Leia as Histórias

Categoria - Personagens Os técnicos dos meus velhos tempos Autor(a): João Felix - Conheça esse autor
História publicada em 03/10/2013

Nos meus velhos tempos de torcedor do bom futebol e deixando o “clubismo” de lado, lembro-me dos bons técnicos que cochilavam no banco e mesmo assim eram campeões. Porque quando se tinha um bom plantel como aquela seleção de 1958, em que o Vicente Feola era o técnico, não eram necessários esses jogos de números que são os sistemas modernos de hoje: 4 - 3 - 3 - 1 ou 4 - 4 -2 - 1 ou 4 - 4 - 1 - 2, e por aí afora.

Naquela época, lembro que jogávamos com o esquema tradicional, 2 -3 -5, em que, com os números na camisa, era indicada a posição dos jogadores, 1 goleiro, 2 e 3 eram os beques ou zagueiros, 4 e 6 médios esquerdos e direito e o 5 o centro médio. A linha era formada com o 7 ponta direita e o 11 o ponta esquerda. Aí vinha o 9, que era o homem gol, o centroavante ou “center foward”, e os meias 8 e 10 que eram ou os pontas de lança ou os armadores.

O técnico que menos me agradou foi o carioca Flavio Costa. Esse me fez chorar, eu tinha 15 anos naquela tarde tristemente inesquecível, em que perdemos a Copa em 1950 jogando em casa. Ele era bairrista, pois como era carioca só escalava jogadores do Rio e também era acusado de “clubista”, pois como era vascaíno ele procurava encaixar sempre um vascaíno na seleção. Na época, a melhor linha média brasileira era formada por Bauer, Rui e Noronha, e ele só escalava a linha média vascaína Eli, Danilo e Bigode e só o Bauer foi convocado como reserva. Depois de jogar em São Paulo no jogo com a Suíça, em que empatamos 2x2, não houve jeito de mandá-lo de volta para a reserva. Outra injustiça foi o paulista Cláudio, que era o melhor ponta direita do Brasil e nem foi convocado. Esse técnico foi um dos responsáveis pela nossa derrota na Copa.

Em 1958, o Feola era um mero assistente privilegiado, pois aquele time nem precisava de treinador e assim fomos campeões. Agora, lembrando treinadores que mudavam o jogo como em um passo mágico, lembro do Brandão, que era um técnico de visão, mais falante e mais moderno para aquela época e que realmente tratava de passar aos jogadores em campo sempre suas instruções e era um verdadeiro campeão. Tive o imenso prazer de conhecê-lo pessoalmente, mesmo porque ele evitou que eu fosse expulso de campo como já contei em uma crônica.

Já o Luiz Alonso Perez, o "Lula", que foi de padeiro a técnico do Santos com aquela verdadeira seleção dos anos 60. Dizem as más línguas que no vestiário jogava as camisas para o ar e quem pegava é que jogava. Que timaço aquele que só nos traz ótimas lembranças, mesmo sendo corintiano, admirei sempre esse time. Com o Gilmar e o Manga, Pagão, Pepe-Formiga, Mengalvio, Zito, Calvet, Dorval, Clodoaldo, Coutinho, Tite e o maior de todos: o "Pelé"; esse time realmente não precisava de treinador.

E aquele Timão dos anos 50, sem querer fazer comparações, mas que me trouxe muitas alegrias. Com Cabeção ou Gilmar, Murilo (ou Homero) e Olavo (ou Alfredo), Idario, Touguinha (ou Goiano) e Julião ou Roberto Belangero, Cláudio, Luizinho, Baltazar, Rafael (ou Carbone ou Nardo) e Simão, ou Mario, ou Colombo. Mas voltando aos técnicos dos velhos tempos, precisou que o Lula deixasse o Santos em 68 e viesse para o Corinthians para que pudéssemos quebrar aquele tabu que durou 11 anos (20 jogos) com o Pelé sempre arrasando o Alvinegro.

E com um gol do Flavio e outro do Paulo Borges vencer o seu ex-time. Mas temos boas lembranças do Lula, do Jose Casteli, o Rato, do Osvaldo Brandão o campeão do IV centenário, do Silvio Pirillo, do Aimoré Moreira do Renganeschi do Del Debio do Yustrich do Filpo Nunes do Cláudio Cristóvão Pinho, do Paulo Amaral do Jim Lopes, do Fleitas Solich, do Luiz de Morais o nosso "Cabeção" e tantos outros que não já não recordo os nomes, mas que nos deu tantas alegrias sem esquecer das tristezas.

E-mail: jfvilanova@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 03/10/2013

João, aquí no Ipiranga tivemos 2 pessoas que realmente entendiam de futebol, Carlos Paeta que descobria valores para o C.A. Ypiranga e montava grandes time desde os juvenís (meu falecido cunhado Nenê foi uma das descobertas) e Caetano De Domenico que inventou a famosa "cerradinha", parabéns pelas lembranças.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 03/10/2013

E ai esta o nosso querido Felix, todo feliz a esparramar essa enxurrada de saudades por cima dos "jovens" corintianos como eu, fazendo a gente se lembrar do nosso velho futebol brasileiro quando havia muita arte, pouco dinheiro e muito coração, como também uma torcida que assitia a vitoria ou a derrota do seu time ao lado da torcida adversária. Sem morte, sem sinalizadores, ou raio laser, pois os torcedores eram famílias e não havia delinquentes e assassinos entre eles. Parabéns por essas belas lembranças.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »