Leia as Histórias

Categoria - Personagens Santo Amaro e seus personagens: Edmundo Zenha Autor(a): Estanislau Rybczynski - Conheça esse autor
História publicada em 08/11/2013

Edmundo Zenha, natural do bairro de Santo Amaro, São Paulo, nascido dia 14 de outubro de 1917, faleceu em 1º de julho de 2003, com 86 anos, filho primogênito de Belmiro Schunck Zenha e Maria Michaelis Zenha. Casou-se em 22 de janeiro de 1947, com Umbelina Pinheiro Forster Zenha, com quem teve as filhas: Maria Juliana, Maria da Glória e Maria Elizabeth.

Zenha nasceu no casarão, nas esquinas das ruas Campos Sales, hoje Mário Lopes leão com Tenente Coronel Carlos da Silva Araujo, sendo um dos pioneiros em comércio de móveis da região. Foi escritor e historiador e atuou no Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.

Dedicou-se à pesquisa sobre o bairro de Santo Amaro, sendo autor de diversas publicações sobre o tema, com valor reconhecido, tendo o seu nome citado no "Dicionário de Autores Paulistas, Edição do 4º Centenário da Cidade de São Paulo - 1954". Faleceu em 1º de julho de 2003, aos 86 anos de idade.

Fez o curso primário no Grupo Escolar Paulo Eiró, vivenciou o início da linha de bondes vinda para Santo Amaro em 1913, passou ileso pela epidemia da gripe espanhola que também afetou o povo de Santo Amaro.

De 1925 a 1935, vive sua pré-adolescência e cursa suas quatro séries do ginásio no colégio Ipiranga, na Rua Domingos de Morais e, no colégio, seu lazer principal era a leitura e o cinema, mas não deixava de ir ao circo e de jogar bola nas ruas de terra do bairro.

Ainda na adolescência, cursou o curso do pré-jurídico que preparava o aluno para a Faculdade de Direito do Largo São Francisco, curso de Direito, que ficava em um casarão ao lado da faculdade.

Edmundo Zenha teve uma infância marcada pela Revolução de 1924, Revolução Constitucionalista de 1932, a perda da autonomia do bairro em 1935; nessa época ajudava o pai nos serviços de agrimensura e com essa profissão do pai conheceu a região de Campo Grande, Campo Limpo, Capão Redondo e outros. 

Ele cursou Direito de 1941 a 1945, na Faculdade de Direito de São Paulo, no Largo São Francisco, e trabalhou como advogado por 40 anos até 1985.

Enquanto estudava já fazia suas pesquisas históricas, seu primeiro livro foi: “O município no Brasil”, livro que rendeu elogios de Gilberto Freire, esse seu primeiro livro rendeu sua nomeação para o Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.

Obras publicadas por Edmundo Zenha:

Em 1948 - O município no Brasil 1532 – 1700.

Em 1950 – A colônia alemã de Santo Amaro.

Em 1952 – Santo Amaro de Paulo Eiró.

Em 1954 – Legenda para cartões-postais sobre a velha Santo Amaro.

Em 1970 – A Vila de Santo Amaro.

Em 1970 – Mamelucos

Em 1999 – Vento de Agosto.

Edmundo Zenha tinha uma personalidade marcante e opinião própria, tinha a capacidade de analisar o passado com presente; viveu bem com a família. Tinha como melhor amizade em Santo Amaro os Forster, onde conheceu a sua esposa Umbelina desde criança e só a namorou depois de formado em Direito.

Edmundo Zenha foi o primeiro historiador natural de Santo Amaro, e onde sempre morou, desde a Av. Adolfo Pinheiro, a Rua Dr. Vito Rolim de Freitas, 219, antiga Rua Visconde do Rio Preto, na Granja Julieta.

Edmundo Zenha sempre foi reverenciado, citado por grandes escritores e historiadores, como Aureliano Leite, Nelson Di Francesco, Luis Alberto do Prado Passaglia, Gilberto Freire e Rafael Bielsa. 

Zenha, além da família Forster, tinha como amigo contemporâneo santamarense Júlio Guerra, que possuía dele a maioria de seus quadros em sua casa.

Esse texto biográfico histórico de domínio público, visa conscientizar a todos pela necessidade da revitalização da memória de um escritor de vários livros que se encontram fora de catálogo e do alcance dos leitores e que merece uma reedição para a cultura regional do santamarense e do publico em geral.

E-mail: estan_tec@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 11/11/2013

Estanis, maravilhosa homenagem. Eu me sinto muito feliz em poder ler as suas memórias, junto da valorização de personagens que têm sim que ser imortalizados. Parabéns mesmo. Lindo. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 11/11/2013

Graças ao alcance do Stan, conhecemos mais um personagem importante na saga santamarense. Muito boa e esclarecedora sua pequena biografia sobre Edmundo Zenha, Stan, um texto com muitos e vários detalhes sobre a vida desse advogado e escritor que enobreceu toda a região, com livros históricos, voltados para o engrandecimento do bairro que já foi município. Parabéns, Rybczynski.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 10/11/2013

Estanislau, com certeza essa revitalização é de suma importância. Memoria de um homem que colaborou com sua pesquisas e seus escritos não pode ficar fora do alcance de todos. Parabéns pela belíssima homenagem. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 10/11/2013

Caro Estan, merecida homenagem que você presta ao historiador Edmundo Zenha, sobre as atividades do bairro de Santo Amaro. Como sempre, estamos apreendendo muito com você. Um abraço Grassi

Enviado por Roberto Grassi - jr_grassi@yahoo.com.br
Publicado em 08/11/2013

Com certeza Sr estan ,irei pesquisar sobre esse escritor desconhecido.

Já ouvi falar dele mas, vagamente.

O sr fala de Sto Amaro com tanta propriedade...

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 08/11/2013

Relato de um nome importante para Santo Amaro, o qual tivemos a grata satisfação de conhecer quando visitava a Paróquia de São Luiz Gonzaga, no Jardim São Luiz e a quem devemos parte da historiografia da região. A sua biografia é um estandarte em muitas repartições do patrimônio histórico. Parabéns, bela e justa homenagem.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »