça esse autor
História publicada em 31/10/2013
Outra obra é o Jovem pajem, está muito bem conservada, uma obra de Val d'Osne, totalmente desfigurada pelo vandalismo, na Praça Coronel Lisboa, em Santo Amaro, denominada "Aurora".
 
O monumento Santa Cruz, magnífica obra de cantaria onde a cruz se eleva em pedestal, que ostenta dois painéis de azulejos brancos pintados de azul pelo consagrado artista José W. Rodrigues, com data de 1938, compõe-se de brasões em bronze; o painel dianteiro representa o Padre José de Anchieta, ensinando aos índios; o bronze acima representa o brasão de armas da família do jesuíta; a parte traseira refere-se ao engenho de ferro que funcionou em Santo Amaro nos primórdios do século XVII; o bronze acima representa o brasão de Santo Amaro, situado na Av. Adolfo Pinheiro, 510, onde ali havia as festas de Santa Cruz, tradicional festa santamarense e do cristianismo autêntico, monumento este dentro de um jardim da Praça Santa Cruz.
 
Obras de Júlio Guerra fora de Santo Amaro com grande relevância artística e histórica são:
 
São Pedro, imagem localizada nos jardins da Praça Amadeu Amaral, na Bela Vista (Bixiga). São Pedro de Júlio Guerra é uma escultura em bronze com 2,18 m x 0,78 m x 0,70 m, com pedestal em concreto 1,52 m x 0,66 m x 0,68 m – Praça Amadeu Amaral que, inclusive, está sem identificação como muitas em São Paulo, retirada por vândalos que depredam obras públicas.
 
"Mãe Preta", que amamenta seu filho exaltando a figura de uma babá negra que criou os filhos dos senhores de engenho nos tempos coloniais e, assim, homenageia a raça no Brasil; obra de 1955 no Largo do Paissandú, ao lado da igreja Nossa Sra. do Rosário dos Homens Pretos, obra essa que foi tombada pelo Conpresp e que possui uma cópia em Campinas.
 
Tínhamos em Santo Amaro um símbolo em homenagem a última viagem de bonde na cidade de São Paulo, que foi em março de 1968; para isso foi colocado na parede da igreja Matriz de Santo Amaro, no Largo Treze de Maio, uma placa de bronze em alusão a esta data e fato histórico, mas, comumente acontece, algum vândalo a furtou, creio que para vender. Seria de bom alvitre que a Prefeitura ou Sub, ou ainda alguém da iniciativa privada, se dispusesse a instalar uma outra ou, ainda melhor, fazer uma coluna de concreto e revestida com pedras coloridas, com motivo desse bonde e sua última viagem, assim como as obras em painel do teatro Paulo Eiró e a dos romeiros. Dessa forma, aumentaríamos o eixo histórico de Santo Amaro.
 
Todos esses monumentos fazem parte de um eixo histórico do bairro que mereceria estar no catálogo turístico da Prefeitura e não deixar morrer uma história mais de quatro séculos. Por esse motivo e muito mais que Santo Amaro é considerado a capital da zona Sul, um bairro-cidade, que tem que ser administrado diferentemente, ou seja, por filhos da terra que tem comprometimento com essa história local, respeitar seu passado e incrementar progresso com preservação.
 
E-mail: estan_tec@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 06/11/2013

Caro Estan, continuo aprendendo com você, a bela história desse simpático bairro de Santo Amaro. Texto muito rico em detalhes. Parabéns! Abraço Grassi

Enviado por Roberto Grassi - jr_grassi@yahoo.com.br
Publicado em 05/11/2013

Estan, suas narrativas me enchem de conhecimento sobre Santo Amaro. Parabéns ! Aquele abraço.

Enviado por Asciudeme Joubert - asciudeme@ig.com.br
Publicado em 01/11/2013

Para entender obras da fundição francesa Val D’Osne citada na crônica, que possui muitos trabalhos principalmente no Rio de Janeiro, e algumas peças em São Paulo vide:

O pedestal “Marco Zero” de Santo Amaro e a Ilha dos Amores da Rua 25 de Março, em São Paulo.

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com.br/2012/12/o-pedestal-marco-zero-de-santo-amaro-e.html

A Fundição de Val d'Osne e a Aurora de Santo Amaro, SP

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com.br/2013/04/a-fundicao-de-val-dosne-e-aurora-de.html

Fundição de Val d'Osne: Estilo de Qualidade como Ponto de Vista

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com.br/2013/04/fundicao-de-val-dosne-estilo-de.html

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 31/10/2013

Fiquei conhecendo Sto Amaro através de seus textos.

Muito interessante.

Parabéns.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 31/10/2013

Estanislau, quanto eu aprendi com seus textos. Realmente toda essa historia não deve morrer e quem sabe este seu desejo de incluir no catalogo turístico da Prefeitura, possa ser realizado. Meus parabéns e agradecida por compartilhar estes dados tão importantes e que só elevam este bairro querido.Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 31/10/2013

Estanis, não tem jeito - você é um historiador de mão cheia. Fico muito grata pela atenção que você nos dispensa com esses textos tão esclarecedores, apresentando um bairro riquíssimo em cultura. Muito obrigada, Estanis. Ótimo, como sempre. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 31/10/2013

Encerrando com chave de ouro os quatro capítulos dessa belíssima narrativa sobre Santo Amaro e seus artistas, vc Estan conseguiu um resultado de primorosa qualidade em história e informação sobre tudo relacionado a esta parte da zona sul de nossa querida cidade.

Parabéns, Rybczynski.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »