Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias O pé de milho perdido no jardim de morangos Autor(a): Ana Regina Carnevalli Parra - Conheça esse autor
História publicada em 11/11/2013

Para a alegria das crianças, meu pai resolveu plantar morangos, no jardim da nossa casa, no alto de Santana.

Quando arrumou as mudas foi uma festa. Era só esperar a chegada das frutinhas.

Várias apontavam delicadas flores branquinhas.

Todo santo dia alguém observava o pequeno jardim ensolarado.

Regava-o. Logo notei o aparecimento do primeiro moranguinho. Que maravilha, o negócio brotou!

Cada dia aumentava o tamanho do morango e o Sol deixava-o vermelhinho.

Irresistível, o ajeitava em cima das folhas para acelerar o amadurecimento.

Experimentei o seu sabor delicioso, com sérios protestos dos irmãos, que ficaram mais atentos na pequena plantação.

Um dia, em um cantinho do canteiro, apareceu uma folhagem diferente.

Crescia rápido, com folhas largas e fortes. Perguntei para a minha avó o que seria aquilo.

Também com dúvida, orientou para observarmos.

Parecia um pé de milho perdido, no meio dos morangos.

Após uns três meses, ele superou a minha altura, de criança, e quase por mágica, apontou duas pequeninas espigas e seus claros cabelinhos.

Ficava encantada com todo esse crescimento, dos morangos e do milho.

Sonhava com o dia da colheita.

Afobada, não resisti e as cortei. Que arrependimento! Elas estavam em formação.

Aprendi muito com essas plantinhas. Em especial, o inesquecível perfume e sabor do morango, sem adubo ou inseticida e, principalmente, respeitar o tempo necessário que cada ser precisa para amadurecer.

E-mail: arcparra@ig.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 13/11/2013

Afobação não é problema, Parra, apenas lições de comportamento. Como vc lembra do ocorrido, significa que a lição foi benéfica, positiva. VC elaborou uma escrita bem alegre, lembrando o mesmo cuidado que vc passa a ter nas plantações, sejam reais ou nas simbólicas. Parabéns, Regina.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 13/11/2013

Quanto ao sobrenome, Parra é de origem espanhola, do meu pai e Carnevalli, italiano, da minha mãe. Muita honra lembrar também da inesquecível Violeta Parra.

Enviado por Ana Regina Carnevalli Parra - arcparra@ig.com.br
Publicado em 13/11/2013

Fico muito feliz com todos os comentários recebidos. Na história do pé de milho eu estava com apenas sete anos de idade e a descoberta do desenvolvimento das plantinhas foi incrível!

Enviado por Ana Regina Carnevalli Parra - arcparra@ig.com.br
Publicado em 12/11/2013

O sobrenome que é do marido, chamou-me a atenção também Marco Aurélio, o da Ana é Carnevalli. A compositora e cantora chilena é Violeta Parra, "Gracias a la vida". O parentesco e a explicação cabe a ela, certo Marco.

Enviado por Clesio de Luca - clesiodeluca@yahoo.com.br
Publicado em 12/11/2013

Ana, até na Bíblia está escrito: Para tudo tem um tempo certo. Mas como explicar isso a uma criança? Você morou nos altos de Santana, eu morei na Parada Inglesa e o seu sobrenome, Parra não me é estranho.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcos.lour@yahoo.com.br
Publicado em 12/11/2013

A exemplo da Margarina, nossa casa contem plantação de morangos e outras espécies. É meu passatempo favorito. Sou filho de agricultores, colonos como aqui no sul chamam-se. Aposentado trabalho na Horta todos os dias e me realizo. O adubo também Ana, não deve ser dispensado, o orgânico.

Enviado por Clesio de Luca - clesiodeluca@yahoo.com.br
Publicado em 12/11/2013

Ana, creio que até hoje independente da idade, quando plantamos algo e temos tempo de ficar proximo a essa plantação a curiosidade em ver crescer a planta é diaria e isso faz com que pareça que ela não cresça logo, se ficarmos uns dias sem ve-las ai percebemos o seu crescimento suas flores e frutos aparecerem bem e na criança isso se faz sentir mais, parabéns pelo trexto,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estantec@gmail.com
Publicado em 11/11/2013

Ana, senti sua vibração. É mágica a sensação - observar o crescimento, o sentimento tão gratificante do trabalho ter dado certo, as novidades, os sabores. Enfim, a beleza da vida. Claro que você ficou curiosa! Curiosidade faz parte da busca do conhecimento. Lindo texto. Adorei. Receba os meus parabéns e o meu abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 11/11/2013

Ai que lindo!

Quantos anos você tinha?

Fico imaginando uma garotinha entusiasmada com o pé de milho que nasceu no lugar errado, e foi colhido na hora errada.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 11/11/2013

Ana, que historia bonita e que aprendizado a vida lhe trouxe, ao vivo e a cores. Nada como comer os alimentos que plantamos em nossos quintais, hoje em dia coisa rara. Na casa em que morei quando criança, tinha no quintal muitas frutas: Jaboticaba, uva, mamão, pitanga, figo, romã e outras que já não lembro mais.Parabéns pelo texto tão gostoso de ler. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »